A construir becos sem saída

As organizações de trabalhadores historicamente em Portugal, salvo raras excepções, expressam um desejo permanente de dar aos outros aquilo que eles não têm coragem para fazer, descobrindo um dia que nada por eles, por isso, será feito. Em 1910 foram os republicanos burgueses, no Estado Novo os «burgueses honrados e progressistas», no 25 de Abril o MFA e hoje o Tribunal Constitucional. Para quando um programa (zinho) de independência de classe, assente nas organizações de trabalhadores, com métodos de trabalhadores?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

6 respostas a A construir becos sem saída

  1. artur almeida diz:

    Abre os Olhos e Vê.

  2. É uma experiência ou já foi experimentado? Podemos saber os resultados? É que as organizações de trabalhadores na Reforma Agrária e nas nacionalizações deixaram o país de pantanas.

  3. José António Vieira Sousa diz:

    Excelente opinião Raquel.

  4. Vasco diz:

    Disse o Jerónimo, numa sessão pública do PCP em Almada, que os trabalhadores e o povo não podem ficar à espera do TC, devem eles mesmos lutar em defesa das conquistas inscritas na CRP. E disse mais, disse que as próprias decisões do TC são indissociáveis da luta popular.

  5. Vanessa diz:

    Que mais nos irá revelar o Wikileaks….

    Alvaro Cunhal em 11 de Junho de 1974, em conversa telefónica com o então embaixador americano em Lisboa Nash Scott, afirma, que o inimigo fundamental era a ” estrema-esquerda” entre outros mimos.

    A historia do chamado PREC ainda nos vai trazer muitas surpresas

    • artur almeida diz:

      Já havia escutas??? Bom Tudo é possível
      Mas a questão não é “própriamente” a extrem-esquerda, mas quem dentro da extrema-esquerda se aproveitava para fazer extrema-.direita. Olhe alguns são Ministros, outros já foram, outros estão na CEE, e outros saidos do infantário do PSD, nada sabendo da Prática, vão tecendo comentários muito “esclarecedores”

Os comentários estão fechados.