Um prémio que não é curriculum. É cadastro.

Há pouco anos lembro-me de um ridículo “concurso” em que o prémio era um estágio não remunerado no atelier de arquitectura de um dos membros do júri. Agora é a SIKA, com a ajuda do P3, que publicita um vergonhoso “prémio“. Diz a notícia do P3 que o concurso aceita propostas de engenheiros civis e arquitectos recém-formados – só mesmo uma empresa pouco esclarecida é que não consegue perceber que são ofícios distintos ainda que complementares – para projecto de reabilitação de uma IPSS de apoio a menores.
Diz a notícia que, segundo o director de marketing da SIKA Portugal, o objectivo deste concurso é “promover o potencial destes finalistas e recém-formados, conferindo-lhes a oportunidade de melhorarem as suas competências, bem como de se familiarizarem com a actividade profissional e, assim, complementarem a sua formação”.
À SIKA Portugal já não bastava ter um dos piores serviços de apoio técnico a projectistas com que tive de lidar na minha vida profissional, como agora também demonstra toda uma escatológica chico-espertice institucional ao tentar-se aproveitar da miséria alheia.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

18 respostas a Um prémio que não é curriculum. É cadastro.

  1. De diz:

    Escatológico.
    A palavra certa para designar o lodaçal em que vivemos.E aonde não tarda vão aparecer alguns vómitos a fazer do seu vomitado a defesa de tal estado de coisas.

  2. M. diz:

    Eu mantenho a televisão fechada há meses. Nem quero ver o nível «moral» dos «vomitados»!!! Não gosto muito da moralização: tive a suficiente.
    Isto porque, quando interna, fiz imensas Vias Sacras vestida de preto e parando nas Estações. Costumava-me confessar ao Padre Gregório no Colégio de Sta Doroteia (Calvanas). Em Londres frequentávamos a Farm Street Church (Jesuítas) em Mayfair e fartei-me de fazer Vias Sacras.

    As minhas «crenças» presentemente são diferentes.

    Sempre mantive um respeito pelas pessoas que têm as suas crenças e descrenças seja no que for.

    Espero bem que não venham invocar argumentos de natureza «moral» e «ético» para justificar a «quantidade e qualidade» do «vomitado» no «Confessionário» …

    É que conheço muito bem quais são as «exigências morais e éticas».

  3. JgMenos diz:

    Trabalho com direitos!
    Senhas para acesso a emprego por ordem de formatura!
    Café e bolos duas vezes ao dia!

    • De diz:

      As lagrimas amargas de Menos estão guardadas para os colegas governamentais.
      E,como é obvio, para os donos de Portugal.

      O resto?
      É este babar contínuo feito de insultos a quem trabalha agora sob a forma de café e de bolinhos.
      Está do lado da acumulação do capital em meia-dúzia de mãos.E faz o seu “metier” ao serviço dos crápulas da banca e do capital

    • De diz:

      (percebe-se que Menos perante trabalho com direitos perca a cabeça!
      gosta da escravatura…não gosta nem da cultura nem da universidade.Sai ao seu admirado salazar

      percebe-se que Menos, quando à vontade e noutros blogs pelos quais se passeia e em que se assume mais facilmente, faça afirmações do género::
      “Canalhada subsidiada e malcriada a pedir umas porradas para saberem comportar-se com civilidade – lado retribuição justa!”

      Palavras mais para quê? Como predicto, o vomitado teria que vir.É o seu métier.

      • JgMenos diz:

        Alguma originalidade evitada este entediante responso …

      • JgMenos diz:

        Eis uma exacta citação em que não se diz ser a propósito de assunto bem diverso.
        É o propósito habitual em DE, que sempre falha argumentos e colecciona insultos e calúnias.

        • De diz:

          Citações ipsis verbis.
          Pode assim Menos escoicear à vontade.O proósito de torcionário está aí bem patente.
          E tal é de tal forma indesmentível que…

          • JgMenos diz:

            Felicito pela inovação,’ torcionário’ é uma estreia!

          • De diz:

            Olhe que não,olhe que não.Anda muito distraído

            Entretanto
            Torcionário:
            adj. Que serve para a tortura: aparelho torcionário.
            S.m. Juiz que ordenava e verdugo que aplicava a tortura.
            Fig. Pessoa que atormenta alguém. (Sin.: algoz, carrasco, verdugo.)

          • De diz:

            Detenho-me sobretudo na definição de torcionário como “juíz que ordenava o verdugo”

            E neste outro excerto lapidar de Menos:
            “Se tivesses alombado com um G3 em África saberias que agentes da PIDE prestaram grandes serviços à Pátria – se é que sabes o que isso seja!”

            Mais o estilo de mandante

          • JgMenos diz:

            Facto irrefutável!
            Muito marxista no sentido real politik.

          • De diz:

            Menos ou os muitos serviços prestados às troikas.
            É uma chatice mas há mais.Aqui há uns tenpos num dos grupos filo-fascistas da praça, Menos lastimava-se que a direira e a “dita social-democracia” (palavras de Menos)tenha preferido diabolizar o regime anterior )palavras de Menos) em vez de se atirar contra os comunas.
            É esta coisa que anda por aqui e por mais uma mão cheia de blogs.Adivinhe-se porquê

          • De diz:

            ( e sobre o seu elogio aos canalhas dos pides…nada.
            O rabiinho entre as pernas? Não.Apenas o tentar esconder o que de facto é.Tem mais impacto e será mais eficaz a sua propaganda se não se mostrar duma forma tão abertamente “torcionária”)

    • Carlos Carapeto diz:

      Uma noticia destas transmitida por a EuroNews com tanto clamor é de ficar com um pé atrás. Será que não tem água no bico ?

      Mao ensinou que “Devemos apoiar tudo o que o inimigo combate, e combater tudo o que o inimigo apoia”.

      Ora a EuroNews é um orgão de propaganda da burguesia, como tal inimiga declarada da minha classe.

  4. Zuruspa diz:

    “Sika” em finlandês quer dizer “porco”. Näo é apenas coincidência…

    (as minhas desculpas aos pobres suínos)

Os comentários estão fechados.