Ai os números!

Ao contrário do João, o barómetro da Marktest não me provoca particular satisfação. Em primeiro lugar porque, se fossem esses os resultados eleitorais, daí não resultaria uma maioria de esquerda. Os resultados apontam para um dos mais perigosos cenários: governo absoluto do centrão da troika com acordo para resolver a Constituição.
À CDU, a Marktest atribui a clássica subida pós-eleitoral para doravante começar a diagnosticar perdas atrás de perdas.
O único motivo de satisfação, se estes números se concretizassem, seria o facto do partido do Vice-Primeiro Ministro, aparentemente, nem sequer eleger um deputado.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

32 respostas a Ai os números!

  1. Se se confirmassem estes resultados não haveria maioria de dois terços para “resolver a Constituição”…

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Com estes resultados achas que CDU e BE chegavam aos 77 deputados?
      Não me parece nada.

      • Fiz contas por alto, não tenho a certeza.

      • Rocha diz:

        Ó Tiago, não ter a moleta do CDS é um grande golpe nas ambições de PS e PSD, isso sim é um grande motivo de regozijo e para atacar ainda com mais força o farsante Paulo Portas.

        • Mas eles não deixavam que o CDS perdesse deputados, e esses votos todos. Alguma vez o 3º partido da união nacional poderia sair prejudicado, prejudicando a própria união nacional? Só se estiverem mesmo gágás, o que é um verdadeiro disparate, eles não fazem ponto sem nó.

        • renegade diz:

          Golpe será, veremos se o desaparecimento do CDS não vem criar as condições para o desaparecimento do PCP e BE via revisão da lei eleitoral. Isto ainda vai ficar pior antes de melhorar.

  2. m. diz:

    Eu espero bem que o PSD/CDS seja espezinhado em termos de percentagem de eleitores depois deste Governo tresloucado. Já vai a caminho, mas ainda não é o suficiente.

    • m. diz:

      (1) Faltou-me dizer que decidi «dividir» os Partidos em categorias: (1) os que «roubam» e (2) os que não «roubam» o povo português.

      Isto para dizer que os Partidos do CDS, PSD e PS têm roubado e roubam o povo português e por essa razão não merecem a confiança dos portugueses. Os outros Partidos não têm «roubado»: o BE, o PEV e o PCP.

      Se alguém tiver dúvidas, façam o favor de ver o que tem acontecido nos salários, pensões, subsídios de desemprego, apoios sociais; por outro lado, o que tem acontecido nos hospitais, escolas, transportes, habitação, justiça e muito mais.

      Visto já com alguma distância, o resgate aos bancos, para mim, tratou-se de um «golpe de Estado» levado a cabo pelos Partidos do CDS, PSD e PS que tiveram o seu auge nos ditos resgates à banca que ainda não ficaram por aqui. O dinheiro dos resgates à banca tem servido aos mesmos para jogar na bolsa contra as empresas portuguesas.

      Os resgates à República Portuguesa ainda não terminaram. Há muita gente destes 3 Partidos (CDS/PSD e PS) que ganha dinheiro à conta da desgraça do povo português. Sei custa imaginar uma coisa tão perversa. Mas é uma realidade que está à vista de todos os que a quiserem ver.

      (2) Queremos um «golpe de Estado» na Constituição?
      O melhor é pensar bem nisto e ver de que lado estamos: dos que «roubam» ou dos que não «roubam» o povo português. Isto é uma forma simples de ver as coisas, mas parece-me que é a mais honesta.

  3. Deus perdoa, eu nao! diz:

    em relação ao CDS só ficarei contente quando o POUS tiver mais votos que o CDS… Ai sim seremos um país normal. O CDS foi o único partido que não votou favoravelmente a constituição.

  4. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Com todas as críticas que habitualmente faço ao PCP agrada-me a previsão de uma subida significativa das intenções de voto nesse partido. Tudo menos uma subida de votos no PS que nos leve para repetições de políticas falhadas. Mas atenção! Podem ter a certeza de que esses votos adicionais não são de marxistas-leninistas assanhados, dispostos a tudo suportar em nome da fidelidade ao “partido”. Oxalá isto fosse um encorajamento ao PCP para procurar posições e propostas menos ideológicas e mais fieis aos princípios de esquerda. Os portugueses não aspiram ao “comunismo”, aspiram sim à justiça social, ao direito a uma remuneração digna e justa, a um fim da prepotência e da exploração, a um real direito à saúde e à educação. Não tenho nada contra os comunistas convictos manterem a sua fé numa utopia, mas tenho o direito a exigir-lhes que não tentem forçar os outros – que são mais – a viverem num sistema que nada lhes diz. Estará o PCP à altura de servir Portugal e os portugueses sem cair em tentações? Oxalá esteja, mas ainda não estou convencido disso…

    • Khe Sanh diz:

      Nuno não se assuste, este sistema nunca irá permitir que o PCP conquiste o poder através do voto. Nem tão pouco alimente ilusões que o irão permitir aos herdeiros de Kropotkin.

      A esquerda genunina (seja ela de que matiz for ) só consegue conquistar o poder pela força das armas.
      Não me pergunte quando. Melhor; vaticino que é quando os povos estiverem decididos a faze-lo.

  5. Dezperado diz:

    O Jeronimo deve estar preocupado com esta subida nas intenções de voto da CDU. Qualquer dia ainda ganha eleições, depois tem de formar governo. É que na oposição, é facil prometer o mundo cor de rosa, o pior é quando se ganha eleições e depois tem de se passar da teoria para a pratica.

    • Khe Sanh diz:

      O PCP já mostrou que tem capacidade e competencia para governar, criar postos de trabalho, fazer os trabalhadores felizes e pôr Portugal a produzir sem chular os nossos impostos.

      Não lhe serve de exemplo a Reforma Agrária?

      • Dezperado diz:

        Sanh

        Espero sinceramente que nas proximas eleições legislativas, a CDU ganhe as eleições.

        Esta na hora de passar o discurso da teoria para a pratica. E se a CDU faz os trabalhadores felizes (nos quais me incluo), tambem quero ser feliz.

        Se nos prometem mais educação, mais saude, mais transportes, e menos impostos….tem tudo para ganhar as eleições.

        • De diz:

          Mais uma vez a aldrabice bacoca…

          Ganhar eleições?
          No mais despudorado programa mediático a que se associa a pulhice governamental?

          Um exemplo concreto.Veja-se a miserável pressão feita pela canalha sobre o Tribunal Constitucional.
          Um dos cúmplices dos crimes do Iraque vem e fala como fala:
          http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2013/11/portugueses-nao-nego-que-sejam.html#links

          Um ministro histérico e a babar pelos cantos da boca afirma que vem aí um estado totalitário social (!) e tenta ocultar a manápula que esboça a saudação típica

          Outros exemplos se seguem que Samuel aqui desmonta na sua forma incisiva:
          http://samuel-cantigueiro.blogspot.pt/2013/11/o-cerco-de-feras.html#links

          Todos mas todos estes actos de chantagem são reproduzidos diariamente pelos média governamentais, nos media não governamentais mas ao serviço das troikas governamentais e nos media apenas e tão só pasquins dos ditos cujos

          Será que desperado ouviu falar em infraestrutura e em superestrutura e em…?

      • Khe Sanh diz:

        “Não lhe serve de exemplo a Reforma Agrária?”

        A mim serviu-me de exemplo e estimulo por tudo o que teve de bom.
        Aos rafeiros dos agrários provocou ódio e rancor.

    • De diz:

      Com o devido respeito a quem lê, a pobreza deste comentário é de tal ordem que parece uma revista cor-de-rosa a querer tomar ares de gente séria.

      Quando a argumentação chega a este nível, debitando o bas fond medíocre dos comentários dos pasquins, podemos ver as águas onde bebem alguns desesperados comentadores

  6. A.Silva diz:

    “À CDU, a Marktest atribui a clássica subida pós-eleitoral para doravante começar a diagnosticar perdas atrás de perdas.”

    Tiago apesar de poder concordar com esta tua afirmação, só quero lembrar que a seguir às pnúltimas eleições as sondagens começaram por dar 12% à CDU, tendo no último acto eleitoral 11%. Ou seja, apesar de de tudo e de jogos de sondagens, a CDU continua a progredir.

  7. João Vilela diz:

    Tiago, nenhum de nós está à espera (e se estiver, eu lamento desapontar) de uma vitória eleitoral nas próximas eleições. E eu pessoalmente estou à espera que, delas, saia um Bloco Central. A única forma de acabar com a alternância é pondo-os a todos no mesmo barco e disparando sobre ambos, na impossibilidade de qualquer um deles de se poder eximir de culpas.

    • Claro que as eleições vão continuar, a não ser que haja alguma revolução entretanto, o que não acredito. Mas é sempre preferível que haja um avanço grande na luta pela cultura, que a queda deste sistema seja rápido, e que a cidadania apareça, e os direitos sejam retomados, e a igualdade seja uma realidade enquanto antes. As eleições não mudariam, nem mudam nada. Pois o sistema = governo, troika, fmi, cia, e toda essa porcaria toda cilindra tudo o que lhe atravesse à frente que seja contra o capital/nazifascismo.

      • Khe Sanh diz:

        Exatamente; é o sistema que tem que ser derrocado, extinto, extreminado, chamemos-lhe o que entender-mos.
        O problema está precisamente no sistema que sustenta esta chusma de parasitas que se está a abancar com o produto do nosso trabalho.

        E se o sistema nunca fez uso de regras para dominar, nós temos que agir do mesmo modo.

        Eles sempre deitaram a mão aos meios mais tenebrosos para sobreviver e atingir os seus fins.

        E aqui está um “excelente” exemplo disso.

        http://www.voltairenet.org/article180582.html

  8. Vanessa diz:

    Já esqueceram a bronca das sondagens das autárquicas?

    Eu pensava que depois disso ninguem com minimo de bom senso, lhes desse crédito, afinal, parece que me enganei.

    O CDS mesmo com os tais 2 % elegia deputados, e certamente teria um resultado superior a esse, e o PCP está muito inflacionado.

    Mas com os capitais angolanos tão presentes nos nossos médias, não é de admirar que os partidos portugueses que apoiam a clique governamental angolana, sejam tão beneficiados.

    • Cristiano Ribeiro diz:

      qual foi a bronca das sondagens das autárquicas, que eu não percebi? que a CDU podia ganhar Loures, Évora e Beja?
      e qual é a dor que lhe provoca a pseudo inflação da CDU?
      e já agora explique, bem explicadinho, como Angola influencia o sentido de voto estimado pela Marktest. Ó VANESSA NÃO VÁ NESSA!

    • Khe Sanh diz:

      Pois é Vanesssa.
      Contra ventos e marés, desmentindo todos os vaticinios que o PCP ia ser varrido do mapa eleitoral, que era um partido de velhos (já viu a longevidade dos comunistas ?) resistindo às mais ferozes campanhas de desinformação, o certo é que o PCP resiste, tem cada vez mais força e está cada vez mais jovem. Para frustação dos seus inimigos

      • E curiosamente muitos inimigos são apenas ignorantes, mal esclarecidos, e muitas vezes mal informados, e que acreditam em mentiras, e na história da Carochinha.

    • De diz:

      O PP que apoia a clique governamental angolana saiu beneficiado da sondagem?
      Ou o PSD?

      Ó Vanessa não vá nessa!
      Ou então sabe, nós é que não vamos nessa!

  9. Cristiano Ribeiro diz:

    Não percebo o raciocínio de quem não encontra satisfação no barómetro Marktest partindo de posições progressistas e de esquerda. A leitura simples: reforçam-se as posições dos que mais coerentemente lutam contra as politicas reacionárias e de submissão ao capital nacional e estrangeiro. reduz-se o campo de acção dos que são protagonistas dessas politicas. a mudança precisa de um outro ritmo? ok e daí?

Os comentários estão fechados.