Semana rubra no 5dias

2ª Feira: Cunhal, delator | “(…) Na noite fascista, abraçou convictamente a delação (…)”
3ª Feira: Cunhal, contra-revolucionário | “(…) Se o Senhor virou as costas à revolução, faz sentido que virem também as costas ao debate (…)”
4ª Feira: Cunhal, reformista contra-revolucionário | “Álvaro Cunhal, como aqui escrevi e como a Raquel concretiza com mais rigor, foi, na perspectiva de uma mão cheia de gente à esquerda do PCP, um reformista contra-revolucionário”
5ª Feira: Cunhal, traidor da pátria | “em breve se relacionará com os diplomatas norte-americanos colocados em Lisboa”

Falta a acusação de 
6ª Feira, e sugiro Cunhal salazarista, qualquer coisa com este teor (copiado mas sem link por não querer dar destaque a fóruns fascistas):
“Os comunistas também insistem em acusar Salazar da morte de Humberto Delgado, acontece que Salazar não tem culpa nenhuma nem teve conhecimento da intenções da PIDE uma vez que actuaram por conta própria e isso está mais do que provado tal como está mais do que provado que se Álvaro Cunhal fugiu da prisão a Salazar o deveu, mas isso é outro assunto que irei explicar mais á frente.”
Mas para o dia de hoje, Domingo, só pode mesmo ser qualquer coisa sobre Cunhal comer criancinhas ao pequeno almoço*.

* Lá está este estalinista a tentar condicionar o debate e a limitar a criatividade da extrema que mais odeia…

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias com as etiquetas . ligação permanente.

14 respostas a Semana rubra no 5dias

  1. José Luís Moreira dos Santos diz:

    De quem se fez ouvir, independentemente daquilo que cada um ouviu, havemos sempre de nos lembrar,se possível, sempre criticamente; de quem nunca se fez ouvir, mesmo que raras fossem suas qualidades, os dos seus méritos, soar-nos-ão, em certas ocasiões, alguns múrmuros. Cada um deve apagar a sua sede como pense melhor! Mas que ninguém perca tempo a definhar diante da sua curta memória.
    José Luís Moreira dos Santos

  2. JgMenos diz:

    Tirar Cunhal do altar do 25A equivale a chingar a NªSª de Fátima!
    Os devotos estão em estado de suprema intolerância!
    Oremos!

    • Nuno Rodrigues diz:

      Eu acho piada, porque quem não tolera criticas (como diz neste post), são os que profeçam o TIRANÓIDE! Vocês sim, parecem uma igrejinha.

      É o chamado teve 10 anos na prisa, mas um gajo esquece isso. Em verdade, para quê ser objectivo?

  3. Paco diz:

    Tenho seguido com alguma atenção o que se passa neste blogue. De início pensei que era uma coisa séria, adulta, civilizada. Pensei que os seus membros mais ativos em termos de escrita eram gente de esquerda, já amdura, que tivesse aprendido alguma coisa com o tempo e com a História. Enganei-me. Afinal, salvo raras excepções são bons exemplos tanto da esquerda infantile como da esquerda dogmática. Continuem que vão pelo bom caminho. Entretanto a direita pula e avança. !!!! E o POVO SOFRE.

    • João. diz:

      O seu problema é confundir a blogosfera com o trabalho político – de um partido como o PCP. A vida não está na blogosfera.

    • Victor Nogueira diz:

      Por uma questão de “justiça” e de equidade pluralista deveriam ser referidos «comentadores da “direita”, uns “mole” e outras da “pura e dura”», apesar dos pézinhos de lã de alguma LOL

      Quanto ao que pula e avança, segundo Gedeão, é o sonho, que esperemos nãoacabe em pesadelo para a maioria, sete dias em sete !

  4. JgMenos diz:

    Porque não invocam os defensores de Cunhal o seu mais sentido discurso?
    «Álvaro Cunhal em entrevista a Oriana Fallaci durante o PREC: «Nós, os comunistas, não aceitamos o jogo das eleições (…) Se pensa que o …»

    • Argala diz:

      Porque Cunhal desmentiu o conteúdo da entrevista, e porque ela reflecte uma ideia que é falsa. Cunhal aceitou o jogo das eleições, e portanto aceitou que perdeu, fez a escolha de não avançar e limpou os partidos que lhe podiam fazer sombra.
      Aceitar ou não o jogo das eleições burguesas é precisamente parte do que aqui estamos a discutir.

      • Victor Nogueira diz:

        Bem, essa é uma conclusão que não respeita o qed (quod erat demonstratum). Aceitar (ou não) intervir nos órgãos da burguesia, no caso o Parlamento (ou noutro tempo, nos sindicatos fascistas) pode ser um objectivo táctico ou estratégico.- Para a social democracia,as eleições esgotam-se no fechar das urnas com vista ao Parlamento. Não como objectivo táctico, mas estratégico.

        Uma das “acusações” feitas a Cunhal e ao PCP era oporem-se à realização de eleições no quadro que se vivia em 1974/1977 – com Spínola, parte do MFA e o PS_PPD a reclamarem-nas de imediato, enquanto no Norte de Portugal a extrema direita bombista aliada a cónegos Melos e com a conivência de Soares & Carneiro organizava manifestações contra o 25 de Abril e o que chamavam a comuna de Lisboa e Setúbal e o que chamavam os “roubos” na zona de intervenção da Reforma Agrária.

        Por essa altura tb o PS de Soares Alegre organizava em Lisboa enormes manifestações em defesa do que diziam ser o “Socialismo em Liberdade”, que desembocou no actual Estado súcial do súcialismo em liberdade do ps-psd-cds troika.

        E Mário Soares em alentada entrevista em 3 volumes concedida a Maria João Avillez esclarece que em 1976 defendia o socialismo pk de outro modo não teria … votos nem a expressiva maioria obtida) (Maria João Avilez – Soares, Ditadura e Revolução – Ed. Público 1996 pags 443/445). Para a opinião sobre o socialismo, encontra-se noutra parte.

        Aliás, as verborreias de Soares por escrito nas suas alentadas entrevistas ou memórias escritas são elucidativas e bem esclarecedoras, mesmo descontado a efabulação narcisista e egocêntrica.Num desses livros até lá em bem e claramente explicadinho pk Soares não permitiu que Raúl Rego fosse o 1º Ministro do I Governo Provisórios, escolhido por Spínola, e que o República era – mal comparado e nas minhas palavras – o “Avante” do Partido Socialista ou de como se serviu dos resultados eleitorais para inverer o curso do movimento social.. (id., id. – 327/328 e 437/445)

  5. Pingback: Das liberdades | cinco dias

  6. Gostaria de ver nesta movimentação do 5dias uma espécie de crise técnica com consequências políticas que se resolvesse pelo fim da censura imposta aos comentários que só se aplica aos leitores e que os coloca assim numa posição de desigualdade participativa.

  7. vasco paiva diz:

    isto anda por aqui muito primarismo, sobram os palavrões, faltam os argumentos…
    De repente pensei que estivesse a ler as coisas de legionários antes do 25 de Abril e/ou dos fascistas a levantar cabelo no pós 25 de abril…. porra! vão-se f….

  8. Tima diz:

    Ena, ena! Temos sempre fins de semana quase às moscas e hoje está um domingo animado.
    PPP´S, “swaps”, corte nos salários da função pública e do privado, monumental corte nas pensões de reforma, subvenções a políticos, rendas às empresas semi-momopolistas energéticas, IRS pornográfico… Qual destes temas faz vibrar tanto o 5 dias a um dominical dia a ponto de estar com uma inédita quantidade de postas e comentários?
    A eterna luta da “pureza cristalina” sempre em voga da “minha esquerda é melhor que a tua” e a direita que desgoverne à vontade porque aos renatos desta vida o que dá te(n)são é fornicar todos os que à esquerda pensem diferentemente deles. E o mais giro é que numa de mostrar quem tem a estrovenga maior fazem assaltos à língua portuguesa num vocabulário que se quer muito fechado e “erudito”. Nunca um dicionário terá sido tão usado. Nunca uma discussão foi tão inútil. Eu acho uma delícia finalmente os estalinistas, marxistas e leninistas cá do burgo sentirem na pele a língua podre das pessoas que aqui há meses e meses fazem do Bloco de Esquerda o bo(m)bo da corte. Afinal quando o alvo se vira para o politburo cá do burgo fica tudo possesso! A ironia é uma porra mas dá cá um gozo ver alguém provar do seu próprio veneno…

Os comentários estão fechados.