O meu país não é deste Presidente, nem deste Governo [Alexandra Lucas Coelho]

“Eu gostava de dizer ao actual Presidente da República, aqui representado hoje, que este país não é seu, nem do governo do seu partido. É do arquitecto Álvaro Siza, do cientista Sobrinho Simões, do ensaísta Eugénio Lisboa, de todas as vozes que me foram chegando, ao longo destes anos no Brasil, dando conta do pesadelo que o governo de Portugal se tornou: Siza dizendo que há a sensação de viver de novo em ditadura, Sobrinho Simões dizendo que este governo rebentou com tudo o que fora construído na investigação, Eugénio Lisboa, aos 82 anos, falando da “total anestesia das antenas sociais ou simplesmente humanas, que caracterizam aqueles grandes políticos e estadistas que a História não confina a míseras notas de pé de página”.

Este país é dos bolseiros da FCT que viram tudo interrompido; dos milhões de desempregados ou trabalhadores precários; dos novos emigrantes que vi chegarem ao Brasil, a mais bem formada geração de sempre, para darem tudo a outro país; dos muitos leitores que me foram escrevendo nestes três anos e meio de Brasil a perguntar que conselhos podia eu dar ao filho, à filha, ao amigo, que pensavam emigrar.

Eu estava no Brasil, para onde ninguém me tinha mandado, quando um membro do seu governo disse aquela coisa escandalosa, pois que os professores emigrassem. Ir para o mundo por nossa vontade é tão essencial como não ir para o mundo porque não temos alternativa.

Este país é de todos esses, os que partem porque querem, os que partem porque aqui se sentem a morrer, e levam um país melhor com eles, forte, bonito, inventivo. Conheci-os, estão lá no Rio de Janeiro, a fazerem mais pela imagem de Portugal, mais pela relação Portugal-Brasil, do que qualquer discurso oco dos políticos que neste momento nos governam. Contra o cliché do português, o português do inho e do ito, o Portugal do apoucamento. Estão lá, revirando a história do avesso, contra todo o mal que ela deixou, desde a colonização, da escravatura.”

A ler na integra aqui

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

11 respostas a O meu país não é deste Presidente, nem deste Governo [Alexandra Lucas Coelho]

  1. JfgMenos diz:

    Um confrangedor blá-blá de lamúrias de que se põe em bicos
    -de-pés na palavra!

  2. Luis Moreira diz:

    Foi uma pena não terem falado quando Sócrates levava o país para a bancarrota. E quando o PC não deixa fazer nenhuma das reformas que podiam ajudar o país e os mais pobres.

    • Censurado diz:

      Diria mais: quando o PCP ajudava o Sócrates a levar o país à bancarrota quando votava favoravelmente TGVs, aeroportos e o regabofe de despesa que viria a fazer disparar a dívida.
      Ao longo de vinte anos será difícil encontrar uma proposta do PCP para reduzir a despesa do Estado.

      • Carlos Carapeto diz:

        Onde estavas enquanto Socrates governou para dizeres que o PCP é conivente com os desvarios desse charlatão?

        Queres ver que o PCP também ajudou Cavaco a espalhar betão por todo o país, destruir a agricultura, as pescas, a industria, a dar subsidios para construir marinas para barcos de recreio, resortes de luxo, ensinou a quadrilha desse mesmo Cavaco a roubar o BPN?

        Afinal os comunistas são uns “malandros” com aquele discurso de esquerda vão fazendo o joguinho do grande capital.

        Bem mereciam umas férias gratuitas no paraiso de Guantanamo.

        E a divida privada que é (era antes desta camarilha assumir o poder) superior à divida publica também tem lá o dedinho do PCP?

        Continua a defender quem hoje te rouba que quando chegares a velho tens garantida uma caixa de cartão para te protegeres do relento da noite.

        • Censurado diz:

          Vejo que não desmentiste a minha afirmação: “Ao longo de vinte anos será difícil encontrar uma proposta do PCP para reduzir a despesa do Estado.”

          Compreendo a tua dificuldade.
          Afinal, onde estavas tu quando Sócrates governou?
          Dois entre muitos exemplos de cumplicidade com o despesismo:
          http://expresso.sapo.pt/rejeitada-proposta-do-cds-para-suspender-grandes-obras-publicas=f617235
          http://www.destakes.com/redir/cff1da05b9f8db92f9de8394608dbafc

          • Carlos Carapeto diz:

            Pois é !

            O PCP é que podia impedir o PS de fazer esse tipo de obras megalomanas desnecessárias? E qual foi a atitude da direita? A direita já não tinha autoridade moral para se opor, na medida que enquanto foi governo fez precisamente o mesmo.

            Ho não fosse Cavaco o primeiro ministro que mais betão espalhou por o país .

            O PCP nunca deu o seu aval à construção de estádios de futebol, marinas para abrigar iates de luxo, auto-estradas com pouca utilidade, portos e pistas de aviação para servir interesses privados.

            O PCP sempre defendeu a construção de infrastruturas necessárias ao desenvolvimento do país e aquelas que se destinavam a melhorar as condições de vida das populações, (barragens, redes viárias para servir o interior do país (evitar a desertificação) construção de serviços de saúde, portos de pesca……)

            Os governantes de antanho fizeram tudo ao contrário, entregaram a construção dessas infraestruturas de utilidade publica a interesses privados e agora somos todos nós a pagar as PPP sem nos servir-mos delas.

            Portanto não têm que acusar os Comunistas das vigarices praticadas por a direita.

    • Alhegue diz:

      És mesmo um ganda maluco,meu.Não falas de q 75% da chamada Divida publica,75% é divida Privada ,oh cabrão!!!O Povo(tadinho),foi feito fiador das falcatruas(Ponzi,CDS,SWAPs,)dos banksters!Percebes,ou não passas de 2 neurónios?

    • O PC? Você é ignorante. O que é que o PCP tem a ver as filhas da putice feitas pelo PS PSD e CDS desde 76? E que eu saiba qualquer um desses governos tem feito tudo o que quer.

    • mgl diz:

      estas a ser muito benevolente com Sócrates, eleve começou nos States e arrastou a grecia a espanha a irlanda a italia e depois portugal para a bancarrota, vamos ser sérios,ok?

  3. Zegna diz:

    Este país é dos abstencionistas , 42% dos eleitores não votam ….. e ainda se gabam em andar em manifestações , dar palestras , entrevistas e fazer artigos de opinião, enfim , Portugal no seu melhor . Quem nada escolhe , nada vai ter. O mais engraçado é que para as eleições europeias estima-se 60% de abstenção !!!!
    Portugal no caminho certo . Não votem , fiquem em casa , mansinhos como eles gostam.

Os comentários estão fechados.