Fórum Precariedade e Desemprego – 8 e 9 de Novembro

1170798_535328609894884_1235849860_n

O fenómeno do desemprego  assume cada vez mais importância na esfera pública face às estatísticas avassaladoras que apontam para uma taxa de 11% na Europa, sendo esta sempre calculada por defeito e nunca correspondendo à realidade. O cenário torna-se verdadeiramente assustador se nos focarmos especialmente nos casos de Portugal, Espanha e Grécia, onde a taxa real facilmente acrescentará vários pontos percentuais à verborreia do governo e dos institutos de estudos.

Mas a tendência para o aumento do número de desempregados deve sempre ser relacionada com a precariedade na mão-de-obra, ou melhor dizendo, de como o capitalismo mundial procura regressar à taxa média de lucro de anos anteriores, maximizando a exploração  através da fragilização do vínculo laboral. Um trabalhor precário é um trabalhador que se quer isolado, atomizado socialmente e sem capacidade colectiva de luta. É neste sentido que considero importante debater estas questões numa perspectiva presente e com os olhos postos no futuro. Não apenas como tema de sensibilização social mas principalmente como debate e análise da dinâmica nas relações laborais actuais e potenciais formas de luta. Nos próximos dias 8 e 9 de Novembro, a Associação de Combate à Precariedade – Precários Flexíveis realizará o Fórum Precariedade e Desemprego no Mob e contará com oradores diversificados, além de várias actividades neste âmbito.

Para inscrições e consultar o programa.

Evento no facebook.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

2 respostas a Fórum Precariedade e Desemprego – 8 e 9 de Novembro

  1. António Paulo Rodrigues de Oliveira diz:

    Os impostops altos também provocam desemprego, ou não?
    E pobreza aos esbulhados.
    Deixo-vos um link muito interessante:
    http://diariododistrito.pt/index.php?mact=News,cntnt01,detail,0&cntnt01articleid=1267&cntnt01returnid=84
    É de um jornal regional (digital), Diário do Distrito (Setúbal), que reproduz o artigo «O esbulho fiscal no distrito de Setúbal», saído Sábado, 2/11, no Expresso, Caderno de Economia, pág. 30.
    Este assunto merecia um post, mas duvido, tenho a certeza, de que não merecerá.
    È a diferença entre o que se diz e o que se faz..

  2. De diz:

    Com um pedido de desculpas ao Frederico Aleixo que neste post dá voz a um dos problemas centrais da nossa sociedade e ao qual aqui nos devíamos cingir, quero chamar a atenção do porfiado esforço de Oliveira na sua tentativa de condicionar os temas abordados pelos autores aqui no 5 dias, enquanto tenta atirar a bola para canto, de modo a fugir aos “incómodos pormenores”.
    Pelo meio o serviço ao expresso, justificando inteiramente a opinião que se deve ter de quem anda metido a este nível com tal folha. E no princípio, no meio e no fim o “trabalho ” do Oliveira que se esforça já pela enésima vez, de dar voz ao seu TPC, não só aqui, mas também noutros blogues muito mais paradigmáticos do sentir deste António como o Blasfémias. Chega a ser patético o esforço de lambe-botismo como “sugere” o tema ao dito blog.

    Como Oliveira tem a certeza de, tudo se resume afinal a um simulacro de debate. Uma manobra de propaganda de um manga de alpaca do ministro da informação governamental. Quando o debate for a sério e no sítios adequado poder-se-á desmontar peça a peça a peça montada pelo expresso e replicada à peça pelo Oliveira.
    Até lá é confrontá-lo com as suas manhas e recusar pactuar com estes processos pouco dignos de actuar.

Os comentários estão fechados.