Dia 21 de Dezembro: mais que um cabaz

Image

Quando observo Paulo Portas a inaugurar a contagem decrescente para a saída de Troika num exercício de cinismo soberbo, não vislumbro senão o maquiavelismo da fórmula política para manter o poder. Com hipocrisia tenta mascarar o que todos sabemos: o ajustamento estrutural está a revelar-se um sucesso. A banca portuguesa foi resgatada, as dívidas do Estado a esta foram asseguradas, os salários desceram, a flexibilidade do despedimento impôs-se e a redução do IRC favorece apenas grandes empresas burocratizadas com tentáculos fora do país. Sim, o memorando é um sucesso para a burguesia deste país e virou a correlação de forças a seu favor. Não vale a pena argumentar sob a premissa de que cerca de 25% da população vive na pobreza, que a fome aumentou ou pura e simplesmente de que o número de desempregados escalou a números astronómicos desde a presença da Troika sem que a dívida pública ou o défice tenham revelado descidas nos documentos orçamentais. Não vale mesmo a pena; esses epifenómenos são considerados danos colaterais para a construção de um modelo de sociedade pós-troika à imagem dos credores.

Verificamos então que é uma questão de opções económicas, como assevera Soares do Santos. Queremos a sociedade do desemprego estrutural abundante e da exploração sob o pretexto da livre escolha? A continuação do capitalismo centralizado  que garante rendas do Estado a um pequeno número de grupos económicos? O país das privatizações, parcerias público-privadas e juros agiotas em troca das boas graças do FMI, Comissão Europeia, BCE e governo alemão e às custas do financiamento da educação, saúde e segurança social? O Soares dos Santos já escolheu. Quer um Portugal que possibilite o aumento de lucros em ano de austeridade à custa do baixo salário dos seus trabalhadores. Um Portugal onde o Dia do Trabalhador serve para atropelar conquistas e praticar dumping. Um território que pague a sua mudança de acções para a Holanda como escape à tributação. Não admira que elogie tanto o governo que personifica o “belo” capitalismo defendido pela face da Jerónimo Martins. Neste cenário idílico do grande capital, até a caridade é lucrativa e o Banco Alimentar serve como subsidiária.

Porém, resta-nos escolher o modelo de sociedade que nós queremos. Ficamo-nos pela condição de trabalhadores, lumpen e militantes do exército industrial de reserva ou fazemos uso dela para inverter a situação e começar uma transformação da realidade? O país dos quatro homens mais ricos de Portugal não é o nosso. No dia 21 de Dezembro, o pedido de cabazes é simbólico. O que é pedido pelo lado oprimido transcende a conjuntura. E não há censura que cale esta voz.

Cabazes de Natal Grátis para os Desempregados: 21 de Dezembro

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

28 respostas a Dia 21 de Dezembro: mais que um cabaz

  1. Pingback: Obrigado a todos pela solidariedade | Cabazes de Natal Grátis para Desempregados

  2. JgMenos diz:

    Nada como a conversa dos coitadinhos para tornar a política numa quermesse!
    Será o espírito de natal…

    • Frederico Aleixo diz:

      Se o JgMenos não viesse defender o Soares dos Santos, a dialéctica deste texto perderia parte da sua importância.

    • Coitadinhos é a pata que te pos oh nazi dum raio. Lá que tu gostes que comam o cérebro, isso é problema teu. O mundo é para todos, não é para alguns, e todos têm o direito de viver, e viver com dignidade, e já te disse se tens tanta saudade de Salazar e Hitler, mata-te mas faz isso duma vez, que metes nojo.

    • Carlos Carapeto diz:

      Coitadinhos? Isso é com a sua amiga Isabel Jonet!
      Ninguém armou mais tendas de quermesse que essa senhora.

      “Será o espírito de natal…”
      Não; é a alma de roubar quem trabalha e humilhar quem lhe é negado viver com dignidade.

  3. É mais do que certo que não precisavam da Troika pra nada para concretizar as políticas. A vinda da troika, é só uma questão de favorecimento nos negócios, para os tachos e outras porcarias.

  4. Por vezes passo aqui pelo 5Dias… e de todas as vezes fico surpreso com as semelhanças entre o discurso aqui expresso e o discurso dos psicopatas – preponderância de verbalizações de causa-efeito e de tudo se justificar como saliência de coisas muito primárias, exploração, fome, etc.

    • Frederico Aleixo diz:

      E não conhece aqueles que falam em «crescimento negativo», «empreendedorismo» e «consolidação das contas públicas»? Vai ver que prefere o 5dias.

    • De diz:

      Passa?
      Como quem passa na passerelle ou como quem passa numa fonte à procura de água para tentar purificar-se das asneiras com que um tal “barra de ferro” polui a blogosfera?

      Regra geral aprendi que os veros psicopatas gostam, de apelidar os outros de o serem,, num jogo de encenações em que procuram confundir o todo,as partes e as artes.
      Regra geral também redundam nisto.Espécie de “barras de ferro” (não, não é para rir, há tipos que não se enxergam mesmo, mais as suas pedantices caducas).Espécies primárias a tentar desencantar, no meio de mixórdias verbalizadas, um discurso que procure mostrar que a direita neoliberal é mais do que as botas cardadas e o braço levantado a prometer porrada sobre quem lhe ouse cortar os lucros ou dizer não
      Sobram estas barras de ferro ( em inglês dava mais pica,não?) que afinal revelam que a tal direita neoliberal mais não é do que isso mesmo.Mas também profundamente canhestra, inculta e pedante, que se ergue logo quando um dos seus emblemas é posto em cheque.
      Neste caso foi o Soares dos Santos.Consta que Barreto é pago para fazer o trabalho que o Olimpo faz duma forma tão mais primária.

      Mas confesso que gosto da “surpresa” patenteada pelo Olimpo.O tal jogo de encenações com que os hipócritas gostam de se pavonear.( mas talvez em inglês desse mais pica ao pobre do Olimpo,não?)

      Passando a coisas sérias ou seja a este post: na mouche quando é posto a nu esse exercíciio soberbo (é mesmo esse o qualificativo) de portas mais o seu relógio “decrescente”.Na mouche quando se sublinha o “êxito” da governação em exercício. Na mouche quando se desmonta com mestria um dos ídolos dos desperados deste país.Na mouche finalmente quando se reivindica a necessária transformação desta realidade a que nos querem atados e servis.

      • Frederico Aleixo diz:

        Remeto a minha resposta para esta. Só posso agradecer ao De. Enquanto houver este exemplo de discernimento e consciência nos comentários, posso achar que ainda somos muitos deste lado. E mesmo que não sejamos, bons somos decerto.

      • Caro De.
        Eu, tal como o Aleixo, também gostei muito da sua prosa. Articulada. Aliás há tempos vi umas imagens de um maluquinho que se preparava para saltar de uma ponte e ao ser interpelado pela polícia também era assim articulado e floreado… mas ia saltar da ponte!

        Idiota, permita que o trate assim: não sei se percebeu que a barra de ferro é referente à barra de ferro de Phineas Gage. Ou seja a barra de ferro que em 1848 lhe perfurou o cérebro mudando a sua personalidade e desde essa altura referência de como lesões em determinadas áreas de broadmann, no neocortex , alteram a visão das pessoas do mundo e os seus processos de decisão… não, não tinha percebido isso, pois não?

        Curiosamente já Haidt tinha descoberto que, de todos os grupos socioculturais, mesmo que envolva ultraconservadores que você descreve como os botas cardadas, dizia eu que único grupo que era incapaz de correctamente descrever as posições socioculturais de pessoas de outro grupo eram os de extrema esquerda. – Os únicos que eram incapazes de preencher um formulário como se pertencem a outro grupo eram os de extrema esquerda (very liberals) e são exactamente o mesmo grupo de pessoas que tanto alarido fazem junto, e através, de qualquer mecanismo de comunicação – No shit, Sherlock.

        Já agora, adorei a parte do teamwork. Costumo referir que sempre que discutimos com esquerdoides não demora muito a surgir o comportamento canídeo do ataque em matilha. Não demorou muito, pois não?

        Gostei. Obrigado aos dois.

        • Frederico Aleixo diz:

          Não é que o iluminado desceu do Olimpo para discutir com dois simples mortais? Isso quer dizer alguma coisa.

        • De diz:

          Um pedante é um pedante e continua a ser um pedante mesmo que se mascare de “maluquinho”, linguagem um pouco trôpega, que espelha bem os limites estreitos de um …pedante ígnaro.
          O mais do resto é esta pobreza confrangedora de ver o Olimpo, qual avis rara num palco, a declamar do alto da sua prosápia as suas justificações sobre o motivo pelas quais escolhe os seus autocolantes. Espécie de travesti que revela tanto do que é o Olimpo , sem nos termos que debruçar a analisar a pretensa cientificidade das “posções socioculturaiis” da tralha ideológica que acompanha Olimpo.

          Mas francamente será que Olimpo pensará que as suas atoardas requentadas justificam que se perca algum tempo a tentar dissecar o motivo pelo qual o sr Olimpo se mascara de ferro ou de Olimpo? Será que ele pensa que a sua porfiada actividade justifica que se derrame mais do que o tempo mínimamente higiénico que devemos dispensar a coisas destas?
          Deve estar mesmo a gozar 🙂

          O resto é este vazio bacoco de uma barra de ferro em busca do Olimpo, na forma tentada de “tentar” encontrar justificações morais para a sua posição de neoliberal com tintas de social-darwinismo requentado.Anda à procura de pretextos para. E reveste-os com as vestes operáticas próprias das encenações pimbas.Que para além do mais têm um outro defeito.Confirmam que o coitado não tem nehum amigo que lhe forneça um espelhozito para se poder enxergar mais claramente.O ridículo não mata mas ajuda a compreender alguns dos traços.

          Porque o “idiota” e a “matilha” e o “canídeo” com que apimenta a sua linguagem mostram também de forma exemplar que este exemplar é movido por aquilo que o faz mover: a matraca e o ódio.Embrulhados no inglês a que estes pedantes ressabiados não conseguem resistir. Dá-lhes mais pica. e pensam que mais status.E sentem-se em casa, na forma e no conteúdo…

          Mas se não devemos perder tempo com os sonhos peculiares e patéticos dos olimpos de ocasião, não podemos todavia permitir que estes “psicopatas” travestidos de acusadores, com veleidades pseudo-científicas próprias dos aldrabões de feira, assentem praça desta forma claramente impune.

          • hummm. Sim, tinha razão: Não é muito diferente do maluco que se preparava para saltar da ponte… Aliás, acho que você tem toda a razão. toda no mundo.

            Não há aqui nenhum esquerdoide com QI acima de 90 para dar um bocadinho de luta? nenhum?

          • De diz:

            Lol
            Percebe-se o incómodo.
            O Olimpo a voltar ao sitio onde depositou as suas provocações, naquela espécie de vertigem onanística um pouco enraivecida dos pedantes desmascarados.

            Chega a ser patética a invocação do QI acima dos 90 à boa maneira dos rúfias que tentam fazer passar as suas ideias à custa de gabarolices do género. A versão actualizada estilo governamental do que afasta os demais e grita com voz de falsete:
            “Quantos são ?»Quantos são?”

            Um bom exemplar duma fraude neoliberal em procura desesperada de algo que lhe permita esconder a subserviente genuflexão ao soares dos santos.
            O resto é gabarolice bacoca.Própria dum intelectual tipo relvas
            🙂

        • De diz:

          (quanto ao “esquerdóide”..
          tchtchtch…
          ajuda na queda da máscara do” barra de ferro” a caminho das matracas que são apanágio dos da sua igualha
          E sim, esses costumam andar em matilha. Como o provaram os camisas castanhas ideologicamente afins de coisas assim,)

        • Eu só espero que não seja enrabado muita vez, olhe que o buraco pode ficar grande.

  5. Dezperado diz:

    É pena os lindos textos nao encherem a barriga a ninguem, senão os desempregos podiam dispensar os cabazes de natal do pingo doce, bastava imprimir este post e servir na noite de consoada.

    O Banco alimentar é um embuste, porque apesar de ser distribuido por 400 mil familias necessitadas, é mau porque aumenta os lucros das grandes superficies….como se essas grandes superficies precisassem desta campanha para aumentar o volume de vendas.

  6. Ed diz:

    Quanto é que o 5dias recebe pelas ações de publicidade que faz ao Pingo Doce?

  7. Carlos Carapeto diz:

    As causas destas situações resultam do sistema que as cria.
    Por isso não basta apenas acusar quem serve e se serve do sistema, temos que orientar a luta no sentido de erradicar o sistema capitalista que se apoderou dos destinos não só da humanidade mas de todo o planeta.

  8. m. diz:

    Cabazes de Natal para Desempregados?… isto é uma conversa mórbida…

    Importa é «implodir» os bancos dos Santos e das Santidades (patrões e banqueiros)… à escala global … mas parece-me que há outras maneiras… Andam todos sem maneiras e muito Livres…

    Soares dos Santos e Barretos & Escumalhas compadres desejam Portugal no Euro e na UE.
    Boa central de negócios imperialista, globalista.

    Pois, agora percebo os BdPs, TdCs, CMVMs, PRs, PMs, BPNs, BANIFs, PPPs, SWAPs, etc. (em Portugal) e Parlamentos Europeus, Comissões Europeias, Bancos Centrais Europeus e Mundiais, FMI’s, OMC’s . uma cambada de aldrabões banqueiros profundamente corruptos nacionais e estrangeiros que se «transfiguram» e «aparecem e desaparecem» como políticos… dão mesmo jeito os ditos «Cabazes Europeus de Natal para Coveiros na Central de Negócios de Bruxelas» pagos com o assassinato de compatriotas portugueses (da carninha mais «pobre», preferencialmente, são mais «tenros» e mais «gostosos») e de sacrifícios tremendamente injustos e criminosos de outros povos: a ordem é para matar o pessoal e já sem «máscara».

    O dito Manifesto «Pela Dignidade, pela Democracia e pelo Desenvolvimento: Defender Portugal» é uma brincadeira de mau gosto???

    Estive a ler os nomes. Não têm os «ditos» para deixar de «enterrar e matar» compatriotas? Não vos chega?

    Que tal ter os «ditos» e apresentar um Manifesto: «Pela Dignidade, pela Democracia e pelo Desenvolvimento: Defender Portugal, sair de UE e do Euro»??? Tachos de Tavares e Daniéis Oliveiras, e muitos e muitas Silvas aparecem … a tentar que enfiemos os ditos Barretos…

    Bem, eu odeio esta «política»: «sujar» as mãos e serem assassinos em série; deviam estar na prisão, no mínimo, ou mortos.

    Verdadeiros «carniceiros»; parece-me que gostam de ingerir de «carne humana» vendida no Pingu DUCE. Costuma dar «paragens de digestão»… diz a História …que «transborda» …

    • m. diz:

      Este documentário passou no canal Odisseia com a «intenção» de «legalizar/branquear» estes lobbies «à la americana» ditos europeus, não tenho muitas dúvidas sobre isto. Desde quando é que o roubo foi legalizado? A indústria de armamento está a dar dinheiro, lucros, margens de lucro, mais-valias nas bolsas mundiais ou quê??? Ainda por cima os bancos portugueses que nós sabemos e recapitalizamos com dinheiros públicos, nosso, andam a jogar na bolsa e a ganhar dinheiro à conta da taxa de juro baixa do BCE (nós, e nós com cortes e mais cortes em tudo) e a quem nós pagamos acima de 6%. Mas que raça de gente é esta? São Pinochets ou quê?

      Têm de esvaziar os arsenais de armamento matando os povos do mundo??? Capitalistas selvagens é um «understatement», diria antes inorgânicos «serial killers». Ainda querem que acreditemos na UE e no Euro? Concorrem para lá… pois … pelos vistos dá lucros «proibidos» de ser redistribuídos …

      (1) OS NEGÓCIOS DE BRUXELAS

      Pode ainda ler:
      (2) O GOLPE DE ESTADO NEOLIBERAL EM PREPARAÇÃO ENTRE A UE E OS EUA
      http://foicebook.blogspot.pt/2013/12/o-golpe-de-estado-neoliberal-em.html

  9. m. diz:

    Deixo mais dois links sobre o Tratado de Comércio Livre EUA-UE/
    (Transatlantic Trade and Investment Partnership (TTIP) – OMC

    (1) O TRATADO DE COMÉRCIO LIVRE EUA-UE: A GRANDE GOLPADA
    http://paginaglobal.blogspot.pt/2013/12/o-tratado-de-comercio-livre-eua-ue.html

    (2) REGULATION – NONE OF OUR BUSINESS?
    http://corporateeurope.org/publications/regulation-none-our-business

    P.S. «This really gives me the creeps».

    • Carlos Carapeto diz:

      Obrigado M. tenho muito gsto em ler os seus comentários. Aprende-se sempre muito.

      Agradeço-lhe que sempre que tenha disponibilidade, não se esqueça de dar as suas brilhantes opiniões.

      Cumprimentos.

      • m. diz:

        Mas, afinal, eu é que aprendo muito com o Sr. Carlos Carapeto.

        Eu é que lhe agradeço.

        Muito obrigada.

        P.S. Eu, de brilhante não tenho nada, absolutamente nada …

Os comentários estão fechados.