António Araújo, a História e a Farsa

António Araújo, um tipo que anda apostado numa reabilitação soft de Salazar, resolveu tirar os seus dias para escrever uma série de disparates num blogue de “crítica literária”. As suas palavras não tem qualquer interesse do ponto de vista histórico ou como crítica de livro mas têm um interesse histórico sobre o qual me debruçarei – como a farsa, num mundo relativo tão querido aos pós modernos, é alvo de respeitabilidade.

A crónica que escreve seria devolvida a qualquer aluno do 1º ano de um curso, porque não respeita o domínio científico básico. Eu explico: a um historiador ou crítico, quando se pede uma crítica, pede-se uma crítica, não uma crise ideológica. Ou seja, teses, inovações, insuficiências, fontes, bibliografia. O autor não reconhece as teses principais do livro (a dualidade de poderes, a tensão entre Estado e Revolução, o controlo operário), não reconhece as fontes utlizadas, (não sabe sequer o que é uma fonte primária, embora assine como “historiador”, escrevendo que utilizo “escassas fontes primárias” quando utilizo centenas, de 8 arquivos de 3 países), corta frases (literalmente corta, para atribuir sentido inverso ao que escrevi), confunde conceitos centrais (Estado, crise), retira bocados inteiros do contexto, atribui como tese central duas teses opostas ao que defendo (uma apregoada tensão entre elites e povo e a defesa do pacto social, ambas amplamente criticadas no texto). Depois diz que afinal uso o conceito de elites porque vai buscar um trabalho meu publicado “há anos sobre o tema”. Encontra uma legenda com uma data errada, que está como tal classificada no arquivo CD 25 de Abril – que claro não cita -, e diz que a data tem uma semana de erro…Populares estavam a festejar os militares? Claro que estavam, no dia 25 de Abril e nos dias seguintes, no Carmo ou na Alameda dominou o “povo com o MFA”. Um fanático conservador que é assessor de Cavaco Silva e diz que “nunca precisou de bolsas da FCT na vida”. Talvez lhe fizesse bem uma bolsa, nem que fosse para começar a aprender o que é uma fonte primária.

A qualidade deste texto, num país que colocou na prateleira dezenas de jornalistas, críticos literários, escritores, mostra o nível em que está o debate intelectual em Portugal, e neste caso, o uso da mentira que aparece legitimada como simples opinião ou crítica livre. Vamos ver se em curtas linhas eu digo o que penso: uma mentira não é um ponto de vista, é só uma mentira.

Com o devido respeito conto não voltar a esta personagem, porque como trabalha no campo da farsa, vai vencer-me pela experiência…

Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

2 respostas a António Araújo, a História e a Farsa

  1. Amiga Raquel
    Admiro bastante o seu trabalho e as suas posições desassombradas e, talvez por isso mesmo, creio que não vale a pena perder tempo com o que não interessa nem com quem não interessa. Haverá sempre os medíocres que se satisfazem em denegrir o que outros constroem, porque sentem que o trabalho construtivo os coloca em causa. Há coisas infinitamente mais importantes do que dar alguma eventual relevância a quem manifestamente não a tem nem merece.
    Não esbanjámos….Não pagamos!!!!!
    ZM

  2. luisreis30 diz:

    Eu, que até nem li o livro em causa,só faço notar uma coisa:;o AA e quem se pronuncia naquele Blogue, é do mais podre que existe. Uns neram para ler mas não vão ler porque, outros ( anónimos covardes, insinuam nojice etc
    Sobre o AA ,gosto muito das tiradas do tipo:- eu nunca me refiro a alguém com estes modos,etc e tal…-!!! É assim como :- a Senhora não tem “maneiras”:
    Ora, para certa gente como o AA, ter “maneiras” (reparamos logo),, é como por uma luvas, afim de tapar a merda que têm entre os dedos. Por isso c….do prás “maneiras”. E aproveito vou ler o livro….

Os comentários estão fechados.