Quais as reais consequências de NÃO FAZER e FAZER esta prova?

Eis a prova que sou professor +

Nesta intensa batalha contra a PACC naturalmente o Ministro Crato e os seus “agentes” (ex: alguns directores) tentam a todo custo diminuir a nossa luta, nomeadamente desprezando leis/regras (ex: esta marcação repentina da nova PACC) e tentando incutir o medo entre nós (sobrevalorizando as supostas consequências dos professores que, mais uma vez, prometem lutar e boicotar esta prova).

Afinal quais são as reais consequências para os professores contratados com menos de 5 anos que não fizerem a prova?
1) A esmagadora maioria desses colegas (cerca de 97%) já se encontra desempregado. Ou seja, não será a não realização da PACC que os colocará no desemprego. Quem tem colocado esses milhares de colegas no desemprego são estas políticas (des)educativas impulsionadas neste momento pelo Ministro Nuno Crato;
2) Mesmo que a luta seja derrotada (e isso não está garantido como se demonstrou no passado dia 18 de Dezembro) no máximo a real consequência é não poder durante 1 ano candidatar-se na realidade ao… desemprego (se este Ministro e estas políticas não forem derrotadas será uma garantia para ainda mais que 97% dos colegas chamados a realizar a PACC porque a dispensa de professores ainda irá aumentar mais);

3) A nossa consciência/dignidade; porque saberemos que, pelo menos enquanto dura uma intensa luta contra esta ignóbil PACC, lutámos a sério contra esta humilhação (lembram-se das imagens de 18 de Dezembro de colegas a chorar e a sentirem-se completamente humilhados por terem feito a PACC?). É claro que na altura poucos colegas contratados tinham consciência da capacidade de luta que permitiu vencer, contra quase todas as expectativas, no dia 18 de Dezembro. Hoje sabemos que é possível e vale a pena lutar!

Mas também é fundamental lembrar que também há consequências para quem fizer a prova:
1) Estaremos a desrespeitar todo o nosso percurso académico e profissional (todas as avaliações, estágios educacionais, exames, provas, etc) ao longo de vários anos;
2) Desrespeitaremos também todo o esforço/investimento que os nossos familiares fizeram para a nossa longa formação;
3) Estaremos também a reforçar o Ministro Crato e todos os seus ataques à classe docente e à Escola Pública. E isso é que coloca milhares de nós no desemprego (e não a realização ou não duma prova) e paradoxalmente outros de nós sobrecarregados de trabalho nas escolas. No dia 22 de Julho não é apenas a PACC que está em causa… Se todos fizerem a prova, sairá reforçada a política global deste Ministro e isso terá como consequência directa ainda mais desemprego em particular para os colegas contratados com menos de 5 anos (ou seja, o desemprego nos contratados com menos de 5 anos será praticamente de 100%). O que revela que na realidade praticamente 100% desses colegas ficarão no desemprego mais um ano (fazendo ou não fazendo a prova)…
Concluindo, apelamos a que todos os professores e toda a sociedade solidária a participar nesta luta na próxima terça, a partir das 8h à frente das escolas onde está prevista a prova.

Quantos professores a 17 de Dezembro (na véspera da nossa 1ª vitória contra a PACC a 18 de Dezembro) acreditavam na sua força e capacidade de vencer? Agora não podemos mesmo deixar passar esta nova PACC feita em “cima do joelho”, desconsiderando completamente a vida pessoal dos professores (ex: colegas que já tinham compromissos na próxima semana). Não podemos aceitar vigiar outros colegas (há reuniões sindicais marcadas nas escolas por isso todos têm a falta justificada, os sindicalizados e não sindicalizados, ao abrigo da lei sindical, ou seja nem sequer nos descontarão no vencimento como aconteceria se fosse greve) e não podemos também realizar esta prova que nos pretende humilhar a todos (hoje os contratados depois todos os professores). Todos os colegas têm que se juntar a esta luta, incluindo os que já realizaram a prova em Dezembro e se sentiram espezinhados… os que estão já estão de férias porque certamente haverá uma escola em luta por perto (ex: no Algarve) onde se pode juntar. Um Ministro que nos desconsidera (e nos tenta dividir) reiteradamente merece uma união sem precedentes.

Acredita colega (contratado com mais ou menos de 5 anos, que fez ou não fez a PACC, do quadro, aposentado,etc), não estás sozinho e és fundamental para a vitória nesta próxima batalha. Se esta PACC passar agora, depois tentarão impor uma prova a TODOS os professores (incluindo os do quadro) e depois será muito mais difícil ganhar… Agora é momento do tudo ou nada porque se vencermos novamente o Crato já não terá outra data possível neste ano lectivo. Sozinhos e desunidos somos fracos mas juntos somos invencíveis: UM POR TODOS E TODOS POR UM! https://www.youtube.com/watch?v=KRbnDG2DiJg

André Pestana

Professor contratado com mais de 5 anos de serviço (mas que nunca se inscreveu na prova) e que continua desempregado por causa destas políticas (apesar de ter concorrido).

p.s. Mais informações importantes (reuniões de preparação do Boicote&Cerco por todo o país e escolas onde faremos os protestos, etc): https://www.facebook.com/groups/464249357012999/

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

7 respostas a Quais as reais consequências de NÃO FAZER e FAZER esta prova?

  1. Manuel diz:

    Já percebi que nenhum de vós quer comentar o que se está a passar em Gaza. Deixo apenas ficar este link: http://www.uruknet.info/?p=m108416&hd=&size=1&l=e
    Por favor, abram o video (this video). Se decidirem ignorar as imagens, o problema é vosso.

    • pestanandre diz:

      Caro Manuel, concordo com a sua perspectiva sobre esse tema e já coloquei um pequeno post (peço desculpa mas não tenho tempo neste momento para colocar algo mais desenvolvido). Abraço

      • Antónimo diz:

        e deixarem de discutir com público as acções que vão tomar? o Governo já proibiu plenários. se fosse apanhado desprevinido era melhor, não? Força com isso.

  2. Pingback: Divulgação – Iniciativas Contra a PACC » Blog DeAr Lindo

  3. I diz:

    Eu apoio, como é óbvio, o que pretendem fazer. Fui uma das atingidas. Mas não concordo com o seguinte: eu e mais uns quantos milhares ficámos sozinhos no dia 18 de Dezembro. O que nos valeu na altura, dias depois, foram as decisões temporárias das providências cautelares que foram interpostas pelo sindicato de professores. E foi o arrastar de decisões nos tribunais que fez com que, até há bem pouco tempo, esta prova parecesse ‘adormecida’. Agora voltou e, mesmo apoiando as vossas iniciativas (volto a frisar), vão ser os tribunais, novamente, a travar as consequências desta prova. Lamento discordar neste ponto, mas é o que se vai passar.

    • pestanandre diz:

      Olá colega, naturalmente que respeito a sua perspectiva. Mas então consegue explicar porque é que os tribunais só se pronunciaram “contra a PACC” depois de 18 de Dezembro? E curiosamente antes de 18 de Dezembro TODOS os tribunais permitiram que a PACC avançasse e depois de 18 de Dezembro rapidamente 2 tribunais se pronunciam contra esta? Será tudo uma grande coincidência ou o Poder (governo, tribunais, etc) ficou assustado com a nossa força a 18 de Dezembro e resolveu acalmar a nossa luta “por uns tempos”?

  4. Rafael Ortega diz:

    Eu que vinha desejar-lhe boa sorte para a prova…

Os comentários estão fechados.