Entrevista a anti-fascista preso pela Junta de Kiev. Fascistas retiram tropas da Crimeia, não querem a NATO e afundam-se em contradições.

A Crimeia foi formalmente anexada à Rússia e Putin fez um discurso de triunfo que ficará para a História (aqui, aqui e aqui). Este foi um evento sísmico no rearranjo de poder entre as várias potências. Acabou o mundo unipolar, os fariseus imperiais mostram um misto de admiração, perplexidade, histeria e desespero (aquiaqui, aqui, aqui e aqui). Valeria a pena discutir mais o assunto, aqui e aqui estão textos razoáveis sobre esse assunto. Mas contínuo a preferir olhar para os movimentos de base que no terreno estão a combater a junta fascista de Kiev…

Violência nazi na Ucrânia, últimos episódios

Anton Davidchenko, organizador da luta anti-fascista em Odessa é preso e levado para Kiev.

Anton Davidchenko, organizador da luta anti-fascista em Odessa é preso e levado para Kiev.

  • Anton Davidchenko, dirigente da luta anti-fascista em Odessa é preso pela junta de Kiev, manifestantes ergueram barricadas à volta da sede dos serviços de segurança exigindo a sua libertação (aquiaquiaquiaqui e aqui). Anton faz parte do grupo “Unidade da Juventude” (aqui e aqui) e no cerco à sede da polícia exigindo a sua libertação o grupo “União” (aqui, parece-me uma coligação de movimentos marxistas revolucionários) esteve muito activo. Relembro que em Lugansk a junta já tinha prendido o “governador do povo” Oleksandr Kharytonov, um activista ligado a uma organização dissidente do Partido Socialista da Ucrânia (aqui). O mesmo aconteceu em Donetsk com Pavel Gubarev, membro do mesmo movimento dissidente “Partido Socialista Progressista da Ucrânia” (aquiaqui e aqui).
  • Milícias nazis atacam transeunte que vinha de uma manifestação anti-fascista em Dnipropetrovsk, domingo 16 de Março (aqui e aqui).
  • Gangs Nazis roubam camiões de empresa Russa (aqui e aqui).
  • Autoridades policiais de Kiev controladas pelos neo-nazis lançam caça ao homem em Donetsk (aqui).
  • Deputados neo-nazis do Svoboda (que tem vários ministros no governo) atacam dirigente da televisão Ucraniana (aqui, aqui, aqui e aqui).

Estes estão longe de ser os únicos incidentes de violência fascista, já aqui tinha feito uma lista de prisões e agressões. Para além disso, estes são os casos que de alguma forma são noticiados, muitos outros haverá…

Contradições no seio da Junta Fascista

O ataque dos Nazis ao director da televisão parece que foi um passo longe de mais, sob a pressão da Rússia e do movimento popular anti-fascista a sudeste, parece que mesmo em Kiev houve protestos contra os Nazis (aqui e aqui). Tão indisfarçável é esta agressão, que os mass media mainstream ocidentais parecem estar a divulgar o sucedido (aqui)… Acontece que o actual procurador da Ucrânia é um nazi do mesmo partido (sovboda) que os deputados responsáveis pelo ataque, veremos como é que a Junta lida com este autêntico flop de propaganda…

A polícia, em grande medida, tem dado cobertura às acções dos neo-nazis, mas não em todo o lado. Tal como em Kharkov, em Zaporozhye elementos pertencentes a gangs neo-nazis que andavam a aterrorizar a população foram presos (aqui).

As contradições dentro da junta fascista podem ser medidas pelo discurso completamente esquizofrénico do pseudo-primeiro ministro “Yats”. No fim de semana fez uma ameaça em tons bíblicos contra os “separatistas”, terça-feira já fez um discurso completamente conciliador onde, em Russo, afirmou que a Ucrânia não se vai juntar à NATO, que irá dar mais poderes às regiões e que os tratados com a UE serão todos muito bem discutidos (aquiaqui, aqui, aqui e aqui)… Mais, ainda terça-feira a junta fascista tinha autorizado as suas tropas na Crimeia utilizarem as armas para se defenderem de ataques Russos, quarta-feira deram ordens para que todas as tropas Ucranianas se retirem da Crimeia (aqui, aqui, aqui e aqui).

Relembro o que escrevi num artigo anterior (aqui):

Parece-me muito provável que em Kiev e na zona Ocidental controlada pelos gangs neonazis (ver isto numa assembleia perto de Kiev) o nível de contradições vá crescer muito. Não me surpreenderia se em breve tivermos notícias de alterações no governo ou confrontos entre as várias facções fascistas em Kiev. 

Isto numa altura em que as medidas de austeridade associadas à “ajuda” da UE e do FMI ainda não foram divulgadas… Alguns fariseus imperiais mais lúcidos já perceberam que o regime fascista de Kiev encontra-se num beco sem saída (aqui).

Continua a luta anti-fascista

  • Na Crimeia, depois de um incidente pouco claro envolvendo snipers e que vitimou um miliciano anti-fascista e um soldado ucraniano (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), manifestantes anti-fascistas (numa cena meio à PREC) tomam de assalto o quartel general da frota Ucraniana e forçam a retirada das tropas Ucranianas desse quartel e de toda a península (aquiaqui, aqui, aqui e aqui).
  • Milícias populares anti-fascistas dificultam e bloqueiam acesso das tropas ao serviço da junta fascista de Kiev à zona de fronteira com a Rússia (aqui, aqui e aqui).
  • Em Mariupol o edifício sede do governo municipal foi invadido por manifestantes anti-fascistas, 17 ou 18 de Março (aqui).

No meu último post (aqui) discuti a natureza do movimento anti-fascista no sudeste da Ucrânia. As últimas prisões efectuadas pela junta de Kiev clarificam ainda mais a situação. Todos os “governadores do povo” e activistas presos pertencem a organizações de esquerda (“União/Luta” e “Partido Socialista Progressista da Ucrânia“). Ou seja, parece que a vanguarda da luta anti-fascista no sudeste está ligada a várias organizações de Esquerda, mas não exactamente o PCU (que está em força nos protestos, mas não a liderar as acções mais ousadas).

Alguns movimentos/partidos anti-fascistas na Ucrânia:

Aconselho vivamente ouvirem a entrevista a Anton Davidchenko. Esta entrevista foi dada uma semana antes de Anton ter sido preso pela junta fascista. Nela discute-se o movimento de maindan, a luta social na Ucrânia, a luta contra os fascistas, o referendo da Crimeia e o papel da Rússia… é um testemunho importante de quem no terreno foi preso por lutar contra o fascismo.

__

Liberdade para Pavel, Anton, Oleksandr e todos os prisioneiros políticos do regime de Kiev!

Abaixo a Junta fascista, os seus patronos imperiais (UE+EUA+FMI) e todos os seus apoiantes!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

39 respostas a Entrevista a anti-fascista preso pela Junta de Kiev. Fascistas retiram tropas da Crimeia, não querem a NATO e afundam-se em contradições.

  1. Acho piada falarem no imperialismo americano e alemão e não verem o russo. Isso são saudades do velho bloco soviético, não são?…

    • Francisco diz:

      E as prisões políticas na Ucrânia? isso incomoda-te? Sentes-te bem a apoiar um regime Nazi? Apoiado pela NATO e pela UE?… Achas piada? és um palhaçito que acha piada? é isso que tens a dizer quando existe um regime apoiado pela UE e pela NATO com ministros nazis e que anda a fazer prisões políticas??????????

      • Libertário diz:

        Aco engraçado essa sua necessidade de ver o mundo a preto e branco. Entre bons e maus.
        Repare que tudo o que invoca relativamente aos EUA e UE, pode perfeitamente faze-lo na mesma media à Russia.
        Esta é uma história sem inocentes meu caro. Ou melhor, os inocentes são as pessoas que não passam de marionetes ao serviço dos “dois” bandos.
        Há algum tempo que acompanho os seus relatos e não posso deixar de notar que sinto da sua parte uma certa nostalgia pelos tempos da guerra fria, tal a linguagem utilizada.
        E escusa de dizer que o seu exercicio é sério e independente, porque está longe de o ser. Existe claramente uma dualidade de critérios, perfeitamente perceptiveis por quem o lê, entre as acções de um bando e do outro.
        Prisões políticas? Prisões politicas existem em todo o lado, e se calhar vai-se a ver e Putin é o rei dessas denominadas prisões políticas.
        No fundo, e como o Francisco o diz, há uma guerra de propaganda que dificulta a leitura do dia a dia na Ucrânia. Mas, ao invés do que possa pensar, o seu trabalho (árduo sem duvida) só contribui para essa confusão.

        Cumprimentos,

        • Francisco diz:

          Mas tu leste o que eu escrevi e tenho escrito? Se sim, deves estar com problemas cognitivos..
          1º – Não sou neutro. Claro que não. Quando na Europa temos o primeiro governo com Neo-Nazis e as ruas controladas por Nazis não sou neutro. Sou inimigo do regime de kiev e de todos os seus apoiantes.
          2º – Escolhes ser neutro “são todos maus”, meu amigo, não há, nem nunca vai haver movimentos puros e perfeitos. Neste caso o inimigo número um é o perigo nazi. Ponto. Tu escolhes ficar de fora e não combater os Nazis… é a tua escolha…
          3º – Linguagem. Uso a linguagem que gosto, que as populações no local utilizam. Se tens problemas com a realidade histórica e certas palavras azar o teu…
          4ª – Nostalgia… Bem, confesso que sou um admirador de Lenine e Trotsky e da revolução Russa. Nunca escondi isso. Se houve problemas, erros, etc… claro. Se estiveram sempre certos? Claro que não… mas feito o balanço deram um contributo inestimável para um mundo mais justo, livre e fraterno. Mais, apesar de todas as suas limitações, é um facto que a queda da URSS foi uma catástrofe humanitária, diminui a influência das forças progressistas e libertou vários demónios que até aí tinham tado sob controlo… isto é uma questão de facto, não um juízo moral…
          5º – O meu exercício não é independente, mas é sério. Aliás nem percebo esse fetishe com o “independente” como se isso existisse, como se por actos ou omissões não estivéssemos, sempre, objectivamente, a tomar um dado partido. Neste caso, fruto de uma análise séria, de diversas fontes e baseado na minha própria experiência de luta social e política tiro as minhas conclusões e tomo partido. E tu? Ficas a ver enquanto os nazis tomam conta da Ucrânia…
          6º – Não sou um defensor do regime de Putin e dos seus oligarcas. No entanto não cometo o erro de igualar o “imperialismo” Russo ao da NATO+UE, como se fossem equivalentes, como se tivessem o mesmo poder e como se as suas acções tivessem os mesmos resultados. O que basta olhar para os factos e ver que não é verdade. Acontece que neste caso os interesses do regime de Putin levaram-no a tomar acções que efectivamente diminuiram e puseram em cheque a ascenção Nazi na Ucrânia (embora ainda mt esteja para acontecer). Por mais limitações e defeitos que o regime de Putin tenha, não é Nazi nem é o “ditador totalitário” que a propaganda ocidental apregoa.

          • Joao Pereira diz:

            Mas em que é que se materializa o regime “Nazi” de Kiev? Pergunto de boa fé …. não estou a fazer nenhum juízo moral. Eles são nazis por quererem sair da alçada da Russia e por isso o Francisco considera-os nazis ou são nazis porque praticam uma ideologia nazi consubstanciada no fascismo italiano ou seja, culto do chefe, nacionalismo, anticomunismo, antiparlamentarismo, racismo, colectivismo, eugenia, antisemitismo, e oposiçao ao liberalismo economico. É isso que se passa em Kiev? É que nem sequer sei ou ouvi falar do poderoso lider Nazi …

          • Francisco diz:

            Leia os artigos que escrevi e os links que pus. Já leu? Já leu as milhentas referências/links que pus nos textos sobre o partido Svoboda e o sector de direita? Já leu a lista de agressões e prisões? Só para ver como sou um tipo imepcável até lhe deixo aqui um link para uma revista dos EUA, competamente pró-Nato:
            http://www.foreignpolicy.com/articles/2014/03/18/yes_there_are_bad_guys_in_the_ukrainian_government

            Leia este texto e leia todos os outros links que fui disponibilizando nos quase 10 posts que escrevi sobre a matéria

          • Francisco diz:

            Chegas-te a ler o meu primeiro texto sobre este assunto?
            https://5dias.wordpress.com/2014/03/01/nunca-nos-renderemos-aqueles-fascistas-de-kiev-o-imperialismo-e-o-nazi-fascismo-nao-passarao-na-ucrania/

            Aqui refiro-me explicitamente à questão que levantas-te… não me vou estar a repetir em todos os textos e parece-me um pouco óbvio… Mas uma coisa que vou fazer sem dúvida é uma colectânea com todos os textos que tenho escrito.

          • Libertário diz:

            Francisco,

            1º Se opta por escrever num blog, opta por expôr a sua opinião publicamente. Se abre os seus textos a comentários, é natural que nem todos o apoiem. Caso não haja faltas de educação de quem a si se dirige, não vejo razão para toda essa agressividade.

            2º Se opto por ficar de foram de uma luta entre nazis (palvras suas) e o regime de Putin? Sem dúvida. Nenhum desses lados vai contribuir activamente para a minha melhoria de vida ou da população em geral.

            3º O pior mesmo, é quando fazemos estes exercicios de criar um ranking para ver qual é pior. E lançam-se números de mortos (ou presos) de um e outro lado da barricada esquecendo que no fundo todos são humanos.

            4º Mesmo que eu seja um tipo muito ingénuo e que come gelados com a testa, mesmo que eu pape toda a propaganda, gostaria de saber ou ter acesso a provas palpáveis de que Putin não é o totalitário que se apregoa. Ou até porque é que há de ser melhor do que a UE.
            Apesar dos tempos que vivemos, das criticas que se podem apontar, parece-me excessivo dizer que a UE é pior que a Rússia. Excessivo não. É mesmo uma brutalidade.
            Eu já visitei a Rússia (e não apenas Moscovo) durante um mês, e sinceramente parece-me que muitos dos que aqui escrevem rápidamente mudariam de ideias.
            Mas pronto, estamos a desviar-nos da conversa.

            Apesar de tudo, sei que faz o seu trabalho por puro interesse e sem qualquer retribuição monetária, e portanto não deixo de louvar de nos tentar mostrar o “outro” lado.

            Cumprimentos,

          • Francisco diz:

            Libertário, não leves a mal, mas uma coisa que me irrita profundamente e que muita gente que aqui comenta faz é criticar-me por coisas que eu não digo, nem defendo… Até percebo, é que a maioria das pessoas relaciona e faz equivalências entre realidades que não o são e quando me vê a dizer Y assume que eu também direi X, ou seja têm um pensamento anti-dialéctico.
            Não sei se comes “gelados com a testa” ou não, mas não és lá muito dialéctico e criticas coisas que eu não disse. Por exemplo, a “UE é pior do que a Rússia”. Estamos a falar do quê? Do papel na Ucrânia? Das consequências politicas e económicas na Ucrânia? Nesse caso é óbvio que a UE é pior do que a Rússia… Aliás, até a Hungria recebeu um empréstimo da Rússia que a UE e o FMI não deram… Mais, vários países do leste apesar do rebuliço todo estão altamente dependentes de negócios e dinheiro Russo… Quanto ao nível de vida, depende… Uma coisa é a Roménia, outro é a Dinamarca… Porque é que na Crimeia, apesar de todas as irregularidades, sem margens para dúvidas a esmagadora maioria da população apoiou a reunificação com a Rússia??? Porque económicamente é melhor!! As pensões são mais altas, os salários etc… Pelo contrário, as pensões não estão a ser pagas na Ucrânia e fala-se (veremos) que irão ser cortadas em 50% depois do acordo com o FMI… Mesmo a nível de “direitos democráticos” se compararmos uma polónia ou uma Hungria com a Rússia nem sei qual ficaria à frente. Portanto, a afirmação “a UE é pior que a Rússia” ou a “UE é melhor que a Rússia” é de um simplismo atroz e não se adequa a uma análise política séria… O que é sério é afirmar que no caso da Ucrânia, é óbvio, que relações mais estreitas com a Rússia são bem mais benéficas do que com a UE, sobretudo na zona leste que é industrial. Quanto à malta que se embrulha no ocidente com bandeiras da UE, está a ter sonhos que rápidamente se transformam em pesadelos.

          • Francisco diz:

            “Se opto por ficar de foram de uma luta entre nazis (palvras suas) e o regime de Putin? Sem dúvida.” Deixa-me fazer-te uma pergunta, na II Guerra Mundial que lado é que escolhias, EUA+INGlaterra+URSS ou também ficavas neutro???? É que nem a Inglaterra Imperial, os EUA ou a URSS estalinista eram grandes modelos… Mas mesmo assim en não tenho dúvidas de que lado estava. E tu???

        • absurdo diz:

          Libertário, pedir isenção a alguém que relata o que quer que seja, é uma ilusão.
          Pode é haver maior ou menor objectividade, e aí não posso deixar de concordar consigo, que o Francisco não pode ser acusado de ser objectivo na sua análise da situação ucraniana.
          Mas estamos num blog de extrema-esquerda, pelo que não será uma surpresa constatar que o mundo é visto sobre essa ótica, não é?

          Sendo verdade que existem uns quantos imbecis no movimento Maidan e no governo provisório, dizer que existe um regime neo-nazi na Ucrânia é um disparate, resultado de uma análise pouco séria, seja por convição que cega, seja por manipulação. Alguém abaixo colocou o dedo na ferida do argumento que sustenta a tese do regime fascista/nazi, desmontando-o por comparação com o conceito de fascismo, para nem falar sequer do conceito de nazismo.
          Da mesma forma que para alguns ultra-conservadores toda a gente à sua esquerda cheira a comunista, outros extremistas salivam diante de alguns nacionalistas e a palavra nazi logo salta.

          O Putin está muito longe de ser nazi, mas aproxima-se perigosamente do modelo de autoritarismo prevalecente nos anos 30 na Europa, cujo maior paradigma foi o fascismo italiano. Putin ainda não tem uma “ideologia” tão estruturada quanto o fascismo, mas o seu desenho está em marcha há muito: o nacionalismo apoiado na religião do Estado (ainda que não formalizada); a mitificação do passado histórico, com a elevação a heróis de personalidades convenientes e a instalação do seu “culto”; o controlo apertado da comunicação social e a manipulação de factos, com o afastamento de visões alternativas e de pessoas indesejáveis; o apoio/controlo das grandes empresas, se necessário à força; a geração de inimigos internos (povos do Cáucaso do Norte) e externos: o Ocidente, visto como moralmente decadente, aqui com a ajuda da Igreja Ortodoxa Russa, sempre receosa do proselitismo de outras denominações religiosas. O exemplo recente da perseguição a homossexuais é bem ilustrativo: deputados da Duma sustentam que na Rússia não se admitem os vícios existentes no Ocidente, o que quer que isso signifique…

          Por isso, não posso concordar com o Francisco: entre os dois males representados por Hitler e os Aliados com a URSS, preferiria o menor, o último. É exatamente por isso que sou contra Putin.

          • absurdo diz:

            Onde se lê “não posso concordar com o Francisco”, obviamente que se deverá ler “não posso DEIXAR de concordar”

  2. Augusto diz:

    A ler o artigo do jornalista Luis Leiria , hoje no Esquerda Net, parece que neo-nazis existem nos dois campos…..

    • Francisco diz:

      Sim existem. Existiram Nazis também contra a guerra do Iraque por exemplo… Qualquer movimento de massas amplo tem sempre elementos com vários tipos de pre conceitos, ideias confusas e por vezes até de extrema-direita. A questão é que papel e que poder detêm as organizações nazis nesses movimentos. No caso do regime de KIev os Nazis estão no governo e controlam o movimento nas ruas. No caso russo são um elemento, mas não o predominante. GOT IT?

    • imbondeiro diz:

      Ele há de tudo, caro Augusto, ele há de tudo… Nos dois lados e… na esquerda… Veja lá que, há uns tempitos atrás, até houve uma certa “esquerda” que se embeveceu ternurentamente com os propósitos altruístas da NATO na Líbia. E não se ficou por aí: essa mesma malta altamente progressista viu nos jihadistas sanguinários que levaram a cabo uma limpeza étnica no país de Kadaffi e o transformaram num gigantesco campo de tráfico, de clausura, de tortura e de assassínio, as veríssimas reencarnações de Ernesto “Che” Guevara. Na bernarda que se seguiu ao massacre líbio, o apocalipse da multicultural Síria, esses proletários do intelectualismo progressista foram (pudera!) mais salomonicamente comedidos: Bashar al Assad é um tenebroso ditador, mas os encómios aos libertários do turbante já não saíram, por essa vez, da internacionalista cartola… Agora, na grande confusão ucraniana, para darem um arzinho de sua graça, lá vão apontando um ou outro neo-nazi no lado da barricada anti-NATO… Só há um pequeno problema: os neo-nazis pró-NATO de Kiev estão no Governo. Não quererá essa boa e progressista gente indicar-me um só neo-nazi que faça parte dos actuais Governos da Crimeia e da Federação Russa? Ficaria eternamente agradecido…
      P.S. – Espero pacientemente uma resposta de algum representante dessa boa e avançadíssima “esquerda” de larguíssimo escopo libertário, embora anteveja um escolho de monta na iluminação das minhas trevas políticas: o oficioso órgão que dava voz a leituras tão esclarecidas da política internacional faleceu. Um dos seus articulistas teve a gentileza de comunicar-nos que o passamento foi “uma morte natural”; eu, que tenho uma costela torta e farta produção de bílis, não vou na cantiga – cá para mim, o bilhete de ida foi antecedido de morte… cerebral.

      • Kavernista diz:

        Boa pergunta:

        Quem são os nazis do outro lado da barricada?

        Citem os nomes.

        • Carlos Carapeto diz:

          Isso mesmo.

          Quem são os nazis que estão do outro lado?

          Mostrem por favor.

          Estes gajos em desespero são capazes de deitar a mão a qualquer imundicie para limparem a tromba.

          • imbondeiro diz:

            Ó Carlos Carapeto, o senhor tem esperado pela resposta sentado? É melhor arranjar um banquito, caro amigo, pois desconfio que a resposta vai demorar a chegar. Se é que algum dia chegará…

      • João Mendes diz:

        Isto tá cheio de gajos do PNR, só pode. O Francisco tem colocado vários links de jornais ingleses e muitos outros, que mencionam claramente que o regime de Kiev, tem tido o apoio de fascistas, e de neo-nazis.
        Só se esses jornais “imperialistas” estão a mentir, eheh.
        Virem aqui defender espalhar a confusão, e atacar os comunistas num assunto destes, quando há tantos posts, é mesmo tipico deles.

        • Francisco diz:

          é bem possível… ou então é mesmo total estupidez… talvez um misto

        • imbondeiro diz:

          Isto está cheio, caro João Mendes, é de malta cheia de vontade de voltar à utopia do “Portugal rural” do Botas de Santa Comba. Está essa gente com ganas de se dedicar à agricultura, enxertando por aqui uns quantos pézinhos dessa espécie exótica que é o “svoboda ukraniensis utor stepanis banderanensis”. Pensam eles que isto das agrícolas lides é coisa de tiro (de “sniper”) e queda (da Democracia); cuidam que é coisa de facilidade manjeriqueira – cogitam que é coisa de regar ( a “cocktail molotov”) e pôr ao luar (de noites de cristal). Magno engano! A agricultura é arte de dificílimo domínio, ofício de êxito muitíssimo duvidoso: pode o Sol momentaneamente brilhar, mas, quando menos se espera, os céus abrem-se em incontível tempestade e lá vai a viçosa plantação com o c…

    • Carlos Carapeto diz:

      “Libertário diz:
      Março 20, 2014 às 5:36 pEu já visitei a Rússia (e não apenas Moscovo) durante um mês, e sinceramente parece-me que muitos dos que aqui escrevem rápidamente mudariam de ideias.”

      Em que sitio esteve na Rússia? Algum cruzeiro no Volga!

      “4º Mesmo que eu seja um tipo muito ingénuo e que come gelados com a testa, mesmo que eu pape toda a propaganda, gostaria de saber ou ter acesso a provas palpáveis de que Putin não é o totalitário que se apregoa”

      É capaz de me provar que Putin é mais totalitário que Obama ou Hollande?

      O assunto é muito sério para se perder tempo com malabarismos acenando com o espantalho em como que este é melhor ou pior que aquele.

      Tratasse de uma falta de honestidade tremenda tentar ver as coisas por essa frecha, é um ponto de visão muito estreito.

      Primeiro; devia-se colocar a questão quem está a pôr a segurança de quem em risco e com que objetivos?

      É a Rússia que está a ameaçar a segurança dos países da NATO? A Ucrânia neste caso é uma simples joguete. Entenda-se; um joguete manobrado por o imperialismo que incentivou e pagou para que as coisas estejam como estão.

      Segundo: quem foi que mais contribuiu para a situação ruinosa em que a Ucrânia se encontra?

      Não foi a Rússia!

      Assisti a uma entrevista há poucos dias na RTR Planeta de um prestigiado economista Russo (Leonide Kalashnikov membro do comité central do PCFR) dizer que a produção na Ucrânia é de apenas 25% daquilo que era em 1991.

      No turbilhão do caos provocado por esta tempestade quem está agora em condições de salvar a Ucrânia da catástrofe? A Ucrânia, é mais que a Grécia, Portugal, Irlanda e Chipre juntas.

      O grande erro dos líderes da UE/NATO/EUA foi tentar fazer da Ucrânia um laboratório das suas expriências economicas tal como fizeram noutros países do Leste da Europa levando as economias desses países à ruina e a população ao empobrecimento para dessa forma melhor os dominar.

      Fizeram mal o diagnostico , porque a receita aplicada na Roménia e na Bulgária teve um efeito contrário na Bosnia e Albânia e na Ucrânia não se sabe ainda qual será o resultado.

      Já está à vista que o empobrecimento do povo é a terra fértil onde amadurecem as forças mais sombrias do nazismo.

      E aquilo que se está a passar neste momento na Ucrânia, Hungria, Estónia; Letónia, Lituania e um pouco na Polónia é a prova disso mesmo.

      Retirar direitos e ameaçar com o papão comunista.

      Quanto a ameaças e sanções à Rússia, isso é uma forma de enganar a opinião publica.

      A Rússia se não vender as materias primas à Europa, vende-as à China, Coreia do Sul, India, Vietname…….

      E se não comprar ovos, carne e frutas a Espanha compra ao Brasil, Argentina, China, Uruguai, México, África do Sul.

      Quanto a congelar contas dos oligarcas. É um grande favor que fazem ao povo Russo.

      Por outro lado os 5 a 7 milhões de turistas Russos que passam férias todos os anos na Europa, podem ir para outros destinos turisticos.

      Falta ainda conhecer qual a posição dos mais de 3 milhões de imigrantes Ucranianos que trabalham na Rússia.

      O poder imperialista fez mal as contas.

    • Carlos Carapeto diz:

      As opiniões dos Leirias não se destinam a informar. Servem para confundir.

      Com o S. Trotski numa mão e o aspergillum na outra vão espalhando o anti comunismo sobre os crentes.

  3. imbondeiro diz:

    Talvez por mal de formação, tenho para mim que certos deslizes vocabulares traem sempre profundas convicções (?) as quais se pretendem a todo o custo esconder. Quando leio por aqui gente, que se intitula de muito imparcial, utilizar a palavra “regime” (atribuindo a sua posse a Vladimir Putin) para designar o Governo do Presidente democraticamente eleito da Federação Russa, compreendo logo o quão profunda é a sua imparcialidade…
    Esta malta não se enxerga, nem, tão pouco, compreende a gravidade e o perigoso alcance da valentíssima javardice que a parceria EUA/UE (vulgo NATO) orquestrou na Ucrânia. Mas como haveria de compreender? Como haveria de compreender, se nem depois da Sérvia, do Kosovo, do Iraque, do Afeganistão, da Líbia, da Síria, compreendeu fosse o que fosse?
    Tudo isto me preocupa profundamente, pois tenho para mim que, colectivamente, atingimos um grau de alienação e de permeabilidade à manipulação que nos torna presas fáceis de uma qualquer ideologia demagoga que lance as sementes do ódio sobre um qualquer bode expiatório social, étnico ou político.
    Se o que anteriormente referi me preocupa, outro fenómeno aterroriza-me: a expressa insensibilidade de quem se alheia do sofrimento dos outros ( sejam eles Sérvios, Iraquianos, Afegãos, Líbios, Sírios, Egípcios e, agora, Ucranianos), rebaixando-os, nesse processo, a coisas. Esse processo de reificação é o prelúdio da fase terminal da nossa desumanização colectiva: aquela fase em que passamos a ver o outro como algo dispensável. Caso atinjamos essa última fase, mergulharemos a Europa naquilo que ninguém quer experimentar em seu tempo de vida: a guerra, a hedionda guerra. E não teremos desculpa alguma, pois nem desculpa nem perdão serão dados a quem nada aprendeu com as horrorosas lições do passado.

    • Carlos Carapeto diz:

      É mesmo assim.

      O imperialismo/capitalista escudado na propaganda enganosa e na mentira obscena da salvaguarda dos direitos humanos da liberdade e da democracia tem semeado a miséria, o saque, o atraso e o sofrimento dos povos onde tem intervido em nome de principios que nem nos seus próprios territórios pratica.

      Lava o cerebro dos cidadãos com esse tipo de propaganda, e lamentavelmente as pessoas acreditam. Como infelizmente assistimos aqui.

      É desolador ler opiniões que aqui são colocadas.

      Não serviu de lição a essa gente a campanha de mentiras para justificar a invasão do Afeganistão, aquilo que mostravam das condições como viviam as mulheres, nesse aspeto tudo piorou depois da intervenção imperialista. A produção de drogas aumentou quarenta vezes.

      O Iraque foi destruido em nome de libertarem o povo das garras de um ditador, inventaram as mentiras mais escabrosas possiveis e imaginárias.

      A Líbia , país onde o povo tinha as melhores condições de vida de toda a África, está retalhada entre gangues, não tem governo, o povo Libio vive na extrema miseria. Traficam petroleo como quem trafica drogas e armas.

      Invadiram o Mali, para combater o extremismo islamico, agora armam e pagam aos mesmos extremistas para irem combater na Síria.

      Que moral têm os lideres do imperialismo para criticar Putin?

      Lamentavelmente ainda há quem se atreva defender e aplaudir as suas ações criminosas. Nem aquilo que se está a passar aqui dentro de portas serve para os convencer. Sim; o saque aos direitos de quem trabalha não os faz despertar.

    • djugashvili diz:

      Caro Imbondeiro,é um facto evidente q a populaça europeia se tem estado cagando para os outros povos do mundo debaixo da pata do Imperialismo;este, agora, faz da mole indígena o qte teem estado a fazer aos outros.Sou optimista-a Guerra mundial é uma questão de tempo e, vai decorrer predominantemente em solo europeu , embora os maus (os cowboys) também vão ter os seus ‘cogumelos’.Depois,logo se vê….mas,inclino-me para Einstein e as seguintes guerras que vão ser feitas com paus e pedras e seres com 3 olhos e 4 pernas…
      O Homem é capaz de tudo desde ser Transcendente, como uma Besta da pior espécie….

      P.S.:Há comentários aqui que são feitos por aberrantes seres,cretinos, estúpidos e prontos a serem vassalos atentos,venerandos a ‘gente’ q assassina e piolha, só pelo ‘amor’ ao dinheiro.Para esses, o meu desprezo pelas suas imorais ‘opiniões’.

  4. Vitor Reis diz:

    E as recentes declarações de Angela Merkel, a dizer que vai haver sanções contra a Rússia, feitas pela União Europeia ?
    Sabe-se que a Alemanha tem grandes objectivos comerciais para a Ucrania, que sempre foi um dos objectivos antigos do tempo de Hittler. Não é Portugal, nem França, nem Espanha que vão ter interesses na Ucrânia. É a Alemanha, que está mesmo ao pé… a seguir a Polónia fica logo a Ucrânia.

    Mas o que espanta, é como Angela Merkel fala de sanções, não da Alemanha, mas da U.E:
    Esta senhora não tem cargo europeu.. É primeira ministra da Alemanha. Devia estar calada.
    Com que lata é que fala em nome da UE, num assunto que diz respeito à Alemanha ?
    Isto talvez fosse de abordar pelo Francisco, ou outros quaisquer, que o Francisco tem trabalho de sobra a nos informar sobre o que se passa na Ucrania.

    Mas também não podemos nos admirar da lata de Angela Merkel, pois também está constantemente a dar bitaites sobre a divida de Portugal, coisa que se devia de abster pois não é Economista sequer, é primeira ministra da Alemanha. Mas deve ser novamente os interesses dos Megabancos Alemães, como disse recentemente um lider partidário.

  5. Carlos Carapeto diz:

    Agressão dos nazis do Sbovoda ao presidente da TV estatal da Ucrânia, obrigaram-no a assinar a demissão.

    Quem são os responsáveis por a ascensão do nazismo na Ucrânia e na Europa.

    Para quem diz que não há nazis na Ucrânia.

  6. Carlos Carapeto diz:

    Explico o querem dizer as letras que estão no canto inferior esquerdo do video.

    Right Sector (Ukrainian: П р а́ в ий с е́ к т о р

    P r á v i í s é k t o r —– Sector `de ´ direita.

    Ou seja, o braço armado do Sbovoda.

  7. Carlos Carapeto diz:

    Aqui o povo de Lugansk ordeiramente a invadir as instalações do governo local. Pode ver-se também a policia ao lado do povo, a policia de choque (Berkut) sair do edificio sendo aplaudida por os manifestantes . Bandeiras Russas, da União Soviética e da Bielorrussia.

    O povo é quem mais ordena.

  8. JP diz:

    Eu tenho como política pessoal o seguinte:
    Se há uma organização ou governo cujos responsáveis são nazis / extrema direita e se aparecem nas fotografias de bracinho estendido e cabelinho curto, então eu sei imediatamente de que lado estou.

    Não preciso de grandes justificações nem de grandes masturbações intelectuais.

    • imbondeiro diz:

      Todos fossem assim, meu caro JP, e coisas destas iguais à da Ucrânia jamais se passariam. Todos os democratas sabem bem onde se devem situar e quem não sabe qual é o seu lado da barricada é devido a ter pouco, ou nada, de democrata. O resto são tretas para os mesmos criminosos de sempre levarem a água ao seu moinho. E ainda há quem lhes compre a sangrenta farinha…

  9. Censurado diz:

    Jovens neo-nazis russos consideram Putin “o grande líder do mundo livre”.
    E esta, ó Francisco?!

    • Francisco diz:

      Ès mesmo um básico provocador… não é por meia dúzia de nazis serem contra a guerra do Iraque e contra a UE que eu vou ser a favor. E tu és a favor dos Nazis que, de facto, tomaram o poder na Ucrânia?

    • Carlos Carapeto diz:

      “Censurado diz:
      Março 22, 2014 às 4:51 pm

      Jovens neo-nazis russos consideram Putin “o grande líder do mundo livre”.
      E esta, ó Francisco?!”

      E Putin para lhe agradecer manda a OMON (ОМОН) arrear-lhe porrada sempre que eles se manifestam a apoia-lo.

      Este Putin é mesmo um ingrato?

      A “ingratidão” de Putin faz com que o Censurado invente factos.

  10. Carlos Carapeto diz:

    Na Crimeia agora “canta outro galo” é assim.

    http://www.kerch.tv/default.aspx?VS=0&ID=3561

  11. Pingback: Entrevista a editor de site de Esquerda na Ucrânia. Questões sobre a “Contra-revolução” de Euro maindan. | cinco dias

  12. Pingback: Ucrânia, começou a GUERRA CIVIL | cinco dias

Os comentários estão fechados.