Mensagem às pessoas comunistas sobre Direitos Humanos de pessoas queer

gay_communist_2_by_rls0812-d2zddo5

Quero esclarecer que quando critico algumas posições dúbias de pessoas do Partido Comunista Português sobre Direitos Humanos de pessoas queer faço-o por acreditar que um partido de esquerda coerentemente progressista aborda o tema da igualdade derrotando preconceitos. A qualquer partido é exigido o dever de pedagogia política, dos seus eleitores e da sociedade. E isso, nos dias de hoje e sempre, exige coragem.

Por conhecer a história de coragem, do PCP e doutros partidos comunistas – que, independentemente de erros no percurso, alguns graves, tiveram em todo o mundo um papel central na emancipação da mulher, nas conquistas de liberdades associadas aos direitos sociais, económicos e culturais, e em tantas outras “normas” que ajudaram a desconstruir por se tratarem de opressões ao indivíduo e à colectividade – tenho esperança que as pessoas que o compõem hoje saibam compreender que é tempo de actuar contra o capitalismo, os dogmas da religião e o imperialismo que oprimem materialmente mas também as mentalidades das pessoas, subjugando-as pela divisão e, ao mesmo tempo, reprimindo-as pela diversidade inerentemente humana.

Sabemos que na defesa dos Direitos Humanos, da Democracia, de uma vida digna para Todas as Pessoas, com justiça e igualdade de direitos no trabalho e em todas as áreas da nossa vida, muitas vozes serão mais fortes do que apenas algumas.

E saibam que se alguma vez vos quiserem ir buscar a casa eu lutarei contra isso. Espero que façam o mesmo por mim.

[Isto vem a propósito disto e disto]

Sobre João Labrincha

Agora escrevo no Botequim.info em http://botequim.info/author/jl4br1nch4/
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

34 respostas a Mensagem às pessoas comunistas sobre Direitos Humanos de pessoas queer

  1. João Labrincha diz:

    Reblogged this on Ar Salgado.

  2. Argala diz:

    Interessante discussão essa, onde voltou a aparecer a Internacional Comunista. Vamos lá arrumar esta questão do LGBT.

    Os comunistas devem ter opinião e posição sobre questões relacionada com racismo, descriminação religiosa, drogas leves e duras, LGBT, direitos dos animais, feminismo, aborto, educação sexual e todos os temas que dizem respeito às suas vidas e às dos outros? Claro que sim. Isso não pode é ser usado como válvula de escape de alguns partidos. que por não terem qualquer teoria revolucionária, precisam de mascarar as linhas estruturais do conflito, o eixo de conflitualidade. Esse eixo é a luta de classes.

    Tristemente, um partido reformista como o PCP nem sequer precisa destes temas para o mascarar, basta uma bandeira vermelha e uma clientela eleitoral que por ser mais velha e menos urbana, não é facilmente seduzível por estes assuntos. Estão mais preocupados com os salários e as pensões, e isso é perfeitamente normal.

    Lamento, mas o LGBT não é um assunto com importância suficiente para abrir cismas entre partidos comunistas. Há críticas muito mais importantes a fazer ao PCFR.

    Pior acontece quando alguns patetas agigantam a questão amarrados a uma estratégia de comunicação imperialista. Exemplo prático: entrem no site da ILGA e procurem informações sobre LGBT na Arábia Saudita. Agora façam a pesquisa sobre Irão ou a Rússia e percebam onde quero chegar.

    Conclusão: menos circo LGBT e mais trabalho do foro revolucionário.

    • João Labrincha diz:

      circo, no sentido de palhaços? malabaristas? contorcionistas? soa-me a desrespeito, a começar, pelas pessoas que trabalham no circo…

      • Argala diz:

        Sem dúvida. Palhaço também é artista, não queria ofender essa nobre profissão. Queria apenas pôr as coisas no seu sítio.

    • Labrego semi-analfabeto que chega a pôr cruzinhas no mrpp de tão vesgo que é diz:

      Este mito do PCP constituído por velhinhos semi-analfabetos, mais perto do homem de neanderthal que outra coisa, é um fetiche comum a todos os anti-comunistas primários. Desde o CDS à corrente-ultra-revolucionária-renovadora-do-17º-pentelho-do-trotskismo-e-do-poder-da-classe-operaria-que-nunca-trabalhou-limitada.
      A verdade é que no PCP militam milhares de jovens, operários, estudantes, desempregados, empregados, integrados em sindicatos, associações de estudantes do ensino secundário e superior, associações desportivas e culturais, onde intervêm no dia-a-dia. Sim, milhares! Uns mais urbanos, outros mais rurais, uns mais dinâmicos, outros mais recatados, uns com pilinha, outros com pipi.
      Essa falácia só prejudica o povo português, propagandeando a urgência de uma alternativa ao PCP, quando a vida mostra que não há, na sociedade portuguesa, e talvez em toda a Europa, outro partido ou movimento que conte com a participação activa e combativa de tantos jovens.
      E podem respingar o que quiserem acerca do carácter “reformista” do PCP. O PCP assume-se como revolucionário, demonstra sê-lo no trabalho que desenvolve desde 1921, e não deve nada aos revolucionários de sofá que sentem o seu dever cumprido quando mandam os bitaites sobre como o PCP se desviou dos autênticos desígnios do materialismo-dialético. Ora, trago um pequeno pormenor que pode contribuir para elucidar as hostes: o PCP é REAL! Feito com pessoas REAIS, que têm propostas REAIS, e desenvolvem actividade REAL. Não pretende ser incriticável, mas também não existe para agradar à intelectualidade esquerdelha, mas para ser um instrumento dos trabalhadores na luta pelo estado e pela sua destruição. O PCP já discutiu com dezenas de gerações daquilo a que chamo “intelectuais da piça”, e esses mesmos “intelectuais da piça” fizeram sempre questão de se abster de participar nas mais diversas instâncias da vida democrática do nosso país, reservando-se o papel de “júri” do PCP.
      A vossas excelências, defensores heterossexuais dos LGBT, que se aproveitam da causa anti-sexista para denegrir o PCP, ultra-revolucionários para quem o PCP há muito que capitulou, silêncio, que se canta o fado:

      • Labrego semi-analfabeto que chega a pôr cruzinhas no mrpp de tão vesgo que é diz:

        O que realmente queria pôr aqui era isto:

  3. imbondeiro diz:

    “Direitos Humanos de pessoas queer”?!!! Eu que pensava que os Direitos Humanos eram de todos os… humanos, mas está bem… Eis que as coisas têm o seu quê de ironia: a malta “queer” pretendia ser igual a toda a outra gente (coisa que, e muito bem, em larga medida conseguiu). Agora, que é igual a toda a outra gente, vai de reclamar a diferença, tentando arrendar no vasto condomínio dos Direitos Humanos um lotezinho aconchegado e só seu.
    O que vale no meio de tudo isto é que o que interessa realmente e realmente interessa mudar aí contínua: os “queer” lá vão vivendo as suas gostosas vidinhas nos seus paraísos artificiais, almodados em simpáticas contas bancárias e em lustrosos estatutos sociais que de antanho vêm, enquanto o “panasca” e a “fufa” amargam no desemprego, escondem a sua negra fome por detrás de papo-secos rançosos, são pobres por danação genética e, coitados, têm a suma desgraça de os seus mal tirados 9º Anos lhes não permitirem, pelo menos, o consolador refrigério de entenderem a importância que certos debates têm para a sua futura felicidade.

  4. Kha Sanh diz:

    Uma pergunta muito simples.

    O PCP fez alguma declaração acerca deste assunto? Onde e quando!

    Sou de opinião que o lembrete devia partir dessa premissa. Se assim não foi …….fica para quando receber a resposta.

    • João Labrincha diz:

      a origem disto, como aparece no final do artigo, é uma discussão participada por várias pessoas do PCP em comentário a uma notícia sobre os deputados comunistas russos que propuseram criar um novo concurso alternativo à eurovisão que fosse “só hetero” (lol)

      E a minha mensagem é para as pessoas que se considerem comunistas, não me dirigi ao PCP…

  5. Francisco Santos diz:

    Com o ataque brutal aos direitos dos trabalhadores portugueses, dos pensionistas portugueses, dos jovens portugueses, dos estudantes, dos bolseiros de investigação, etc., etc., não há dúvida de que este é o tema que devia merecer uma reflexão aprofundada do CC do PCP e, no mínimo um comunicado dos candidatos da CDU ao PE em que se declarassem “frontalmente” contra a posição dos parlamentares Russos que criticaram a decisão (política) de atribuir o prémio do festival da canção a um travesti.
    Haja pachorra, que paciência já vai faltando

    • João Labrincha diz:

      Agora imagina, Francisco, quando os trabalhadores portugueses, os pensionistas portugueses, os jovens portugueses, os estudantes, os bolseiros de investigação, acumulam esses estatutos com o factor de terem identidades queer, e diz-me se não se lhes multiplicam exponencialmente os problemas.
      porque, se achas que não, estás mal informado…
      eu não pedi uma declaração sobre a eurovisão. gostava era de ver posições coerentes e persistentes no sentido da defesa dos direitos de todas as pessoas, trabalhadoras, pensionistas, jovens, estudantes, em igualdade de oportunidades e de direitos, independentemente da sua orientação sexual ou identidade de género. Afirmações claras e corajosas, só isso…

  6. Joao Pereira diz:

    O PCP não é nem nunca foi um partido progressista. E ainda bem. No dia em que for, terá o mesmo destino dos demais partidos comunistas europeus. O PCP é fiel à sua ideologia. É um partido conservador, como sempre o foi, em matérias como a homossexualidade.
    Posto isto, a Conchita não é uma questão de homossexualidade (com a qual tenho a maior simpatia e apoio pela causa), é uma questão de desvio de personalidade e de género que deve ser tratada no local apropriado. Aceitar todo o tipo de taras e manias sob a capa da liberdade LGBT é estúpido à brava.

    • João Labrincha diz:

      só há uma palavra de que me lembro depois de ler isto: xenofobia

      • Joao Pereira diz:

        Repito, com certeza não percebeste bem: “Aceitar todo o tipo de taras e manias sob a capa da liberdade LGBT é estúpido à brava”.

        Sou totalmente a favor dos direitos dos homossexuais, que têm obviamente os mesmos direitos a ser felizes e a ter uma vida em conjunto como heterossexuais. Agora, não me impinjam que um tipo igual à Cher mas com barba, que é homem à 2ª 3ª e 4ª e mulher à 5ª 6ª e Sabado e ao Domingo é um Golden Retriever, é um individuo que bate bem da pinha e que a sua situação deve ser legalmente consagrada, protegida e entendida como regular. Santa Paciência.

        • João Labrincha diz:

          não vou ser eu quem te vai convencer… talvez, por ti, um dia, percebas que cada um devia poder ser o que quer, no dia e na hora em que o quiser ser. e que alguém tentar impedir-te de fazer algo que não prejudica ninguém, só porque tu não gostas, é autoritário.
          e também não serei eu a fazer-te compreender que a tua repulsa é apenas um ato irreflectido como reacção ao medo de mudança e do desconhecido e da diferença = xeno fobia

      • Sucellus diz:

        Convido o João Labrincha a pegar num dicionário e a reler a definição de xenofobia.

        • João Labrincha diz:

          xe·no·fo·bi·a
          (xeno- + -fobia)
          substantivo feminino
          Aversão aos estrangeiros, ao que vem do estrangeiro ou ao que é estranho ou menos comum. = XENOFOBISMO

          “xenofobia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/xenofobia [consultado em 15-05-2014].

          • Sucellus diz:

            O amigo Labrincha queria ter utilizado o termo Sexismo, dado que a comum interpretação de xenofobia se delimita por medo da diferença de nacionalidade e por questões relacionadas com fronteiras geopolíticas. Mas ainda assim são discriminações que são vistas onde elas não existem, que é um argumento muito utilizado sempre que faltam quaisquer outros.

    • Pedro Pinto diz:

      O PCP é progressista, pois. Há é que perceber bem o que se entende por «progressista»…

  7. Vasco diz:

    Mas porque é que o PCP é para aqui chamado? Foi apenas isso que não percebi. E argumentos para atacar o PCP, não há?

  8. Pedro Pinto diz:

    «É tempo de actuar contra o capitalismo». Obrigado, Labrincha, o PCP não sabia disso e, com o teu alerta, ficou mais ganho para essa causa.

  9. Américo Rodrigues diz:

    Se eu – barbudo, confesso – puser uma peruca e saltos altos passo a ser avançadíssimo por isso? Calças de ganga não serve?

    • João Labrincha diz:

      avançadíssimo não sei. mas corajoso, se andares assim na rua enfrentando os preconceitos do binarismo de género que te exigem comportares-te, vestires-te e apresentares-te da forma que a maioria dita ser obrigatório comportares-te, vestires-te e apresentares-te, só por teres nascido com um determinado órgão sexual entre as pernas, mesmo que não te sintas confortável com tal papel, corajoso sim.

      • imbondeiro diz:

        Ora aí está uma excelente definição de “coragem”. A boa/o bom/ou o que seja da Conchita Wurst deu a todo o Mundo uma lição de… coragem… Como não se lembrou alguém dentre a mundial mole humana de pôr tão corajosas tácticas ao serviço da derrota de quem o oprime, tortura ou massacra? Anunciemos, “cum gaudium” e “urbi et orbi”, a novíssima forma de combater a opressora e criminosa iniquidade. Em Donetsk e em Lugansk, a Junta de Kiev trata quem a não reconhece a morteirada, a rocketada de Mi 24 ou de RPG7, a metralha de Kalaschnikov e a atropelo de carro blindado? O remédio é desconcertantemente fácil e infalível, ó gentes do Leste da Ucrânia: ide ao cabeleireiro, envergai, ó hirsutos homens, vestidos de lantejoulas e ponde rimel nas fartas pestanas e vereis como as hordas criminosas fugirão esbaforidas tal o medo que sentirão perante tanta e tão inquebrantável… “coragem”. Um autêntico “ovo de Colombo” na luta contra a sanguinária opressão, é o que é! Obrigado, Conchita, muito obrigado.

        • Já me ri um bom bocado… De vez em quando, para espairecer…😎

          • imbondeiro diz:

            Ele há coisas, caríssimo Fonseca-Statter, que só a rir é que se podem levar minimamente a sério, pois, quando lhes queremos agarrar uma ponta só que seja de seriedade… é só rir. Saudações cordiais.

          • imbondeiro diz:

            E já estou a imaginar a icónica fotografia do “Che” com que o Korda nos brindou, agora em versão “libertária”: a barba, evidentemente, fica; já a estrela da boina vai empalidecer um pouco com tanta lantejoula na boina… cor-de-rosa.

      • Américo Rodrigues diz:

        E que tem o PCP a ver com isso?

  10. Alberto diz:

    Caro João,

    Quando diz: “[…] cada um devia poder ser o que quer, no dia e na hora em que o quiser ser. e que alguém tentar impedir-te de fazer algo que não prejudica ninguém, só porque tu não gostas, é autoritário.”

    Isto aplica-se à adesão, por exemplo, a sistemas públicos de educação, saúde, segurança social, televisão, rádio, etc.?
    Repare que a mim obrigam-me a contribuir para algum esses serviços de forma coerciva sem que eu possa fazer o opt out.

    Eu, como o João acredito que cada um deve levar e vida que entende como entende, desde que não “prejudica ninguém”. E para mim, além das questões que o João refere, isso inclui a gestão do o fruto do meu trabalho, ou seja, do meu dinheiro sem qualquer condicionante por parte de coletivistas. Se querem fazer um sistema público que o façam com deles e deixem o meu em paz.

    Posto isto acho estranho que apele para o PCP que sempre ligou pouco à liberdade individual focando-se na “liberdade” do coletivo.
    ,
    Cumprimentos,

    Alberto

  11. Tiago diz:

    Para mim o PCP é um caso de estudo. Revolucionário e reformista, comunista ou social-fsscista, perigo para o capital ou manipulador de massas. Ou seja o PCP é tudo. Alvos de críticas de todos os lados, odiado pelos fascistas e pelos esquerdistas. Odiado pelos patrões, pela hierarquia da igreja, parece que por alguns defensores dos direitos lgbt, e certamente muitos mais.

    É considera anyi-democrático, estalinista ou por outro revisionista do estalinismo, marxistas perigosos ou revisionistss do marxismo. De extrema-esquerda ou conservador, e por aí fora.

    Controlador do movimento sindical, perigo para a juventude, mas partido de velhos, fora das zonas urbanas, mas com melhores rssultados… n zonas urbanas.

    Enfem, muitas e muitas razões para ser odiado. Maoistad, troskistas, sociais democratad, libertários, anarquistas, conservadores… sei lá, ódio de morte ao PCP.

    Mas… porque é que eu nunca vejo es gente toda a fazer o trabalho duro? Sim, há chuva ou sol, a colar cartazes, pendões, ir às fábricas, aos campos, aos serviços, às praças, mercados, comboios, autocarros. Quem nunca recebeu um papel do PCP?!

    E a uma semana das eleições de que fala do PCP? Dos anarcas, dos esquerdistas, do mas, do be? Fala do capital, do ps, do psd, do cds, da troika, dos baixos salarios, da contratacao colectiva… da luta!

    Primeira lição da luta de classes…define bem o teu inimigo… o resto é treta.

    Mais… porque é que nta genete que sabe tanto tanto não é eleita delegado sindical ou dirigente, porque é que não é dirigen associativo da colectvvidade da terra? Da associação de pais? Porque n ganha juns de freguesia ou câmaras… onde a comunicaçào sival não determnado o resultado?

    Simples, porque o inimigo de vocês não é capital… mas o PCP. Porquê? Não sou adivinho, por serem agentes bem pagos, por ignorância, recalcamento, ou simples ódio à ideia de socialismo.

    Fica a ideia que um dia ouvi… o povo prefere sempre o original à cópia, e se for para odiar o comunismo, preferem psd e ps.

    Mas espera, um chinês deu peido? Um russo falou mal dos gays? Um cubano fumou um charuto? O PCP não comenta.. monstruoso?

    Por acaso se o PCP elogiasse a subida ao poder de nazis na ucrânia, omitindo que são nazis…. que aconteceria? Ao MAS já sabemos… nao. Fala…ou… não se fale muito disso, dá jeito a história do capital-russia-urss-pcp . Incrível!

    Por isso agradeço a todos que comentam aqui em circuito fechado, sem sair do conforto do activismo de sofá, de ódio a todos os que se mexem… porque quando leio o que se diz por aqui, qmo ainda mais os meus camaradas de Partido.

  12. A.Silva diz:

    O PS/PSD/CDS, o livre rui tavares, os tipos do MAS, mais uma data de tipos do BE, apoiaram e apoiam fundamentalistas na LIbia, na Siria e fascistas na Ucrânia, locais onde depois da vitória ou controle de cidades por parte desses energúmenos, o cidadão comum, as mulheres, os homosexuais e a própria liberdade vivem “muito melhor”. E esta gente perde tempo com insinuações que visam denegrir o PCP que sempre defendeu, como nenhum outro partido, a liberdade!

    No caso do PS/PSD/CDS os exemplos de apoio a criminosos podia ser muito mais extenso.

    Haja pachorra.

Os comentários estão fechados.