Philomena

Fui ver este filme, que recomendo vivamente. Sobre o “pecado” e duas instituições: a Igreja e a Comunicação Social. É também um filme sobre como é difícil mudar, mas ainda assim possível. Lembrei-me, sob a visão ainda durante o filme da angústia do fascismo cultural de parte destas instituições (e não falo da repressão mas da ausência de respeito pela privacidade, o indivíduo, a intimidade, o privado), deste poema de Chico Buarque: “Pelo amor de Deus/ Não vê que isso é pecado, desprezar quem lhe quer bem/…/ Ou será que o Deus/ que criou nosso desejo é tão cruel/ Mostra os vales onde jorra o leite e o mel/ e esses vales são de Deus”.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

2 respostas a Philomena

  1. Já que estamos em matéria de sugestões fílmicas, tb aconselho o “Lobo de Wall Street” que mostra com sublime mestria o funcionamento do capitalismo de HOJE. É igualmente baseado nos factos concretos da vida do personagem e evidencia claramente como são falaciosos alguns mitos a que a esquerda continua teimosamente agarrada. Já vai sendo tempo de acordarmos porque eles não dormem…não!!!
    ZM

  2. JgMenos diz:

    Será que a nada pode ser repudiado sem recorrer ao rótulo ‘fascismo’?
    O risco evidente é ocultar o que seja o fascismo e reduzi-lo a jargão de seita!

Os comentários estão fechados.