Já haverá acordo entre EUA e Rússia sobre a Ucrânia?

Segundo a Pravda.ru, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, já teriam chegado a acordo para uma solução para a Ucrânia, promovendo reformas constitucionais.

Estas reformas seriam feitas «de forma aceitável para todos e levando em conta os interesses de todas as regiões da Ucrânia». «O russo voltará a ser língua co-oficial da Ucrânia; as regiões terão grande autonomia; não haverá interferência em assuntos religiosos; e a Ucrânia permanecerá política e militarmente neutra. Será aceite qualquer decisão sobre autonomia que se decida na Crimeia. O acordo será garantido por um “Grupo de Apoio à Ucrânia”, constituído de EUA, União Europeia e Rússia, e será cimentado por uma Resolução do Conselho de Segurança da ONU.»

Agora, ainda segundo a Pravda, trata-se de dar algum tempo aos EUA e à UE para venderem «essa solução como se fosse ideia deles».

A notícia terá crédito, ou «Rádio Moscovo não fala verdade?»

Em todo o caso, se non è vero, è ben trovato.

Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

65 respostas a Já haverá acordo entre EUA e Rússia sobre a Ucrânia?

  1. Francisco diz:

    Pois, também tenho ouvido alguns rumores… a questão é que também antes da queda de Yanukovich houve pelo menos 2 acordos, nenhum respeitado pelos nazis nem pelos seus patronos imperiais… Mas agora é capaz de estarem mais “em sentido”

  2. roman diz:

    No Pravda não encontrei nada, mas tenho aqui na Voltairenet http://www.voltairenet.org/article182777.html

    Mas, não acredito face ao fanatismo dos nazis ucranianos:deixaram levar 40 toneladas de ouro para os EUA,não podem com comunistas ,nem judeus,ciganos,….Acho que vão arranjar guerra já que dizem q está na hora da europa renascer…

  3. imbondeiro diz:

    Como há uns tempos comentei aqui, hão-de tragar o batráquio ( a secessão da Crimeia) quer queiram quer não queiram. E, como entretém até à sobremesa, ainda darão voltas e voltas à moleirinha para descobrirem uma forma de não engolirem essa mesma sobremesa: a corja de ratazanas neo-nazi, ultra-liberal e cleptocrata ( estes dois últimos adjectivos são um tanto redundantes…) que, insanamente, colocaram no poder em Kiev. Resultado da questão: os Russos continuam com a sua base naval na Crimeia; a própria Crimeia retornou à Rússia; quero ver como a UE vai explicar às suas marionetas de Kiev que não há “pilim” para pagar o Céu que prometeram aos idiotas úteis de sempre e que a bancarrota é inevitável; quero também ver que condições tem um país (o que resta da Ucrânia) que se dirige a grande velocidade para a guerra civil de aderir à NATO; estou em pulgas para observar a forma hábil como Frau Merkel vai continuar o seu joguinho das sanções sem fazer chegar, de vez, a mostarda ao nariz do Sr. Putin e, consequentemente, sem escangalhar toda a economia alemã e, por arrasto, toda a economia europeia. Como também há uns tempos comentei, “FIM DO JOGO” do estadocídio para os EUA e a UE (vulgo NATO).

  4. djugashvili diz:

    O seu amigo Luis Leiria do BE, é um ponto a (não)escrever sobre o avanço do Imperialismo americano para Leste.Não é preciso ler o Grande Tabuleiro de Xadrez do Brezinsnki,para ver q os USA estão-se a esticar com o cerco à Rússia e à China.Ele põe um estado que não é imperialista pior que os criminosos americanos q despejaram 5 000 milhoes de dolares na Ucrania,formaram hordas fascistas,que usaram de snipers para matarem os seus próprios apoiantes e a policia,para encenarem uma luta do povinho explorado pelos oligarcas para meterem outros oligarcas(!!!!) que fizeram o grande acto democrata de enviarem 40 toneladas de Ouro para os USA.Enquanto,compararem aos russos, só podem estar-me a fazer de atrasado mental.Gostei daquela do ditador Assad…concertteza que o preto(é assim q os cleptocratas banksteiros-os seus donos-o tratam nas conversinhas…).
    Com esta ‘esquerda’ q apoiou a destruição da Líbia-pq razão não vão lá dar uma volta/férias?????? eu não quero MAIS NADA com o BE!Vão para a Puta que os Pariu!!!!E aonde é que há democracia??Devem estar a tripar.O BE nem sequer é marxista-é aquilo que vemos—fazem parte da escória do Manifesto dos 70/74. Francisquinho Louçã—–é tão bom ser burguês.

    • António Paço diz:

      Hesitei em aprovar o seu comentário. Por favor, modere a linguagem, que eu não acho o insulto aceitável no debate político.

      • Argala diz:

        O debate com pessoas como o Luís Leiria é que não é aceitável. E parece-me que eram para ele os insultos – a menos que o insulto fosse ele ser seu amigo (o que não interessa). Sequer admitir a ideia de debater com gente dessa laia, é já estar a dar demasiado espaço e a caucionar as ideias e a linguagem do inimigo. Mero exemplo: abri o esquerda.net e fiquei a saber que a saber que o referendo na Crimeia é “ilegal” segundo a “comunidade internacional”. Estamos conversados.

        Quando ao post,

        Com acordo ou sem acordo, há contradições. Há guerra e ambas as partes usarão os seus instrumentos de pressão. O que devemos estar a discutir é qual deve ser a nossa posição e qual o equilíbrio de poder que nos é mais favorável. E qual é a opinião do António Paço? Neutralidade perante os blocos que disputam o poder? É irrelevante se a Rússia é cercada pelo império ou não? Mesmo se nesse processo emergem estes grupelhos fascistas?

        • António Paço diz:

          O Luis Leiria é meu amigo, sim. Às vezes estamos de acordo, outras não. Mas tenho todo o prazer em discutir com «gente dessa laia».

          • Argala diz:

            É uma opção do António Paço. Eu não debato com essa gente. Isto para mim não é um clube de debate. Essa gente ou está do outro lado da barricada, ou está deste lado a tentar lançar a confusão, e portanto deve receber o mesmo tratamento que o inimigo.

            Deixe-me só repetir a pergunta que lhe fiz e deixar mais umas achegas, porque acho que o seu post pode abrir um debate interessante: qual deve ser a posição dos trabalhadores perante os dois blocos que disputam o poder na Ucrânia? E porquê? Devemos ser neutrais? O que é que tacticamente nos é mais favorável? Ou o António Paço entende, como muitos esquerdistas (aqui a palavra está bem aplicada), que os diferentes cenários geopolíticos são todos irrelevantes para a classe operária, e que esta só se deve preocupar com a ‘luta de classes’, no sentido estrito da expressão.

            O exemplo sírio que o comentador Augusto trouxe para a discussão é disso paradigmático. Será que pode responder também a essa questão? Será que é irrelevante que caiam todos os grupos armadas que resistem contra Israel e a NATO (Hezbollah, Sar. Al-Quds, FPLP-CG e outros). É irrelevante que seja a NATO ou a burguesia síria a mandar ali? Não há aqui opções a fazer perante as forças que estão em jogo? A NATO mete fascistas em Kiev, e nós estamos com macaquinhos na cabeça? É óbvio que o Putin e o resto da canalha são um banco de pulhas, mas aqui há opções a fazer perante as forças que estão em jogo – uma vez que infelizmente nós não somos uma delas.

            Cumprimentos

          • António Paço diz:

            Argala, as suas questões são importantes, mas não são novas: as chamadas teorias ‘campistas’ têm suscitado grandes discussões ao longo dos anos, e continuarão a suscitá-las. Não acho que a classe trabalhadora só se deva preocupar com a luta de classes em sentido estrito. Nem o Marx, que tem a famosa frase sobre que o motor da história é a luta de classes negligenciava questões como as nacionais e outras. Porém, não tenho tempo agora para voltar ao assunto. Creio que na minha discussão com o Luís Leiria (no esquerda.net) respondo a algumas das questões que põe. De resto, este espaço está aberto para que outras pessoas se pronunciem.
            Outra coisa: você não está na Ucrânia, nem em barricada nenhuma. Está a discutir um assunto que não é fácil, onde lhe faltam, como aos outros intervenientes, muitos elementos para avaliar a realidade. Seria agradável que não usasse uma discussão política como pretexto para andar a chamar nomes aos outros (‘essa gente’, ‘gente dessa laia’, ‘esquerdistas’, etc.).

          • Argala diz:

            António Paço,

            A sua discussão que está no esquerda.net com o Luis Leiria reforça a ideia que já tinha: não deve haver debate com essa gente. O Luis Leiria, de forma consciente e informada (porque parvo não é), dá cobertura às posições do inimigo. Isto tem barbas, não é a primeira vez. E com o inimigo não se debate. O debate deve servir para identificar o inimigo e derrotá-lo.

            Na mesma discussão podemos ler: “Em termos de política internacional, não tenho dúvidas: os americanos estão ali a long way from home. Andam, como dizem os Brasileiros, a cutucar a onça com vara curta. O risco de guerra vem deles, não do Putin, que está à defesa, não é o agressor. Se não fizesse nada, ficaria para a história como Vladimir, o banana”. É isto que não pode ser mascarado. São os EUA que estão a disputar a Ucrânia, e não a Rússia à procura de abocanhar o Canada ou o México. Há o império, e depois aqueles que ambicionam ser império. E o mundo começa a ficar demasiado pequeno para todos. Eu estou convencido que se a NATO conseguir vergar todos os outros países e não sobrar nada, qualquer movimento de resistência que apareça ficará com muito menos espaço para manobrar. E é neste plano que eu queria a discussão.. para quando tiver mais tempo.

            Cumprimentos

          • António Paço diz:

            Argala, este seu último comentário mostra que tipo de pessoa você é: meu inimigo. Herdeiro daqueles que esfregavam as mãos de contentes sempre que mandavam um opositor para a Sibéria (há sempre gente desagradável – para não dizer pior – que agradece qualquer pretexto que lhe dêem para fazer mal ao seu semelhante). Por isso acabou-se o debate consigo.

    • Augusto diz:

      Agora até a familia Assad são grandes democratas, coitado, onde cega a cegueira sectária.

      • Argala diz:

        Não são democratas, nem precisam de o ser. Mas se cai Assad, cai toda a resistência armada na zona. E perante as forças que estao em jogo, é necessário fazer opções. E é isso que não entra na sua cachimónia idealista.

      • Carlos Carapeto diz:

        Embora Assad não sendo democrata está muito mais perto disso que as petro monarquias medievais do Golfo sem que isso o faça abrir os olhos e o livre dessa cegueira “benevolente”.

  5. imbondeiro diz:

    Acabei de ouvir Vladimir Putin, o novo Anti-Cristo designado pelo Ocidente, afirmar algo que devia fazer aqueles que andaram a emprenhar pelos ouvidos (pardon my french…) durante (e antes de) toda esta já longa crise ucraniana pensarem um bocadinho: afirmou ele que a Federação Russa não irá impor um sistema de “visa” aos cidadãos da Ucrânia, pois tal imposição iria privar milhares e milhares de ucranianos do sustento conseguido para as suas famílias na Rússia. É a atitude de um autêntico… Átila… Deve ser por estas e por outras que as multidões na Península da Crimeia celebram com fogo de artifício a luz verde de agregação à Federação Russa. A alegria delas não é alegria nenhuma: é terror da “odiosa ocupação armada” das hordas de “Vlad, o Empalador… da NATO”. Pois…

    • António Paço diz:

      Das ist Propaganda, ist es nicht?

      • imbondeiro diz:

        Santinho!

      • Carlos Carapeto diz:

        António Paço lamento ter que lhe dizer, mas deduzo (entendo nas suas palavras para ser mais correto) que propaganda está o Senhor a esforçar-se por fazer.

        As coisas estão muito mais complicadas para os nazi golpistas e seus patrocionadores com que está a tentar pintá-las.

        Putin saiu claramente vencedor da contenda e não vai abrir mão da vitória que o imperialismo lhe ofereceu sem que sejam feitas muitas concessões por parte daqueles que provocaram a crise.

        Ainda há poucos dias li um artigo de um oficial Russo de alta patente que dizia . ” a Rússia durante a crise da Maidan nunca interferiu nos assuntos da Ucrânia, participou nas negociações com todas as partes de boa fé, apresentou soluções, ficou alarmada especialmente com a destituição arbitrária do presidente legitimamente eleito por o povo, poucas horas depois da assinatura dos acordos”.

        Depois dizia; ” tivemos que reagir desta maneira àqueles que pretendiam colocar a nossa segurança em risco, porque se o não tivessemos feito agora, daqui por um ano tinhamos as tropas da NATO a menos de 100 Km da
        nossa gloriosa Prokhorovka (local onde se deu o grande embate de tanques durante a batalha de Kursk).

        Depois ainda falava na paridade nuclear existente entre a Rússia e os EUA.

        Por isso há garantia que a Rússia não corre o risco de ser atacada por a NATO. Ou seja existe a Destruição Mútua Assegurada (MAD em Inglês).

        Isso faz com que nenhum dos contentores se arrisque a atacar o outro porque a resposta do adversário é proporcional.

        Por esse facto mesmo é que a NATO pretende acercar-se cada vez mais das fronteiras da Rússia.

        Primeiro tentaram colocar bases na Ásia Central a pretexto da guerra contra o terrorismo (Afeganistão) estão a fomentar a revolta no Azerbaijão contra o “aliado democrático ” Aliev. Na Arménia não conseguem meter o pé.

        A Geórgia balanceia, mesmo sendo o país que mais ajudas recebeu por habitante por parte da UE/NATO/EUA , no entanto o país e o povo definham na miséria, atraso e subdesenvolvimento.

        Com a incorporação da Ucrânia na NATO a Rússia via-se cercada de Sul e Oeste por bases militares hostis, depois era a oportunidade de iniciar a “ucranização” da Rússia com a ajuda da quinta coluna que timidamente já está mostrando a cara dentro do próprio país.

        • JgMenos diz:

          «
          «Por esse facto mesmo é que a NATO pretende acercar-se cada vez mais das fronteiras da Rússia.»
          Já agora, como estão empatados em misseis nucleares, vão resolver o caso a tiro de canhão e à baioneta?!?!?
          A lógica é o grande inimigo dos treteiros facciosos!

          A única coisa que a oligarquia russa teme são os exemplos de liberdade, democracia e bom nível de vida de populações.que lhe sejam vizinhas!

          • Carlos Carapeto diz:

            “A única coisa que a oligarquia russa teme são os exemplos de liberdade, democracia e bom nível de vida de populações.que lhe sejam vizinhas!”

            Nem podia estar mais de acordo quando sei que o ordenado minimo na Roménia são 160€ e o médio ronda os 240. Que o desemprego tem a duração de um ano e a partir daí o trabalhador perde todos os direitos sociais.

            Deve ser por isso que os trabalhadores Romenos vêm para o Alentejo fazer jornadas de 12 horas e mais, ganhando balurdios de 200 €

            E na Bulgária 160€ nem chega a ser uma miragem é um sonho de fadas.

            Quando passei por a Polónia o Verão passado a caminho da Bielorrússia vi muito bem o “bom nivel de vida das populações” . E a Polónia ainda é apresentada como um exemplo de sucesso.

            Esse sucesso traduz-se em idosos sentados no chão á porta das estações de comboio a mendigar. Crianças atrás dos turistas a pedir dinheiro e adolescentes a protistuirem-se.

            Depois não sabe onde a oligarquia Russa deposita o produto do saque?

            Devia saber também que na Rússia existe mais liberdade de as pessoas se manifestarem que no seu próprio país.

            Entretanto não gosto de Putin porque sei aquilo que ele é e para quem governa, que é precisamente ao contrário de v.sa excia, odeia Putin porque o ensinaram a odiar sem se dar ao trabalho de saber porquê..

      • imbondeiro diz:

        É propaganda, é… Aliás, no que toca a propaganda, tenho uma ideia para um “slogan” para uma campanha publicitária a nível global: “EUA – a orquestrar golpes de Estado desde (quase) 1776”.

  6. JgMenos diz:

    A União Aduaneira que a Rússia visava estabelecer foi-se!
    A Crimeia salva a face ao Putin; pôr a pata no leste da Ucrânia não arrisca.
    Veremos o que se passa nos próximos capítulos.
    Para já. a UE prepara-se para poder ter condições de dispensar petróleo e gaz russo.

    • Carlos Carapeto diz:

      “Para já. a UE prepara-se para poder ter condições de dispensar petróleo e gaz russo.”

      E quem serão os infelizes que vão sofrer mais um agressão par serem criadas essas condições?

      • JgMenos diz:

        Se para lhe aquecer os pés for preciso agredir alguém, seguramente a Europa o fará.
        Mas seguro mesmo seria emigrar para a Rússia onde talvez não esteja aquecido nem confortável sob a pata oligárquica.

        • Carlos Carapeto diz:

          E o que sabe Vc da Rússia para se atrever a escrever disparates?
          Na lingua Russa existe uma palavra que lhe assenta perfeitamente bem. OCIOL.

    • A.Silva diz:

      “Para já. a UE prepara-se para poder ter condições de dispensar petróleo e gaz russo.”, diz este idiota de direita, como se tudo isso fosse tão fácil de fazer como de dizer.

      Este menos julga que dispensar as grandes quantidades de gás que a europa necessita para a sua industria e para os seus habitantes é uma coisa que se substitui sem colocar esta mesma europa ainda mais em apuros. São tão tontos que nem se apercebem da situação critica em que a sua europa se encontra.

      • JgMenos diz:

        Quando a Europa concluir, como deve, que Putin e a canalha que o rodeia são factor de risco para a Europa, tem os meios necessários para o combater.
        E se tiver que pôr o A.Silva com mais alguma austeridade, vai fazê-lo mantendo-o acima do nível de vida dos russos.
        No que a Europa não lhe pode acudir é nessa íntima necessidade de ter um czar que lhe humedeça os sonhos.

        • Carlos Carapeto diz:

          O grande problema é que a Europa precisa mais da Rússia que o contrário.

          E qual é o nivel de vida dos Russos, pode dizer?

  7. Carlos Carapeto diz:

    Os acordos assinados em Bruxelas dia 21 entre os representantes da junta nazi da Ucrânia e a UE são uma versão moderna dos Acordos de Munique.

    Mas que credibilidade podem merecer a partir de agora perante os cidadãos Europeus dirigentes que assinam acordos com um governo ilegitimo assumidamente pró nazi que usurpou o poder através de um golpe de Estado?

    A Europa vai pagar muito caro por ter enveredado por esta via irresponsável de desrespeito por os principios mais básicos do exercicio da democracia.

    Recusam-se reconhecer o referendo na Crimeia porque o consideram ilegitimo por ferir as normas do direito internacional, mas fazer acordos nas costas de todo um povo por um governo de gestão saído de um golpe de Estado já consagra essas normas do direito e da democracia?

    Esperamos e desejamos que os lideres Europeus que entraram nesta aventura não estejam a dar o nó na corda com vão ser enforcados.

    Esqueceram que a economia Ucraniana está totalmente arruinada, precisa de muito dinheiro para se revitalizar e para sair do abismo onde foi mergulhada necessita vender produtos que a UE é excedentaria.

    Por outro lado a Rússia já acelarou a construção do pipeline (4 tubos) South Stream, era para ficar pronto em 2015 está previsto começar a funcionar já no final deste ano, e nessa altura o gás Russo deixa de passar por o território da Ucrânia.

    Mais encargos para a UE . Mais dinheiro que vai ser retirado dos seus contribuintes, eu incluido.

    • absurdo diz:

      Os acordos de Munique foram entre as democracias e a Alemanha hitleriana para caucionar a ocupação por esta dos Sudetas checos, com o argumento de “proteger a minoria nacional germânica”.
      Lapso freudiano, Carapeto? A analogia seria correta se houvesse um acordo entre as democracias e o presidente russo, tentando conter a expansão imperialista russa, dando-lhe a Crimeia, na esperança que fique por ali, como Hitler prometeu.
      O resto da história o Carapeto deve recordar-se, não é?

      • Carlos Carapeto diz:

        Os acordos de Munique destinaram-se exclusivamente empurrar Hitler para as fronteiras da URSS.

        E o resto da história foi que menos de dois anos depois aqueles que perderam a moral ao fazer esses acordos com Hitler foram esmagados em 40 dias, num passeio da Werhmatch, que teve apenas 45 000 baixas entre mortos e feridos.

        Foram humilhados por um exército mais mal preparado, com menos recursos e meios.

        Hitler retribuiu o favor que lhe fizeram em Munique.

        As semelhanças entre um e o outro caso estão perfeitamente ajustadas à conjuntura dos tempos que correm. Isto porque os dirigentes Europeus usaram de todas as falcatruas para entregar a Ucrânia a um bando de nazis.

        Se tivessem negociado de boa fé exigiam que os acordos de 21 de Fevereiro em que participaram fossem cumpridos.

        Mas não o fizeram, porque menos de 24 horas depois já tinham reconhecido os nazis golpistas.

        • absurdo diz:

          Depois desta lição de revisão da História, curvo-me, abismado, perante tanta alienação.
          A este nível de separação da realidade já não consigo argumentar..

          • Carlos Carapeto diz:

            Que resposta mais estrambólica.

            Eu quando discordo dos outros interlocutores tento provar com os factos que a história demonstra.

            O absurdo refugia-se em frases feitas. Continue assim que tem um lugar de eunuco garantido no harém.

        • LGF Lizard diz:

          Por isso o camarada Estaline correu a fazer um pacto de não-agressão com os nazis.
          O facto de receber área de influência, e de poder ocupar países e territórios não teve nada a haver com o caso (lol).
          E o mais irónico é que, sem os fornecimentos soviéticos de materiais de primeira necessidade para a industria bélica nazi (em 1940/41), nunca os nazis teriam tido capacidade de invadir a URSS.

    • imbondeiro diz:

      É excusado malhar em ferro frio, meu caro Carlos Carapeto. É excusado, embora, convenhamos, dê um certo gozo…
      Há por aqui dois tipos de inteligentes comentadores a dizer do Putin e da Federação Russa aquilo que Maomé não disse do toucinho: os que alinham, sem pejo, pela junta de bracinho estendido de Kiev; outros, mais dados a subtilezas de salão bizantino, que se posicionam confortavelmente em cima do muro, não cuidando nem tirando qualquer lição das pedradas que, há bem pouco tempo e em outras salomónicas (ou nem tanto…) posturas, apanharam na mona.
      É claro que a malta do segundo tipo engoliu isco, anzol e linha ao papar toda a campanha que, aquando das Olimpíadas de Sochi, foi feita pelos “mainstream” dos EUA e da UE contra o “homofóbico” Putin. E é claríssimo que para essa boa e progressista gente entre um homofóbico entre aspas e nazis sem aspas nenhumas a escolha é clara. Sinal dos tempos
      Bem podemos dizer a uns e outros que o que está em jogo vai bem para além da sua canhestra e minimalista leitura dos factos. Bem podemos tentar dizer-lhes que o que está aqui em jogo é a tentativa de um país que está tecnicamente falido, um país com cidades na bancarrota, um país que, tendo apenas 10% da população mundial, tem 25% de todos os encarcerados do Mundo, um país que viu esboroarem-se nas cidades do Iraque e nas montanhas do Afeganistão o seu sonho de domínio mundial, a tentativa, dizia eu, desse país manter-se à tona. Manter-se à tona enclausurando a Rússia no anel de ferro da NATO e fazendo-a gastar em armamento aquilo que ela poderia investir no desenvolvimento do seu Povo. De caminho, os guardiões falidos do extremismo liberal que são os EUA pretendem (Oh, se pretendem!), com as suas manobras terroristas de diversão, desviar a Rússia (bem como a China) de uma intenção que, a concretizar-se, será fatal ao seu simulacro de economia: a de substituir, nos seus comércios externos, a utilização desse sucedâneo de papel higiénico que é o dólar pela utilização das suas respectivas moedas.
      A primeira dessa gente, meu caro Carlos Carapeto, faz o que sempre fez: morde acéfala e raivosamente em tudo aquilo em que “his masters voice” mande morder. A segunda dessa gente é extraordinariamente propensa ao confusionismo ideológico e à cegueira cromática dos modismos, deixando-se puerilmente levar por uma cândida permeabilidade e adesão a tudo o que uma suposta esquerda (?) norte-americana achar por bem dar-lhes a comer: ainda não compreenderam que o célebre “I have a dream”, de Martin Luther King, foi revisto e (definitivamente?) alterado pelo “I have a dazzling collection of deadly drones”, de Barack Hussein Obama. Com a refrescante novidade de o “obamismo” ser dito na língua de Shakespeare e não no Alemão de há 70 anos atrás em que nos habituámos a ouvir expressas tais filantrópicas e mui progressistas
      ameaçadoras máximas.

      • Permita-me uma ligeira correcção… Os Estados Unidos têm apenas cerca de 5% da população mundial (não os 10% que indica) para os tais cerca de 25% de presos/encarcerados que correctamente indica….

        • imbondeiro diz:

          A sua correcção é muito bem vinda e eu muito lha agradeço, caro Fonseca-Statter. Muitas desculpas pela minha desastrada incorrecção.

      • Carlos Carapeto diz:

        Meu CARO Imbondeiro.

        Não os podemos deixar andar à rédea solta. Para mais constatando que fazem uso da mentira sistémica como meio para atingir fins.

        Há um pormenor muito importante que não podemos descorar . Ao contrário de nós eles não andam aqui para defender e divulgar a verdade. Alguns nem têm consciência daquilo que escrevem

        Muitos destes que por aqui saltitam, talvez nunca tivessem desfolhado um livro sobre aquilo que dizem (e se por acaso o fizeram foram livros negros).

        Ou vão “ali” à Wikipédia e sacam todo o lixo que lá encontram.

        Para isso basta reparar no paleio de três moinantes que por aqui vagueiam, JgMenos, Censurado e absurdo. Se não for o mesmo triplicado?

        Quando são confrontados com os factos esquivam-se, mergulhando na imundície, para depois aparecem à superfície com coprologias que nada têm a ver com o que se estava a discutir.

        Aconteceu há pouco com um destes que mencionei acerca do avião AN-225 e com o avanço que a Rússia ainda hoje mantém na componente espacial (herança da URSS entenda-se).

        Sobre Putin e a Ucrânia. A situação é muita mais complexa do que aquilo que os fazedores da opinião publica mostram, no entanto estas pessoas ficam possessas com o que a informação dominante divulga, acreditam em tudo sem questionar. Isto porque não têm autonomia própria para pensar, vivem submetidas a um estado de dependência total. Se fosse noutro sentido não deixava de ser igual.

        Veja-se que não se preocupam questionar-se “raciocinar melhor dito” porque razão os acordos de 21 de Fevereiro assinados por todas as partes (governo legitimo, representantes da EU e nazis de Kiev) não duraram 12 horas sequer.

        Noam Chomsky clarifica isso muito bem.
        http://macondoresiste.wordpress.com/2012/03/06/noam-chomsky-dez-formas-distintas-de-manipulacao-midiatica/

        Os acontecimentos atuais da Ucrânia são uma repetição da história e como alguém disse muito acertadamente “ o passado nunca morre”. Já as conquistas de Alexandre da Macedónia tiveram as mesmas motivações.

        O que está em causa na Ucrânia é a pretensão do domínio global nada mais.

        E com as “incursões” que a China tem vindo a fazer na Ásia Central, isso fez aumentar o desespero do imperialismo. Até porque existia um projeto (caríssimo) para transportar petróleo e gás da bacia do Cáspio e do Irão para a Europa contornando o território Russo “ Nabuco”

        As recentes cedências “negociações” ao Irão fazem parte deste jogo.

        Mas a China antecipou-se e construiu um pipeline com quase 9 000 Km para transportar energia do Turquemenistão, que depois se irá estender até ao Irão para evitar o estreito de Malaca onde os Americanos estão a aumentar a presença militar.

        Mais; a projetada via férrea que num futuro próximo vai ligar a China à Europa já chega ao Uzbequistão.
        Ora tudo isto faz com que o imperialismo sinta o chão fugir-lhe debaixo dos pés.

        E como falharam os planos pretendidos com as invasões do Afeganistão e Iraque para o domínio da Ásia Central até às fronteiras da China e da Rússia.

        Ou seja controlo da rica bacia de hidrocarbonetos do Cáspio, aproximar-se das regiões conturbadas da China (Xijiang e Tibete) e ao mesmo tempo atingirem a chamada barriga mole da Rússia forçando uma saída para o Ártico através do Obi onde se encontram as maiores reservas de petróleo e gás da Rússia.

        Como tudo isso falhou pelo sul tentam agora desesperadamente através da Ucrânia com o contributo dos vassalos Europeus .

        E como disse Margaret Albright “ é uma injustiça as imensas riquezas da Sibéria serem controladas por um único país deviam ser colocadas ao serviço da humanidade”.

        As “ordens” do guru da estratégia Americana vão no mesmo sentido, o poleo-nazi de origem Polaca Brzezinsky .

        Devemos concordar que as vitórias que Putin possa obter frente às ameaças imperialistas em nada vão melhorar as condições de vida do povo Russo. Dão-lhe sim; garantias de segurança e a certeza de que a Rússia se mantém o país tal como é.

        Enquanto que as derrotas do imperialismo abrem grandes esperanças para toda a humanidade.

        Por isso não devemos desistir da nossa luta.

        Este artigo que o Antónia Paço colocou (embora não seja da autoria dele) foi feito com a intenção de alcançar objetivos muito bem definidos, contrários ao que deixa transparecer.

        Ainda volto ao assunto para desfazer a farsa.

        • António Paço diz:

          Nem posso esperar para que o Carlos Carapeto «revele» os «objetivos muito bem definidos, contrários ao que deixa transparecer» do artigo que o António Paço «colocou»!

          • Carlos Carapeto diz:

            António Paço;

            Não tenho segredos e ainda menos objetivos para revelar, cumpre-me apenas desmistificar o embuste que o artigo que coloca vem mascarado. E o desenrolar dos acontecimentos em torno desta questão provam que se está já a tentar manipular a opinião pública no sentido de culpar os Russos por o fracasso das negociações.

            Mas antes de entrar no assunto mais em detalhe desejo esclarecer que depois da destruição da União Soviético surgiu uma profusão de “Pravda” em várias línguas, no entanto a Pravda verdadeiro a original a legitima continua a ser esta.

            http://www.gazeta-pravda.ru/

            Tive o cuidado de frisar que o artigo não era da autoria do António Paço, reconheceu-o com algum sarcasmo diga-se. Embora não sendo da sua autoria divulgou-o, deu-lhe eco, por esse facto mesmo não lhe retira responsabilidades. E como diz o povo e muito bem “tão ladrão é quem vai à horta como aquele que fica a vigiar à porta”.

            Vamos analisar mais em pormenor o artigo da suposta Pravda.

            Comecemos por o cabeçalho que diz isto.

            “Ucrânia: EUA toma a rampa de saída e aceitas as exigências Russas”

            Depois enumera uma série de “supostas condições” exigidas por a Rússia, que os EUA prontamente aceitaram.

            Onde e quando foram apresentadas essas condições por parte do governo Russo? Onde é que isso se encontra escrito?

            Qual a finalidade da difusão deste tipo de desinformação? Sim!

            Se até aqui não se alcançaram quaisquer acordos e da forma como os comensais da NATO se estão a comportar também não haverá no futuro. Portanto vão culpar os Russos por não se ter chegado a qualquer entendimento. Se em principio a parte contrária (EUA) até aceitava todas as suas “exigências”.

            Mais à frente o articulista entra em contradições quando se refere a Kerry. Afinal são os Russos ou os Americanos que estão a fazer exigências? Está lá escrito que kerry exigiu, isto e isto, mais isto e mais aquilo.

            As condições que a Rússia tem apresentado desde a primeira hora tem sido o respeito e cumprimento dos acordos assinados em 21 de Fevereiro.

            E porque razão aqueles que fizeram parte desses acordos, agora se recusam reconhece-los? Vamos ser sérios. Afinal de que lado tem reinado a má fé?

            É um mero exercício de propaganda e de desinformação dizer que a Rússia aumentou o número de efectivos militares junto à fronteira com a Ucrânia preparando-se para uma agressão.

            Se a Rússia pretender desestabilizar o Leste da Ucrânia pode faze-lo com os próprios Ucranianos que lá vivem e mais os três milhões de imigrantes que trabalham em território Russo.

            Está bem patente com as posições que a policia Ucraniana assume quando há manifestações nas regiões que outrora pertenceram à Rússia. De maioria Russa como se costuma vulgarizar.

            Por outro lado a Rússia hoje em dia não tem que pedir licença a ninguém para movimentar uma brigada de tanques a ocidente dos Urais como aceitou Yeltsin.

            A Rússia desde que começou esta crise tem mantido exercícios permanentes com a Bielorrússia, deslocou aviões e misseis para a fronteira Polaca em resposta ao aumento da presença da aviação dos países da NATO na Polónia e nas Republicas Bálticas.

            Sobre isso já não dizem nada.

            Como também silenciam que dos mais de 18 000 militares Ucranianos estacionados na Crimeia pouco mais de 2 000 decidiram regressar à Ucrânia (a TVI no noticiário da noite do dia 25 disse menos de ¼ decidiu regressar, justiça lhe faça-mos por se ter aproximado da verdade)..

            Caro António Paço tem que compreender que a verdade não tem dono, é livre, também resiste ao tempo e à mentira.

            Confesso que não tenho nenhum prazer de entrar em divergências ou participar em disputas mesquinhas para saber quem é mais vilão que quem.

            Seria muito do meu agrado , se um dia o António Paço me contempla-se com uma mensagem de solidariedade para com os povos de Leste que viram as suas condições de vida descerem ao inferno depois da restauração do capitalismo nos seus países.

            Tenho dúvidas que o consiga fazer. Porque a vocação social e ideológica da agremiação politica em que se revê tem outras prioridades. Como por exemplo malbaratar os comunistas.

            Ou difundir disparates do tipo. A Europa devia diversificar as suas fontes de abastecimento de energia sem depender tanto da Rússia. Depois faz alusão enfática à segurança que representa a Argélia nesse sentido.

            Será que a criatura que se dispôs sobranceiramente publicar esse artigo no esquerda.net ignora as mais de 150 000 vitimas que custou essa alegada “segurança” “garantia” chamem-lhe o que entenderem? Ou pretende mais guerras e agressões a países produtores de petroleo?

            Será que também ignora a miséria o atraso e o subdesenvolvimento em que a Argélia está mergulhada, para proporcionar o bem estar e conforto às empresas petrolíferas?

          • António Paço diz:

            Carlos Carapeto, agradeço a sua precisão em relação à Pravda (só em russo, que não leio). Mas então quem é essa outra pravda.ru (com edição também em português e inglês), sabe esclarecer?
            O facto de eu ter citado esse tal artigo, questionando (o próprio título tem um ponto de interrogação – é assim tão difícil de ler?) se há ou não acordo entre Rússia e EUA deveria ser claro para quem não tenha a mente tão ocupada por suspeitas de conspirações. Também suspeita (mal) que eu seja uma espécie de porta-voz do Bloco de Esquerda. E quanto à ‘criatura’ de que fala, o jornalista Luís Leiria, a sua trajectória de vida impõe respeito. Trate-o com respeito, senão acabará a queixar-se de ‘censura’ noutro sítio qualquer. O método da insinuação e da calúnia, uma pesada herança que ainda empesta a esquerda, não encontrará qualquer simpatia ou sequer condescendência onde de mim dependa.
            Para rematar: pode crer na minha «solidariedade para com os povos de Leste que viram as suas condições de vida descerem ao inferno depois da restauração do capitalismo nos seus países». A si convido-o a interrogar-se: por que será que o capitalismo pôde ser restaurado na URSS quase sem resistência popular, sem mortos e feridos, com tantos dos antigos chefes do PCUS a reconverterem-se nos actuais oligarcas? O próprio Putin que era ele antes senão um quadro do KGB? Que lhe diz esta transferência pacífica dos velhos burocratas para os novos oligarcas sobre a natureza do regime que esteve no poder até 1991?

          • Carlos Carapeto diz:

            António Paço.
            Se eu deixei escapar um ponto de ? “dissimulado” no término de uma narração direcionada, Vc amofinou-se e proferiu ameaças antecipadas sem se preocupar saber o sentido da palavra que dirigi ao seu Amigo Leiria.

            Tenha calma não perca as estribeiras por tão pouco, fica-lhe mal.

            Eu tive o cuidado de selecionar a palavra que melhor se ajustava ao conteúdo daquilo que seu amigo Leiria publicou .

            E para desfazer equívocos o melhor será consultar o dicionário de língua Portuguesa.

            Significado da palavra CRIATURA : Dicionário Lello& Irmão- Editores.

            “cada um dos seres vivos. Homem pessoa: é boa criatura.
            Fig. Pessoa que muito deve a outrem e que lhe é inteiramente dedicada: criatura do ministério.”

            http://www.priberam.pt/dlpo/criatura
            cri•a•tu•ra
            (latim creatura, -ae)
            substantivo feminino
            1. Todo o ser criado.
            2. Pessoa; indivíduo.
            4. Pessoa inteiramente devotada a outra.
            5. Pessoa que deve muito da sua formação intelectual e ideológica a outra.

            Escolhi esta palavra por entender que de forma algo furtiva o seu amigo Leiria está a fazer um “frete” (espero não ultrajar o seu amigo ?) a quem parece ser devedor.

            E com base nesse pressuposto esforça-se por justificar males maiores que aqueles que a Rússia representa.

            Ora o seu amigo Leiria é pessoa devidamente informada, que dispõe de conhecimentos suficientes para saber que essa segurança energética que a Argélia “oferece” está alicerçada em mais de 150 000 mortos.

            Sabe de certeza as origens do radicalismo islâmico Argelino , onde foram treinados, porque o foram e quem patrocinou?

            E ainda deve saber melhor quem fomentou o banho de sangue quando os chamados “Afegãos” estiveram à beira de conquistar o poder?

            E por ultimo se não sabe devia saber a negação de direitos ao povo Cabila por parte do actual governo.

            O resto escrevi no comentário anterior. Ou seja, protegem-se os interesses das multinacionais petrolíferas e a garantia de abastecimento de energia à Europa “obesa e inchada” em detrimento dos direitos básicos da maioria do povo Argelino.

            É precisamente esta questão que o António Paço e o seu amigo Leiria evitam abordar.

            Se por essa razão considera isto uma falta de respeito ao seu amigo eu da minha parte como denunciante sinto-me lisonjeado com a sua prepotência e arrogância.

            Portanto se encontra motivos suficientes nas minhas palavras para me excluir dos seus debates, não espere por ser tarde, nem peque por defeito em fazer uso dos seus poderes.

            Até porque não sou eu o primeiro comentador a quem profere esse tipo de ameaças.

            Quanto ao resto que o António Paço escreve acerca dos países de Leste (situação que conheço in loco há algumas dezenas de anos) tinha grande prazer em debater serena e aprofundadamente isso consigo ou qualquer outra pessoa bem formada e informada. Que é totalmente diferente de fazê-lo com certos “altruístas” que por aqui pululam que se limitam a proferir umas frases soltas..

            Só que a sua altivez tirou-me a vontade. Também não julgue que será por isso que me vou afastar. Deixo-o ao seu critério.

            Cumprimentos

          • António Paço diz:

            Carlos Carapeto, não o sabia adepto do criacionismo (para tratar as pessoas por criaturas), mas deixe lá isso. A minha pergunta sobre a pravda.ru não é retórica, é a sério. Você sabe quem são (isto é, se são diferentes da outra pravda de que você deixou o link)? E não quer responder-me também em relação à natureza do regime deposto em 1991 na URSS?

        • LGF Lizard diz:

          O Carlos deve estar a ver uma realidade só dele. Não consegue perceber que não só a URSS/Rússia está atrás dos americanos na conquista espacial (nunca foram capazes de por um space shuttle a funcionar) nem têm nada parecido com um X-47, por exemplo.
          Em relação aos Antonov, a piada continua. O camarada parece não querer perceber que muito simplesmente não existe procura suficiente para que os fabricantes ocidentais invistam nesse tipo especializado de avião.
          Basta lembrar que os americanos têm o C-5 (quase do tamanho do An-124) e estão a substitui-lo pelo C-17, mais pequeno, económico e fácil de operar.
          Mas existem sempre aqueles que acham que têm de ter maior do que o vizinho… nem que seja só para fazer figura. Depois admiram-se de terem elefantes brancos.

          • Carlos Carapeto diz:

            António Paço primeiro quero felicitá-lo por conseguir reunir à sua volta as opiniões mais extremistas de direita que por aqui aparecem. Sente-se bem assim?

            “Carlos Carapeto, não o sabia adepto do criacionismo (para tratar as pessoas por criaturas), mas deixe lá isso.”

            Mas que confusão é essa ? Que já está a associar etimologia com crendices!
            Fui bastante especifico, empreguei o sentido mais lato da palavra. O que melhor se adequa ao teor do artigo em causa. Vc é que se recusa aceitar.

            Se primeiro usou a prepotência e ameaças veladas, agora surge com divagações.

            Não deixo de responder às suas duvidas acerca do que penso sobre as minhas origens.

            Acreditando eu que a espécie humana tal como existe é o resultado da evolução das espécies, por essa razão não questiono se sou descendente dos macacos por parte do meu avô se da minha avó.

            Quanto à Pravda já escrevi o que tinha a escrever. Ou pretende que esmiuce?
            Tome, fique com mais estas duas.
            http://www.pravda.com.ua/
            http://www.kp.ru/ Em tempos existiu uma em Castelhano também.

            Mas passemos às interpelações que me dirige, totalmente desfasadas do contexto daquilo que se estava a discutir.

            “O próprio Putin que era ele antes senão um quadro do KGB?” Sim; era um funcionário como tantos outros!

            Se critica Putin por ter sido um funcionário dessa Agência que faz referência, e qual a opinião que tem acerca de Bush pai como Diretor da outra Agência congénere?

            Compreendo-o. A primeira apanhava criancinhas na rua para serem devoradas ao pequeno almoço e depois entretinha-se a dar injeções atrás da orelha dos velhos?

            A segunda é uma Instituição de caridade que se dedica a fazer benfeitorias por os quatro cantos do mundo?
            É assim que vê as coisas?

            “E não quer responder-me sobre à natureza do regime deposto regime deposto em 1991?”

            Com todo o gosto

            Se era um inferno em chamas como os seus inimigos apregoam quando lá cheguei já nem as cinzas vi. Encontrei um povo culto e um país desenvolvido.

            “Que lhe diz esta transferência pacífica dos velhos burocratas para os novos oligarcas sobre a natureza do regime que esteve no poder até 1991?”

            Antes de responder a esta pérola que não sei como classifica-la. Se como falta de informação ou se propaganda aleatória?
            Quero deixar uma opinião do conhecido professor de História Peter Kenez, da Universidade de Santa Cruz ? na Califórnia no seu livro “História da URSS”.

            Diz isto; “ A que se devem os problemas senão aos resquícios de 74 anos do domínio comunista? Mas também se pode atribuir 75% aos comunistas e 25% às reformas. Ou será o contrário? Não teria sido a contribuição das duas coisas ? Com 50% das culpas para ambas as partes? O que se sabe é que não existe paralelo na história para tamanho descalabro em tempo de paz”.

            Portanto o António Paço está fazer um exercício de negação da história , quando afirma que o regime foi deposto de forma inglória, ao mesmo tempo que questiona a transferência pacifica dos oligarcas.

            Devia ter tido a hombridade de esclarecer quem foi deposto de forma inglória e se os tais oligarcas também eram comunistas e quem foi que os levou para as cúpulas do poder.

            Ao contrário daquilo que afirma quem foi deposto de forma inglória, humilhante e vergonhosa foi Gorbachov por o séquito de oportunistas, corruptos, mafiosos e reacionários que se rodeou com o objetivo único de destruir o PCUS e afastar os comunistas de todos os órgãos de poder e da direção das instituições do país.

            Foi Gorbachov aliado a essa horda de criminosos que já tinham destruído o poder na União Soviética antes de 1991. Foi ele que os chamou para junto de si e os promoveu.

            Foi ele “Gorbachov” que lhe entregou a chefia das instituições Estatais abusivamente sem obedecer nem consultar os outros orgão de poder ainda existentes na altura .

            Foi ele que em nome do retorno às origens do Marxismo-Leninismo e aos ideais genuínos da Revolução Bolchevique que foi afastando gradualmente os comunistas da direção de cada uma das Republicas, do Soviéte Supremo, do Politburo, da direção dos Sindicatos, da chefia das empresas, dos meios de informação, para os entregar aos seus homens de mão.

            Desmantelou paulatinamente o aparelho do Partido e do Estado, criando à sua volta uma areola de pessoas da sua confiança, que por fim o afastaram “depuseram o termo é seu” de modo vexatória.

            Por isso agora sou eu que lhe coloco a pergunta. E onde estava o povo que não se mobilizou para defender Gorbachov (o paizinho das reformas) e afastar o tal bando de oligarcas que refere?

            Sim; porque nessa altura já o PCUS tinha sido ilegalizado os seus bens confiscados, e os comunistas eram perseguidos e saneados de todos os órgão Estatais.

            O grupo que participou no Putsch de Agosto de 1991 eram todos homens que tinham sido nomeados para o cargo por o próprio Gorbachov. Sabia?

            Como tinha pressa em aplicar as reformas idealizadas por o seu bando, no entanto existiam elementos no governo que se opunham que fossem feitas da forma acelerada , forjou o golpe e retirou-se, para finalmente regressar como um herói e com as mãos livres para fazer o que pretendia.

            Ainda há poucos anos, Gorbachov criticou Putin a propósito de umas manifestações em Moscovo. Putin advertiu-o para que não falasse muito porque podia morder a língua. Foi Valentina Matvienko na altura presidente da camara de S Petersburgo que lhe lembrou o episódio do Putsch de 1991.

            Portanto os inimigos dos comunistas nesta questão não têm qualquer tipo de autoridade moral para os criticar sobre os acontecimentos dos últimos dias da União Soviética.

            O que aconteceu foi uma traição orquestrada com a participação da quinta coluna interna com fortes apoios externos.

            Há um outro pormenor que convém recordar aos falsificadores da história.

            Em Março de 1991, foi efetuado um referendo a consultar os cidadãos se desejavam a continuação da União Soviética. Participaram no acto 80% dos eleitores, 76,4% optaram por o sim.

            Quantos aos comunistas, os verdadeiros comunistas, esses apesar das perseguições e do isolamento que sofreram por parte de Gorbachov e depois por Yeltsin na década de 90 nunca desistiram de lutar por os direitos do povo e dos trabalhadores. Os bons, alguns mesmo velhos ainda hoje continuam na linha da frente.

            Posso citar como exemplo algumas figuras conhecidas mundialmente.

            As astronautas Valentina Tereshkova, Svetlana Savitskaya, o prémio Nobel Zhores Alferov, o lendário general Mikhail Kalashnikov, o almirante Vladimir Komoedov foi comandante da frota do Mar Negro até se aposentar em 2010, antes tinha desempenhado as mesmas funções na frota do Báltico.

            E depois omite também as fraudes maciças nas eleições presidências de 1992 e 1996 onde os comunistas foram descaradamente roubados.

            E Gorbachov em 1992 foi vexado e desprezado por o povo Russo ao obter apenas 0,5 % dos votos.

            António Paço já lá vai o tempo de fazer da história um caderno de exercícios onde se apaga aquilo que não interessa.

          • António Paço diz:

            Os especialistas em apagar gente das fotografias eram outros, Carlos Carapeto.
            E fico abismado com a sua explicação para o que aconteceu à URSS. Então basta aparecer um ‘mau da fita’ para destruir todo um regime, instalado no poder há décadas?

          • Carlos Carapeto diz:

            “Não consegue perceber que não só a URSS/Rússia está atrás dos americanos na conquista espacial”

            Vc além de ignorante é extremamente embirrante. Se já lhe o esclareci com os factos acerca deste assunto, estava lá escarrapachado, não são invenção minha, e mesmo assim continua a teimar.

            “(nunca foram capazes de por um space shuttle a funcionar)”

            Nem pensar, o AN- 225 foi feito de propósito só para transportar batatas?

            Não seja palerma não se está a discutir o AN-124 mas sim o 225 Mriya.

            Mas se com essa esperteza toda entende que os “parvalhões” que recorrem aos serviços do AN- 225 para o transporte de cargas de grandes dimensões, porque não os aconselha a mudarem de opinião e os faz compreender que estão a gastar dinheiro desnecessáriamente?

            Compreendo-o, os diretores das empresas Americanas, Canadianas, Inglesas, Dinamarquesas, Chinesas, Governo Francês e todos os que requisitam os serviços dessa aeronave são tudo uma cambada de imbecis que gostam de atirar dinheiro fora por prazer.

            Já Vc é um espertalão que tem a capacidade de ver que os outros andam todos errados?

        • absurdo diz:

          Antonio Paço, dificilmente o C. Carapeto lhe admitirá qualquer erro que seja do PCURSS, ou de outro qualquer, na verdade.
          A alienação não é muito diversa da que se encontra nalguns crentes evangélicos.
          A revisão da história que elaborou no comentário de 24/3, 12h40m, é bem ilustrativa do grau de distanciamento da realidade de que ele padece.
          A queda dos regimes do antigo bloco de Leste surpreendeu tudo e todos pela sua facilidade e ausência de resistência.
          Sinceramente, gostaria de conhecer melhor porque, após 70 anos de construção do “Homem Novo”, de doutrinação de sucessivas gerações, os regimes caíram sem um queixume, sem um frémito de reação, sem um assomo de revolta pela queda do Paraíso na Terra.
          Onde estavam os milhões de disciplinados militantes comunistas?
          Pessoalmente, posso dizer que nunca tinha sonhado com algo parecido.
          E, no entanto, tudo caiu como um castelo de cartas.

          • Carlos Carapeto diz:

            Já respondi ao António Paço. E se não o tivesse feito também não ía perder o meu tempo a retorquir a derivas saloias.

  8. Censurado diz:

    Finalmente um tom mais moderado no meio da imberbe histeria sectária que invadiu este blogue.

    A Rússia é uma mafiocracia. E Putin– ex agente da PIDE soviética –, um líder muitíssimo pouco recomendável.
    Esta reportagem do 60 Minutos (esses perigosos “imperialistas” da CBS) é apenas um vislumbre do tenebroso mundo da corrupção russa:
    http://www.cbsnews.com/news/americans-fight-to-expose-corruption-in-russia/

  9. Carlos Carapeto diz:

    “Censurado diz:
    A Rússia é uma mafiocracia. E Putin– ex agente da PIDE soviética –, um líder muitíssimo pouco recomendável.”

    Habilidoso!

    Quanto a Bush pai antes de ser presidente ter sido DIRETOR de uma agência similar à Gestapo NADA? Carlucci outro.

    • absurdo diz:

      Provavelmente o mesmo que o Putin ter pretencido à Gestapo soviética, não?

      • Carlos Carapeto diz:

        Compreendo a outra é uma instituição de caridade que sempre teve por fim levar o bem estar e a prosperidade aos quatro cantos do mundo.

        E os mais bem comportados ganham uma estadia no Resort de Guantanamo.

        Os países relutantes em aceitar o conforto oferecido, são obsiquiados com ofertas de napalm, urânio empobrecido, fosforo branco e muito fogo de arificio vindo do céu?

        Só na Argentina em seis anos ajudaram a libertar mais de trinta mil alminhas dos pecados terrenos.

        E na Indónesia calcula-se em um milhão e meio.
        No Afeganistão nem já se dão ao trabalho de contá-las.

        Chega………

        • LGF Lizard diz:

          Sempre deve ser melhor estar no resort de Guantánamo do que na colónia de férias de Vorkuta.Ou noutro qualquer estabelecimento do GULAG.
          Isto sem contar com as fantásticas “libertações” dos povos do Leste da Europa ou dos países bálticos. Ou com os “libertados” pela Revolução Cultural. Ou com o Holomodor, Katyn e outras fantásticas experiências comunistas.
          A caridade comunista consiste num tiro na nuca e enviar a factura da bala à família. Isto, evidentemente, se a família também não receber o mesmo tratamento, como fazem os camaradas norte-coreanos.
          Pela lista de intervenções russas/soviéticas, deduz-se que os países que não aceitam a fraternal ocupação russa/soviética são ocupados à força….
          Falando em ocupações, já devolveram à Alemanha, Japão e Finlândia os territórios roubados? A Karélia, Kalininegrado e as ilhas Kurilas não são russas.
          E Putin já deu a independência aos Chechenos?
          Se a Crimeia pode entrar na federação russa, a Chechénia também deveria poder sair,…

          • Carlos Carapeto diz:

            E o que sabe acerca do GULAG senão do lixo que esgaravata na NET?

            Sobre Katyn como já não pode perguntar a quem disse estas palavras pode perguntar ao irmão gemeo que ainda é vivo.

            http://sp.ria.ru/international/20090901/122932496.html

            E isto já não o incomoda?

            Ou isto?

          • Carlos Carapeto diz:

            Sobre as outras questões acerca da devolução de territórios por parte dos Russos, palpita-me que estejam à espera de se resolverem outras situações identicas e a maioria delas mais antigas

            Alasca; Porto Rico, Guam, Guantanamo, Novo México, Arizona, Califórnia, Texas.

            Guiana, Nova Caledónia, Corsega, País Basco, Sahará Ocidental, Chipre, Gibraltar, Ceuta, Melila, Irlanda do Norte, Escócia.

            E porque não o Algarve?

            Se tivesse sossegado evitava apanhar com este trapo encharcado na cara!

            A Carélia é outra questão para a qual denota não ter conhecimentos históricos para poder discutir.

        • absurdo diz:

          Sim, no Afeganistão a URSS teve um comportamento impoluto e os mortos que deixou foram apenas por acidente, numa missão de internacionalismo e de amizade entre povos.

        • absurdo diz:

          Meu caro, você é que pretende defender o Putin, atacando outrem. Não ouviu/leu quem quer que seja a defender a CIA ou qualquer outra agência secreta.
          Mas, para si, se alguém critica o Putin, é porque defende o Bush.
          Argumentário do tipo que já ouvíamos a Salazar, não é?

      • Carlos Carapeto diz:

        E porque se lembrou e omitiu o outro ? Pois é; os “nossos” por muitas maldades que cometam são sempre os bons!

        • António Paço diz:

          Не понимаю.

          • Carlos Carapeto diz:

            Ne ponial?

            iá obiasnu !

            É estranho ter cuspido na cara de Putin e beijado a face de Bush pai.

            Talvez por a relevância dos cargos que cada um ocupou? Funcionário e diretor!

  10. Carlos Carapeto diz:

    E onde são “escondidos” os milhares de milhões que são roubados ao povo Russo por esse tenebroso mundo da corrupção Russa?

    Faltou dizer isso. Ou seja tortura a verdade para impor as suas mentiras!

    D Cameron conseguiu explicar melhor quando disse que impor sanções à Rússia é o mesmo que dar um murro, fica sempre a doer a mão.

    Eu também posso acrescentar mais. Em 2013 de 16 biliões de Rublos de matérias primas vendidas por a Rússia só 6 biliões entraram no país.

    Não é muito dificil saber do paradeiro dos outros 10 biliões

    Dito por quem sabe.

    • absurdo diz:

      Foram os imperialistas americanos e europeus que ficaram com eles, claro!

      • Carlos Carapeto diz:

        Não! Foram os lunáticos da tua tribo.

        Abromovich, Deripaska, Navalny e os outros oligarcas Russos depositaram o dinheiro roubado na Russia no banco da Mancoca?

Os comentários estão fechados.