Cerco ao parlamento na Bulgária – desde o final de Janeiro de 2013 que o protesto é quase contínuo e esta é já a segunda tentativa de cerco, pelo meio já caiu um governo

Bulgária

Desde o início de 2013 que os protestos anti-governamentais são quase quotidianos na Bulgária. Em finais de Janeiro a faísca que incendiou os ânimos populares foi a subida para mais do dobro das contas de electricidade, por parte das companhias que foram privatizadas na passada década. Uma das reivindicações dos manifestantes era a re-nacionalização das empresas de electricidade.

Em resultado destes protestos anti-governamentais e anti-austeridade o governo conservador caiu e foi substituído por uma coligação hetróclita com os “socialistas” à cabeça. Os protestos regressaram após escândalos de corrupção e, digo eu, a falência do actual governo em responder à degradação do nível de vida das populações (ou tal como aqui, por se tornar evidente que esse é mesmo o objectivo). Outros factores estão em jogo também, parece-me que nesta segunda vaga de protesto há também  um certo revanchismo de direita (político e sociológico) à mistura. De qualquer das formas os protestos não teriam a actual dimensão se não existisse terreno fértil, um mal estar mais geral e uma sensação mais ou menos difusa de retrocesso social. Como já várias vezes tenho escrito, quem esteja à espera de movimentos de massas isentos de contradições, pode puxar uma cadeira e sentar-se, porque vai ter de esperar por toda a eternidade. Uma coisa é certa, independentemente da direcção e do conteúdo (que me parece contraditório q.b.) deste movimento de protesto, que inclusive já passou por várias fases, estas manifestações na Bulgária são sintoma de um mal estar geral que atravessa toda a Europa.

Recentemente houve um recrudescimento nos protestos com a ocupação de várias Universidades pelos estudantesOntem foi ensaiada uma tentativa de cerco ao parlamento, resultando em confrontos com o aparelho repressivo do estado.

Sim porque isto de cercos ao parlamento não são apenas uma relíquia histórica do PREC, não. Cercos a parlamentos são métodos de luta que ocorrem agora e em países da União Europeia.

Mais sobre o que se passa na Bulgária aqui, aqui, aqui ou aqui.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

7 respostas a Cerco ao parlamento na Bulgária – desde o final de Janeiro de 2013 que o protesto é quase contínuo e esta é já a segunda tentativa de cerco, pelo meio já caiu um governo

  1. anonimo diz:

    ” Uma das reivindicações dos manifestantes era a re-nacionalização das empresas de electricidade.”

    O azar deles é não terem um presidente corajoso como Maduro (o da Venezuela, não o nosso) que proibiu o lucro excessivo e, se necessário for, nacionaliza! Com excelentes resultados!

  2. Miguel Abrantes diz:

    Epá mudaram de assunto! Bestial. Com todo o respeito e do meu lado de leitor já começava a ficar um bocadinho farto das vossas quezílias.

  3. m. diz:

    As notícias sobre estes protestos têm aparecido na Comunicação Social Portuguesa? É que não me apercebi…

  4. oCopiadordo DanBrown diz:

    Pis não.Nem o governo da Hungria q mandou dar uma volta o FMI….Estes jornalistas(??????) são mesmo seres desprezíveis.A Real Puta que os Pariu a Quase Todos!

  5. m. diz:

    OS JORNALISTAS(???): eles que descodifiquem o relatório do FMI e já agora, dava jeito, o da OIT.
    A televisão que não encharque os nossos olhos com cenas do tipo de filmes de entretenimento que os pais bloqueiam os canais. Eu não tenho acesso a esses canais, nunca tive, nem quero. Preze-se a integridade MORAL de que tanto falam.

    Bem, já lá estive a ler o relatório do FMI publicado num outro post neste blogue e fiquei ABSOLUTAMENTE espantada com o excesso de formalismo, a linguagem e os conceitos completamente «anti-intelegíveis». CORRUPÇÃO DA LINGUAGEM… penso que somos parvos…Eu sei que a língua, não conheço muito sobre linguística, causa muitos problemas dadas as lógicas classificatórias e, portanto, a mania de hierarquizar a expressão, logo o pensamento, (a mim não me fazem isso) porque a linguagem não me enforma o pensamento. Mas esta gente tirou cursos onde? Nas belíssimas UNIVERSIDADES PRIVADAS que pululam por aí…até aqui no nosso «cantinho»…os nossos actuais governantes e os antigos também, parece houve para lá uns problemazinhos… NA ESCOLA PÚBLICA E TAMBÉM NAS UNIVERSIDADES PRIVADAS. Isto de Diplomas, bem é preciso ESTUDAR À SÉRIA E SER SÉRIO.

    O FMI QUE BAZE DAQUI!!!. Entenda-se por FMI, a cartelização banca privada, ou seja, os accionistas nacionais e estrangeiros; os estrangeiros bem conhecidos andam a levar «nas trombas» nos EUA, mas ainda não conseguir encarcerar os CEO’S que causaram a crise de 2008; uma grande maçada, e população americana anda a bastante chateada. (os ghettos não andam nada contentes com discriminação económica, ou seja, de serem POBRES e oriundos de vários países…nomeadamente africanos, latino-americanos.

    MÃO-DE-OBRA-BARATA? PRIVATIZAÇÕES, PENSÕES, SAÚDE, SEGURANÇA SOCIAL, PROTECÇÃO SOCIAL? CÁ? Sei mais do que eles a «brincar à macaca». Precisavam de ser varridos por uma BRUXA MÁ (os POVO PORTUGUÊS QUE É SÉRIO).

  6. notrivia diz:

    Boa malha. Bem desbloqueado.

  7. Khe Sanh diz:

    Francisco.

    Permita que lhe diga, Vc tenta passar aos outros as suas ilusões.

    Por sinal sabe o abismo em que caiu a maioria da população da Bulgária depois da reintrodução do capitalismo?

    Se soubesse de certeza que se preocupava discutir questões mais sérias.

    Escreve estas banalidades porque ignora que estes tipo de manifestações só vão ser permitidas até ao momento em que o poder vigente (sustentado por as armas da NATO) se sentir ameaçado.

    Para não perder mais tempo vou esclarece-lo melhor.

    Estou minimamente informado sobre a atual situação na Bulgária. e sabe como?

    Conheci uma jovem imigrante Búlgara que falava corretamente o Português ( a mãe era professora de Português ) ela era policia e quando se deu a “derrocada” do socialismo veio para Portugal com um oficial dos serviços secretos (ele entretanto foi aqui localizado e fugiu para um país Africano).

    Ela entratanto regressou à Bulgaria, mas continuamos amigos (e camaradas) e a manter contatos regularmente.

    Como já referi estou minimamente informado sobre aquilo que por lá se passa.

    É uma ilusão pensar que o povo na Bulgária ou em qualquer desses países tem algumas hipoteses de provocar grandes alterações ao sistema vigente.
    Saem uns entram outros da mesma matiz.

    O Francisco alimenta este tipo de ilusões porque ignora que aqueles que se batem verdadeiramente por os interesses do povo são silenciados ou estão na prisão.

    Cumprimentos

Os comentários estão fechados.