A banditagem da EDP

A electricidade mais cara da Europa

A electricidade mais cara da Europa


A propósito de mais uma acção criminosa da EDP contra crianças e deficientes, o corte da electricidade no Lagarteiro, um dos bairros mais pobres da cidade do Porto, a ler este excelente texto da Carla Romualdo:

A EDP não se debate, como sabem, com dificuldades que ponham em risco a sua subsistência, antes reparte lucros milionários a uma elite de gestores e accionistas. Por tudo isto, o que hoje se viu, com a cumplicidade do Governo, é mais um acto indigno num país em que se perdoam os grandes corruptos, fecha-se os olhos a quem se esquece de declarar milhões no IRS, despejam-se milhões para tapar os buracos da ganância de meia dúzia de banqueiros, e se trata com mão de ferro os mais pobres.
O que é legal nem sempre é justo. O que a EDP fez hoje, sendo legal, é um atentado à dignidade humana. Quando a lei é injusta, a desobediência impõe-se. Por isso, se esta noite a luz for resposta ilegalmente em cada casa onde a EDP a cortou, e se de cada vez que for cortada novas mãos conectarem esses cabos, estaremos perante uma acção justa e solidária e quem a executar estará apenas a assegurar o acesso a um direito que é de todos.

Anúncios

Sobre Ricardo Ferreira Pinto

ricardosantospinto@gmail.com
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

11 respostas a A banditagem da EDP

  1. De diz:

    Um excelente texto de facto.
    A EDP, aquela que foi privatizada para termos a electricidade mais cara da Europa…
    Até quando toleraremos isto?

  2. JgMenos diz:

    Feche-se a RTP que a coisa já melhora!
    A lei que diz que a electricidade é para ser paga é injusta? Mais uma borla para ser suportada em impostos e juros de dívida?
    Vai chamar pai a outro.

    • De diz:

      A linguagem de quem se delicia com almoços grátis para os que vivem das rendas e da exploração do trabalho alheio?Bem regado pelo álcool de ocasião?

      Os factos são uma coisa tramada que põe Menos em polvorosa:
      A lei que diz que pagamos a electricidadde mais cara da europa.
      Claro que tem paternidade.

      Privatizada pois então.

      • JgMenos diz:

        Á demagogia dos esquerdalhos só fala da EDP (é grande, apetecível, privada) mas esquece o contributo de um Estado predador: IVA, subsídio aos média do Estado, subsídios a preços no passado, e mais uns pentelhos!

        • De diz:

          Menos comunga com catroga a palavra”pentelhos”?
          Comunga isso e muito mais
          Por exemplo comunga o amor pela EDP,sobretudo pela sua privatização.
          ” O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, Eduardo Catroga, recebeu 430 mil euros em remunerações em 2012, segundo o relatório e contas da EDP, enviado à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários.

          Percebe-se que tal quantia sejam pentelhos para catroga e para menos.São subsídios devidos ao preço da função presente, mais os juros acumulados do passado

          O apetite voraz de quem vive das rendas e da exploração alheia dá nisto.

          Uma miséria de demagogia também.Mas não só,definitivamente não só

      • LGF Lizard diz:

        Digamos que não se perdia nada com a privatização da RTP e da TAP. Pelo contrário, a ANA não deveria ser privatizada. Nem a gestão dos portos marítimos. Nem a Águas de Portugal.
        Quem quiser pagar ordenados chorudos às estrelas da RTP, que pague. Mas que seja um privado e não o Estado, ou seja, todos nós.

        • De diz:

          Mais uma vez se escamoteia uma coisa tão simples.
          Quem está à frente de RTP dão os boys ou bois nomeados pelos mesmos que estão à frente do país.
          Depois podem passar directamente para os conselhos de administração privados das empresas que geriram.

  3. Rafael Ortega diz:

    “Quando a lei é injusta a desobediência impõe-se”

    Que frase linda.
    Eu acho injusto contribuir para a Segurança social sendo certo e sabido que não vou receber nada de volta.

    Posso não pagar? Como é que interpreta a minha desobediência?

    • De diz:

      Como um discurso da treta.
      Própria de quem tem da segurança social o mesmo conceito de quem contribui para a sua ruína.

      Ou de como ao neoliberalismo mais não resta do que “isto”.
      Agora juntem-se os pedaços e tirem-se as conclusões.

      • LGF Lizard diz:

        Ora bem, a ideia do De é simples.
        A minha desobediência é fixe, a tua é uma treta.
        Percebe-se.

        • De diz:

          A desobediência tem destas coisas.
          Não é um bem ou um mal de per si.

          Como começa a frase?
          “Quando a lei é injusta…”
          Logo aqui se vê que a desobediência, no caso concreto, está subordinada à frase aqui citada.
          Por exemplo alguém que desobedeça às ordens de um oficial sionista que manda maltratar um preso palestiniano deve ser digno de admiração.Alguém que não obedeça às ordens de prisão dada a um torcionário nazi-racista como o breivik deve ser punido
          Será que lizard já percebeu ou quer quer que continue a explicar?
          Poderemos agora ir pelo inquirir de quem é o alvo da injustiça.
          Fica para depois.Tal como as conclusões
          🙂

Os comentários estão fechados.