Comunismo, o mal no mundo


Numa sociedade comunista os salários são mais baixos. Os impostos estão continuamente a aumentar, retirando aos trabalhadores o pouco rendimento que lhes sobra para alimentar um Estado gordo, gigante em despesas. Ao mesmo tempo, o Estado impõe normas e regras morais restritivas entrando na vida privada de cada um. No comunismo é muito provável que não se possa fumar no automóvel ou ter mais de dois cães ou quatro gatos num apartamento.
No Estado comunista o cidadão perde a sua individualidade. Vive e trabalha para alimentar o Estado. As famílias que não conseguem sobreviver com os seus rendimentos têm de entregar os seus filhos ao Estado. Quem não se consegue alimentar fica dependente das instituições que fornecem comida, fervorosas defensoras do sistema e que zelam pelo bom comportamento dentro da sociedade na condição de lhe ser cortado todo e qualquer subvenção de subsistência. Os mais velhos, quando incapazes de produzir e não pertencendo à oligarquia, são considerados excedentários da sociedade e colocados em locais dos quais não voltam a sair com vida.
No comunismo o trabalhador que tenta fazer algumas poupanças, guardando-as no banco ou em casa, está sempre sujeito a que o Estado tome a iniciativa de as resgatar para cobrir as suas decisões ou de ser considerado rico, e portanto inelegível para qualquer apoio – as oligarquias que defendem o sistema beneficiam de um estatuto especial.

Na verdade, parece que o capitalismo se entusiasmou com o que papagueava do comunismo e resolveu concretizá-lo. Agora que algumas organizações de esquerda em que participam comunistas se começam a constituir como uma séria alternativa eleitoral ao sistema em que vivemos, importa inventar mentiras novas.

Publicado ontem no i

P.S. (só aqui para a tasca) – Este escrito é dedicado a todos os que viveram e vivem, dia após dia, a combater a imagem de que deles se papagueou. Em especial ao camarada que, nascido há cem anos, ouvi um dia dizer que o capitalismo não é o fim da história.


Imagem roubada ao Miguel Tiago

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

23 respostas a Comunismo, o mal no mundo

  1. samuelquedas diz:

    Muito bom!!! 🙂

  2. Deka diz:

    Excelente 🙂

  3. anonimo diz:

    Belo texto. Experimente escrevê-lo, adaptado à realidade local, num jornal em Cuba. Ou num blog cubano.

    • De diz:

      Pois parece que sim.
      Então não há uma blogger cubana que todos os dias trabalha afincadamente para converter Cuba na mesma trampa a que assistimos em Portugal?
      Parece que é paga principescamente para o efeito.

      O Tiago acertou no alvo :
      ” importa inventar mentiras novas.”…
      mesmo que disfarçado de blog cubado…
      Ou com passaporte em direcção a qualquer outro país que o afaste do nosso país
      🙂

      • anonimo diz:

        Caro De,
        Experimente organizar manifestações públicas em Cuba a gritar, “Demissão [do Governo] já!”.
        A vida em Portugal está difícil. Há muitas razões de queixa. Mas aqui, pelo menos ainda pode procurar construir alternativas políticas sem o receio de ser preso. O artigo de Tiago Mota Saraiva, publicado assim mesmo num jornal nacional, é a prova disso.
        Ainda bem.

        • De diz:

          Sei sei.A “liberdade” política como desculpa para o saque e para a miséria vai caindo por terra.
          O capital está reduzido a isto .Houve um tempo em que.Agora é este lixo em que vivemos.
          Os factos são tramados e nada mais resta do que pegar no avião e rumar para …Cuba?

  4. De diz:

    Uma lufada de ar fresco

  5. m. diz:

    Excelente texto. Parabéns. A meu ver, como é incisivo, não me confunde, o que cada vez é mais raro porque as mentiras já me chegaram e sobraram.

  6. Ivan Panfilov diz:

    Elucidadivo! Mais palavras para quê? . E como se costuma dizer. Contra factos………..

    Adiciono mais este

    http://www.odiario.info/?p=2334

  7. Antónimo diz:

    é um bocado como o final de um pedaço de prosa que apanhei sobre o Cunhal ontem num telejornal qualquer a propósito do Olhe que não.

    mais coisa, menos coisa, dizia a jornalista que Soares acabou em 1997 por ter a última palavra ao responder a uma afirmação Cunhal com um outro Olhe que não.

    foi quando Cunhal disse a Soares que com o modelo europeu que se desenhava Portugal seria governado de fora, pelo deutsch bank.

    como diria Jesus, Limpinho, limpinho, limpinho.

  8. Rafael Ortega diz:

    A constituição portuguesa tem lá martelado o caminho para o socialismo.
    Estamos afincadamente a trabalhar nisso.

    • anonimo diz:

      Devíamos aprender com a Venezuela.
      Depois do Ministério para Felicidade Suprema do Povo, do Natal antecipado, e do combate à especulação nos electrodomésticos, agora foi finalmente decidido limitar o lucro e a especulação dos mercados.

    • Antónimo diz:

      Por mais que constitucionalistas do psd martelem há anos e anos que essa frase existe apenas no preâmbulo e que apeans tem sido mantida por questões históricas, um marco memorial sem qualquer efeito prático há sempre umas almas convencidas que descobriram a pólvora.

      Já hoje o moço que é director-adjunto do jornal e partilha a vida com assessora do Marques Mendes dizia o mesmo. Entre o jornalista dos fretes que nada publica fora da nova ordem laranja e os talibãzinhos neo-cons que andam convencidos que convencem alguém que psd e cds-pp são socialistas nada os distingue, tirando acharem que os outros são parvos.

  9. Orlando diz:

    Nem mais, assino e subscrevo. Abraço.

Os comentários estão fechados.