À atenção de todos os que passaram o dia a tentar fazer passar a imagem de um certo líder da “resistência pacífica”. Não, nem todos são Mandela.

Dear revisionists, Mandela will never, ever be your minstrel. Over the next few days you will try so, so hard to make him something he was not, and you will fail. You will try to smooth him, to sandblast him, to take away his Malcolm X. You will try to hide his anger from view. Right now, you are anxiously pacing the corridors of your condos and country estates, looking for the right words, the right tributes, the right-wing tributes. You will say that Mandela was not about race. You will say that Mandela was not about politics. You will say that Mandela was about nothing but one love, you will try to reduce him to a lilting reggae tune. “Let’s get together, and feel alright.” Yes, you will do that.
(Aqui)

In the desire to celebrate Nelson Mandela’s life — an iconic figure who triumphed over South Africa’s brutal apartheid regime — it’s tempting to homogenize his views into something everyone can support. This is not, however, an accurate representation of the man.
(Aqui)

E por fim a declaração de um grande escroque Dick Cheney que serve para demonstrar a falta de verticalidade e coluna dos “nossos” cobardes.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

4 respostas a À atenção de todos os que passaram o dia a tentar fazer passar a imagem de um certo líder da “resistência pacífica”. Não, nem todos são Mandela.

  1. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Enquanto não fizerem do Mandela o entusiasta do marxismo-leninismo que ele NÃO era, não descansam. Agora que ele morreu e já não pode esclarecer as vigarices não vão parar até nos convencerem que ele era o Estaline africano, o profeta da violência que ele nunca foi, mesmo quando considerou converter a luta do povo africano numa luta armada…

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Nuno Cardoso da Silva, esqueceu-se de se fingir de esquerda no dia em que é preciso defender Cavaco.

    • Peço um esclarecimento: «onde é que se encontra a tese de que Mandela seria, ou alguma vez teria sido, “entusiasta do marxismo-leninismo»?…
      Há una anos atrás procurei por esse tipo de documentação (nesse sentido) e não consegui encontrar em parte alguma.
      Quanto à violência, tenho que esclarecer que Mandela, na altura da fundação da Youth League entrou em ruptura aberta e clara com a então anterior direcção (“reformista”) do ANC. E foi também ele que fundou – e foi o mais activo membro – do MK-Umkhonto we Sizwe. O «braço armado da nação»…
      Só para que conste.

  2. A propósito da morte de Mandela, um congressista republicano de seu nome Rick Santorum compara a luta de Mandela com a luta deles (dos republicanos) «contra o “Obamacare”»…
    O despudor de algumas destas pessoas é de fazer corar de vergonha qualquer prostituta/o empedernida/o…

Os comentários estão fechados.