Como e para quem produzimos ciência?

Miguel Seabra (presidente da FCT), António Coutinho (ex director do IGC), Raquel Varela (IHC e IISH) e Edgar Gomes (IMM) em debate no Expresso da meia-noite.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

2 respostas a Como e para quem produzimos ciência?

  1. JgMenos diz:

    Ao tom cordato se deverá ter ‘passado’ tanto desacerto com o consenso dominante no painel.
    O nós -o público – o eles – o privado – evoca o tempo em que o Estado fazia moeda do seu ouro.
    Eufemismo é chamar investigação ao trabalho de quem não se proponha fazer algo que mereça ser um objectivo científico relevante.
    A ‘poda’ só pode ser eufemismo para quem não sabe o que isso seja: cortam-se ramos envelhecidos ou pouco vigorosos para dar lugar a outos que dêem mais frutos. Nada mais oposto à noção de emprego e carreira. E assim deve ser a bem da ciência.
    Numa coisa concordo consigo, a doccência parece uma boa solução de carreira para investigadores que não conseguem manter-se nessa actividade. Não teria dúvidas em considerá-los como possuidores de uma mais-valia.

  2. Nuno Sepúlveda diz:

    António Coutinho e o seu factotum Miguel Seabra são os grandes destruidores, acérrimos, da ciência Portuguesa, com políticas irrealistas, unanimemente criticadas em portugal e no estrangeiro.( incluisve na agora sacrossanta alemanha). Não se criam ciencia, tal como uma sociedade, uma civilizaçao, apenas com estrelas. E elas alimentam-se de quê. salvem-nos destes individuos sinistros, enquanto é tempo.
    Nuno Sepúlveda , Profssro Catedrático

Os comentários estão fechados.