O Aumento do Salário Minimo e o ridiculo de alguns empresários

No fórum da TSF, ouvi agora um micro empresário queixar-se de que se o salário minimo fosse aumentado teria de fechar as portas da empresa. O empresário em causa dizia ter nove trabalhadores na empresa. Decidi fazer umas contas rápidas, mesmo que lhe falte algum rigor.

Estamos a falar de um aumento (este empresário considerava um aumento para 500€) de 15€/mês por trabalhador. Se considerarmos que o acréscimo da TSU paga pela empresa é 23,75%x500€-23,75%x485€= 118,75€-115,19€=3,56€. Ou seja, o acréscimo do custo por trabalhador é de menos de 19€ com o aumento do SMN para 500€.

No caso desta microempresa, o aumento do SMN significaria um aumento da despesa de empresa de 171€/ mês e de 2394€/ ano (considerando o pagamento de 14 meses), ou seja uma aumento dos gastos de 6,5€/ dia.

Se considerarmos a proposta da CGTP de aumento para 515€ mensais, isto grosso modo traduzir-se-ia num aumento da despesa de 342€/ mês e de  4788€/ ano, ou seja um aumento dos gastos de 13€/dia.

Uma empresa que não pode gastar mais 13€/dia com os seus trabalhadores, não é uma empresa, é, perdoem-me a expressão, um saco de merda que lastra a economia e o país…

Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

7 respostas a O Aumento do Salário Minimo e o ridiculo de alguns empresários

  1. Hola, saludos desde la vecina España. ¿Qué nos vais a contar? Aquí sucede lo mismo, la patronal instando al gobierno a reducir costes, incluyendo los salariales, a costa de disminuir el poder adquisitivo de la gente. Después se preguntarán de que nos quejamos cuando vemos como la desigualdad económica no deja de crecer. Lo que los trabajadores piden no es que les paguen cantidades desorbitadas por trabajar menos, sino que reciban lo justo por su esfuerzo.

    Combatir la precariedad laboral pasa necesariamente por pagar los salarios que realmente merecen nuestros trabajadores. Esta medida, acompañada de una renta básica universal pública, sería clave para, aprovechando esta época de crisis, dejar atrás un modelo económico basado en la explotación y el beneficio para una reducida oligarquía. La historia demostró que los EE.UU. consiguieron combatir la Gran Depresión gracias al paquete de medidas del New Deal, basadas en las teorías de Keynes.

    • Natália Santos diz:

      Aqui em Portugal não só o ordenado mínimo é baixo, como está a ser a referência que arrasta para o seu valor os ordenados que eram mais altos e que agora pouco maiores são que o ordenado mínimo. Habilitações, experiência profissional, idade, nada conta. Tudo corrido a 485 euros. depois a 500, 600, 700 já é preciso ser um caso especial.

  2. Joao Pereira diz:

    Completamente de acordo. É bom ver que neste blog (muito de vez em quando), é possível ler ideologia de esquerda com nexo e sentido.

  3. JgMenos diz:

    2394€/ ano 4788€/ ano
    Se o homem chegou ao fim do ano e não ganhou qualquer dessas verbas (pata além do que o sustenta a ele), saberá que:
    ou produz e vende mais
    ou vende mais caro
    ou produz o mesmo com menos gente
    ou…
    a aritmética resolve coisa nenhuma salvo se o mercado concordar!

  4. imbondeiro diz:

    Tadinho do micro-empresário!!!… Ele há que fazer alguma coisa por esta gente tão “empreendorista” (ainda que numa versão “Empreendorismo para micro-cerebrados”), antes que ela caia na abjecta miséria trazida a galope pelo incomensurável e insuportabilíssimo aumento do salário mínimo nacional. Proposta singela: vamos fazer uma colectazita e recolher uns eurozitos, com o propósito de mandá-lo para um país onde – Deus seja louvado! – não há a mínima ideia do que seja o salário mínimo. Talvez o… Bangladesh…

  5. Carlos diz:

    Isto é uma questão, que não tem nexo nenhum. Se esse senhor que se diz empresário, se queixa de estar tão aflito, é porque as pessoas não tem dinheiro para lhe comprar os produtos. Isso só será possivél aumentando os ordenados a todas as pessoas, para terem poder de compra. Como o povo diz “não há dinheiro a circular”, ou seja não há poder de compra.
    Duvido que esse senhor seja empresário, pois tinha obrigação de saber isso.

  6. Claro, o ideal mesmo era que todas essas empresas que pagam salários baixos fechassem as portas e os trabalhadores fossem procurar empregos nas outras empresas (?) que lhes pagariam certamente mais de 515€, algo que os trabalhadores não fazem porque provavelmente serão masoquistas e gostam de receber salários de miséria.

Os comentários estão fechados.