Bobone e os negócios de Famiglia

130125-PR-0042

A Associação Comercial de Lisboa (ACL) apela ao Governo para que minimize os impactos na economia portuguesa da greve dos estivadores, que começa esta segunda-feira e se prolonga para Fevereiro: “Lisboa vai deixar de ter um porto, deixar de ter interesse para todos os operadores e, provavelmente, vamos começar à procura de alternativas. E esses senhores que se estão a queixar de que o que têm é pouco vão ficar sem nada”, avisa o presidente da associação, Bruno Bobone. Segundo ele “esta greve demostra mais uma vez que os estivadores não estão preocupados com a situação dramática da economia portuguesa, não se importam de prejudicar um país que está a precisar de todo o apoio para resolver os seus problemas”.

Minimizar como? Acabando com o direito à greve? Vontade, está à vista, não lhes falta.

As ameaças com o encerramento do porto comercial, reincidentes, apenas porque ainda existem por ali uns estivadores que não aceitam voltar às condições miseráveis do início do século passado, não são aceitáveis e só são solução para quem olha para os trabalhadores sem o mínimo de respeito. Como aqui afirmei, por quem quer que a estiva, à imagem de todos os outros sectores do trabalho, passe a ser regulada pelos fanáticos da precariedade.

É espantoso que este comissionista-intermediário venha afirmar que aquele que já foi o maior porto comercial do mundo, por enquanto ainda com condições excelentes para desenvolver ou ampliar a sua actividade, deixe de ter interesse porque os senhores dos portos não conseguem impor em Lisboa a sua agenda neoliberal, ao contrário do que já conseguiram noutros portos com estivadores ainda mais escravizados. Portos com os quais os operadores jogam nos desvios de cargas, no seu interesse económico, mesmo que contra o tão propalado interesse da economia nacional, já nada os detém na hora de desviar as cargas que abastecem o país e os contentores que daqui levariam as milagrosas exportações.

Bruno Bobone pede ao governo que anualmente faça uma actualização da lei do trabalho portuário a caminho da liberalização para os capatazes atingirem o seu oásis, a jorrar euros à custa do sangue de trabalho escravo.

A ACL deveria sim apelar às empresas de estiva para que parassem com este terrorismo laboral de introduzir fura-greves mal preparados e pagos a preço de saldo no circuito operacional da movimentação de cargas. Só que Bobone está ao lado do modelo laboral neoliberal e é um dos arquitectos de mais esta tentativa de transformação dos trabalhadores em matéria descartável.

Mas Bobone, sendo ao mesmo tempo Presidente da Associação que deveria defender as empresas comerciais de Lisboa e Presidente dos Agentes de Navegação as quais sangra com as comissões que lhes cobra pela “factura portuária”, interessa-lhe muito mais esta sua última faceta, deixando sempre para depois a defesa do interesse nacional. O seu relacionamento íntimo com as empresas de estiva leva-o a apoiar um modelo esclavagista de estivadores com que sempre tanto lucrou e cujos métodos terá aprendido da sua família que há séculos vive na opulência às custas desse trabalho escravo que o porto extraia e que estão habituados a ter ao serviço, exclusivo, do crescimento das suas fortunas. Curiosamente, ou talvez não, também há séculos que a mesma família está à frente desta Associação Comercial da capital do País.

Como disse na mesma reportagem onde Bobone explanou a sua agenda, “foram ilicitamente despedidos 47 estivadores – 18 em Janeiro de 2013 e mais 29 em Junho – e neste momento o que existe é uma empresa de trabalho portuário que penso que terá uma dúzia de trabalhadores a quem terá alegadamente dado alguma formação. Mas nem sequer estarão preparados para trabalhar no porto, como já demonstraram em algumas situações que se passaram nos últimos dias. A questão é que não aceitamos trabalhar nessas condições de falta de segurança com pessoas ao nosso lado que não sabem o que estão a fazer”.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.