Dia 18, Professores e Estaleiros. Duas lutas contra a barbárie.

1467376_486529981463483_1522499030_n

Boicote e Cerco à prova. Argumentos para a luta  aqui e aqui.

544894_486466904803124_894156958_n

Depois da manifestação de dia 13 em Viana, a luta desce até Lisboa.

Duas lutas sectoriais, mas que são por todos nós. Em defesa do bem público, contra a privatização de sectores essenciais, contra as negociatas para engordar os amigos, contra o “downgrade” das condições de trabalho… Contra a barbárie para onde este governo e seus lacaios nos está a conduzir.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

25 respostas a Dia 18, Professores e Estaleiros. Duas lutas contra a barbárie.

  1. FilipeBS diz:

    Há 20 anos ou mais que os EVNC dão prejuízo. Vocês acham mesmo que o contribuinte tem de continuar a sustentar mas esse buraco negro? E já agora, pode explicar porque é que os ENVC são um sector essencial, como se sugere no post? Obrigado

    • Francisco diz:

      Filipe BS? Filipe BullShit é o que deve ser. Um dos agentes das empresas ligadas ao Relvas para manipular os Foruns, redes sociais e blogs.
      A indústria Naval é estratégica para um país com a costa e local estratégico que portugal ocupa. O regime fala do “mar” e da economia do “mar”. mas é só propaganda! A construção naval é uma indústria pesada e estratégica, sobretudo num país como o nosso que podía e devia aproveitar muito melhor a sua posição. Quanto a dar prejuízo, é o que dá a gestão danosa promovida promovida por sucessivas ferências com a benção do bloco central.
      O que aqui está em causa é degradar as condições e organização dos trabalhadores e fazer um negócio pós amigos da martifer.

      • Carlos BTT diz:

        Concordo com o que escreveu, Francisco! Eu defendo um “movimento de cidadania” que se manifeste contra o que estão a fazer ao nosso país! Os estaleiros dão prejuízo, porque alguém geriu mal o dinheiro da empresa. Onde estão os responsáveis por esta situação? O que lhes vai acontecer? Se calhar, o Filipe não se preocupa com estes pormenores! Todos os portugueses (professores, polícias, médicos, enfermeiros, militares, etc…) deveriam demonstrar a sua insatisfação perante estes criminosos que (des)governam Portugal! Todos juntos! O “bem” de um polícia, é o meu bem enquanto cidadão. O “bem” dos nossos professores são o bem dos nossos filhos.

      • FilipeBS diz:

        sou apenas agente de mim próprio, penso e falo pela minha cabeça, e não represento nada nem ninguém além de mim próprio.
        Estamos de acordo que se a empresa dá prejuízo, isso não é culpa dos trabalhadores. Mas o dar prejuízo por tantos anos deve, no mínimo, dizer-nos alguma coisa sobre a competência do estado (independentemente de que partido o controla) de gerir actividades económicas.

        • Francisco diz:

          Falso Bullshit, estás objectivamente a ser porta voz da máfia que quer tomar conta dos estaleiros. E o que isto demonstra é que os governos do bloco central são uma máfia que faz sabotagem sobre a economia nacional. Há inúmeros casos de empresas públicas geridas pelo estado que dão lucro… como a EDP que é detida pelo Estado Chinês, os CTT até há pouco, o exemplo do nosso sistema integrado bancário e de atm (considerado dos melhores do mundo, a própria Via Verde desenvolveu-se à pala disto) que só existe porque a banca foi nacionalizada e era controlada centralmente… Aliás são incontáveis os casos e exemplos de como só o estado pode e deve gerir determinadas empresas. Só um agente de propaganda ao serviço desta máfia que nos governa ou um ignorante não percebem isso.

    • Carlos Carapeto diz:

      Senhor Filipe.

      Se haviam prejuizos não eram da responsabilidade dos trabalhadores.
      Ou não sabe distinguir entre executivo e administrativo? Portanto deve atribuir essa responsabilidade às várias administrações nomeadas por os governos.

      Depois existe outra situação que nos deve preocupar tanto como aquela do valor estratégico da industrial naval.
      É a qualificação dos trabalhadores, não julgue que um bom profissional se prepara em 5 ou 6 anos, em determinadas áreas são preciso 15 e mais anos para se “fazer” um bom profissional .

      É uma mais valia que se perde e com os anos vai custar muito caro ao país.

      Como essa “garotada” que nos governa não sabem fazer nada para eles é tudo igual a litro.

      • Nuno Cardoso da Silva diz:

        Já vi muitas vezes os trbalhadores exigirem – e bem – a melhoria das suas condições salariais e de trabalho. Não é frequente vê-los a exigir – como deviam – a melhoria da qualidade técnica e administrativa dos administradores das empresas. Se o fizessem e estivessem dispostos a fazer greve até o conseguirem, talvez a nossa economia funcionasse melhor e houvesse menos desemprego.

        • Carlos Carapeto diz:

          Não podia cá faltar o desmancha prazeres.

          Culpe também os trabalhadores por o sol nascer sempre do mesmo lado.

          Quantas vezes já fez greve ou incentivou os profissionais da sua área laboral para exigirem o que está a propor aos outros?

          Dar ao badalo é fácil.

      • anonimo diz:

        “Se haviam prejuizos não eram da responsabilidade dos trabalhadores.”
        Eu diria que em 99,9% a responsabilidade dos prejuízos nas empresas não é responsabilidade dos trabalhadores: pode ser, por exemplo, falta de procura pelos produtos que produzem. E no entanto, havendo prejuízos continuados, elas vão à falência e os trabalhadores para o desemprego. O que sugere ? Proibir as falências?

        • Francisco diz:

          “falta de procura pelos produtos que produzem”??? Ainda ontem entregaram um navio à Marinha, têm encomendas da Venezuela que não são postas em marcha por pura sabotagem (a máfia está a transferir essa procura para a martifer), temos o caso da novela mal explicada do barco para os Açores, das contrapartidas não cumpridas do negócio turvo dos submarinos… Há procura, o problema é a máfia que está interessada em destruir os estaleiros, derrotar um bastião da classe operária e entregar o negócio aos amigos.

          • anonimo diz:

            Consegue dar-me algum exemplo de uma encomenda que não seja de natureza política (amigo Hugo Chavez, Estado português, Governo Regional dos Açores)? Algum exemplo de uma encomenda que tivesse origem num privado (armador, …) sem qualquer negociata política por trás?

          • Francisco diz:

            Voçê não percebe nada deste negócio… Há sectores de actividade que vivem mesmo de encomendas de estado, como por exemplo a indústria de armamento. É da natureza dessa indústria. Por exemplo, a Boeing Americana só subsiste devido às encomendas das forças armadas norte americanas. Não conheço a carteira toda dos Estaleiros, mas negócios desta dimensão, aqui ou na Coreia do Sul, são sempre fortemente influenciados pela decisão pública estatal… seja através da intervenção directa, regulação, encomendas ou outra forma

        • Carlos Carapeto diz:

          É mesmo embirrante. Mas quais prejuizos?

          Se há falta de procura dos produtos, a primeira coisa a fazer é analisar as causas?

          Mas essa tarefa não pertence aos trabalhadores, a função dos trabalhador é executarem as ordens que recebem. Colocam-lhes papeis na mão e eles transformam-nos em objetos.

          Os estaleiros de Viana não têm tido esse problema. Não faltam encomendas e constroem produtos de alta tecnologia, que conseguem competir com outros construtores a nivel mundial .

          O problema é outro. O que está na mira desta gente é abocanhar tudo o que cheire a lucro.

          “Algum exemplo de uma encomenda que tivesse origem num privado (armador, …) sem qualquer negociata política por trás?”

          Continua a embirrar com os trabalhadores!

          Se Paulo Portas e os outros que o antecederam quando vão ao estrangeiro promover empresas privadas, e vender ao desbarato o património do Estado tivessem um pouco de brio em vender também aquilo que as empresas publicas produzem, de certeza que a situação era outra.

          Ponham os olhos na Bielorrussia, aqui dentro desta Europa a agonizar economicamente, já com milhões de famintos a vaguear nas ruas.

          É uma bofetada na cara daqueles que têm asco ao controlo do Estado sobre os meios de produção.

  2. anonimo diz:

    Sugestão para viabilizar os ENVC (inspirado numa resposta de Francisco):
    Investir fortemente na indústria de defesa nacional (garantindo que as encomendas são feitas aos estaleiros, naturalmente).
    Ou então, convencer governos “amigos” (como Angola) a investir fortemente na indústria de defesa nacional (garantindo que as encomendas são feitas aos estaleiros, naturalmente).
    Depois criticar a opção de investir em armamento em detrimento da educação, saúde, …

    • Francisco diz:

      Ou então, convencer governos “amigos” (como Angola) a investir fortemente na indústria de defesa nacional (garantindo que as encomendas são feitas aos estaleiros, naturalmente).

      Parece-me bem. O resto são falácias de provocador

      • anonimo diz:

        Nunca pensei que o complexo industrial-americano (ou de qualquer outro país), alimentado por guerras por todo o mundo e que desvia recursos do que é realmente importante (educação, saúde, …), servisse de exemplo para a criação de emprego. Pelo menos não aqui no 5Dias. E isto não é uma falácia de provocador, é uma constatação que o devia fazer reflectir.

        • Francisco diz:

          Para sua informação o primeiro maior empregador mundial é são as forças armadas Chinesas e o segundo são as forças armadas dos EUA. Isto é um facto, não uma opinião. De resto não dei o “complexo militar Norte americano” como exemplo de fonte de emprego. Só má fé e a total desonestidade intelectual de agentes de propaganda ao serviço da máfia Aguiar-Martifer poderiam recorrer a métodos tão rasteiros. Depois ainda tem o desplante de vir falar da saúde e educação, quando quem a está a destruir e desmantelar é exactamente a máfia que este agente provocador defende.
          Uma das funções dos estaleiros de viana é e deve ser equipar a marinha portuguesa, cientifica, de pescas, de recreio, de mercadorias e sim a militar ou de defesa costeira também. Se para além disso conseguir contractos para fornecer navios patrulha e outros a nações amigas, tanto melhor. Daquí voçê concluir que eu estou a defender o complexo militar dos EUA vai um passo falacioso, hipócrita e desonesto. Típico de um agente a soldo deste governo de inimigos do povo e traidores à pátria.

          • anonimo diz:

            Citação do seu comentário:
            “Voçê não percebe nada deste negócio… Há sectores de actividade que vivem mesmo de encomendas de estado, como por exemplo a indústria de armamento. É da natureza dessa indústria. Por exemplo, a Boeing Americana só subsiste devido às encomendas das forças armadas norte americanas.”
            Não fui eu que introduzi o tema:
            – indústria de armamento
            – forças armadas norte americanas

          • Francisco diz:

            E???? Isso é defender o complexo militar??? Isso é constatar um facto. E essa citação está completamente descontextualizada, era uma resposta à afirmação “que o estado não sabe gerir”. Dei o exemplo de que o estado é fundamental para várias empresas e que nos “liberais” EUA várias grandes empresas privadas só vivem à custa de subsídios do estado dadas na forma de encomendas militares. Voçê transfere citações de uma outra discussão de forma descontextualizada para esta discussão e depois tira conclusões das minhas afirmações que eu não fiz.
            É um método típico de agente provocador e lacaio destas máfias que só está interessado em descredibilizar e deitar abaixo os outros, não em ter uma discussão honesta.
            Mas é bom para que a malta fique a conhecer os métodos, inclusivé argumentativos, desta escumalha.

          • Carlos Carapeto diz:

            “Para sua informação o primeiro maior empregador mundial é são as forças armadas Chinesas e o segundo são as forças armadas dos EUA.”

            Refere-se a elementos fardados, ou a abrangencia total de pessoas ao serviço?

            Mais de oitocentas bases espalhadas por o mundo, empregam muita genta.

            E já agora. Sabe dizer qual é o valor ( em %) da industria bélica no PIB dos EUA ?

            Obrigado.

          • Francisco diz:

            Por acaso não, mas estou certo que se fizeres uma pesquisa no google deves encontrar qualquer coisa… É que aquilo mexe com muita indústria, educação, serviços, etc…
            E é impressionante, o Department of Defense dos EUA emprega mais gente que o exército chinês!!!!
            http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_largest_employers

  3. Carlos Carapeto diz:

    Sobre os prejuizos dos ENVC já se conhece parte da sua proveniência.

    Têm origem nas negociatas escandalosas da administração com conhecimento explicito do governo.
    Porque comprar chapa nova tratá-la para depois a vender como “sucata” a empresas concorrentes do mesmo ramo “Martifer” não há empresa publica que resista.

    Além dos milhões de € gastos em equipamentos que se encontram amontoados a apodrecer parte deles ao ar livre.

    Ou gastar milhares de € do Estado em infraestruturas para servir a empresa que vai tomar conta dos Estaleiros..

    Isto é ainda a ponta do icebergue, falta saber o que se encontra escondido.

    É um crime que tem que ser denunciado publicamente, para levar os seus autores perante a justiça. Sejam quem for.

    Estamos aqui perante outra Siderurgia Nacional , onde o Estado “investiu” segundo estimativas cerca de 70 milhões de contos em equipamentos para a construção da 2 ª fase, acabaram por não fazer nada, as máquinas sem nunca terem sido desencaixotadas foram vendiadas para a sucata.

    As instalações existentes (antigas) foram vendidas aos Espanhois, que pouco tempo depois decidiram não processar mais minério de ferro ( têm mais que uma siderurgia em Espanha) .
    Deram ordem de parar o alto forno cheio de minério fundido, nem fizeram a descarga.
    O país ficou com um monte de sucata a servir de museu, que para o desmantelar ainda temos (temos nós) que pagar.

    Foi um crime economico cometido contra os interesses do nosso país. Há responsáveis por isso.

    Aparece aqui o “senhor” anonimo a esfacelar-se com argumentos esfarrapados a tentar culpar os trabalhadores dos ENVC por os prejuizos da empresa, na tentativa de ilibar os principais responsáveis da situação.

    Devia ter vergonha dos desvarios que escreve acusando os trabalhadores de uma situação em que nada contribuiram.

  4. Caxineiro diz:

    .é um fartar vilanagem

    “Os estaleiros de Viana do Castelo venderam aço certificado abaixo do valor de mercado, tendo o material ido parar à Martifer, que agora ganhou o concurso para a subconcessão da empresa naval [O aço] Tinha sido tratado, decapado, pintado pelo pessoal estaleiros e foi vendido quase como sucata. Muito desse aço foi parar a Aveiro para construir dois navios-hotéis para o Douro. E valia mais do que esse dinheiro», denuncia António Costa, da comissão de trabalhadores dos estaleiros”

    Vamos ver o que vai fazer a “justiça”

Os comentários estão fechados.