O Nelson resiste

Desempregado vai fazer apelo à desobediência

Nelson Arraiolos vai estar, ao meio-dia da próxima quarta-feira, no jardim em frente ao Palácio de Belém, para fazer um apelo à desobediência. Este apelo vem na sequência da anuência de Cavaco Silva, de Maria Luís Albuquerque e do Chefe da Repartição de Finanças do Bombarral, relativamente à declaração na qual afirmou que vai deixar de pagar impostos.
O Nelson está desempregado e carece de apoio adequado para a doença degenerativa de que padece. A sua família foi alvo de penhoras ilegais por parte das Finanças, as quais visavam dívidas do próprio.
Agradece-se a todos as senhoras e senhores jornalistas, órgãos de comunicação e cidadãos em geral a divulgação e apoio a este acto de resistência involuntária.

Nelson Arraiolos

P.S. – A propósito leiam a coluna de opinião do Nuno Ramos de Almeida no i: Um dia fui um ser humano.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

5 respostas a O Nelson resiste

  1. JgMenos diz:

    …anuência …à declaração?
    Não percebi!

  2. Luís Marques diz:

    Eu acho que os desempregados se vão levantar contra os privilégios dos funcionários públicos contratados até 2008.

    • De diz:

      Marques?
      Vão-se levantar? Mas porquê?
      E que privilégios?
      Os privilégios de Marques… mendes? De outra gentalha igual?

      Têm que se levantar é contra quem é o responsável pela crise.Colocar em causa o capitalismo e esta sociedade podre e miserável

      A menos que o marques esteja a indicar o novo guião da direita neoliberal/pesporrenta.
      E aí já se percebe o comentáriio

      • JgMenos diz:

        DE tem que compreender que há gente pouco esclarecida que não acredita que em relação ao Estado se possa estabelecer a política de ‘tudo a todos’ e ainda menos a de que ‘quem sacou, sacou, quem vier atrás que feche a porta’.

        • De diz:

          Tudo a todos?
          Não deve estar bom da cabeça. Mas que concepção de estado anda na cabeça de Menos?

          Percebe-se que quem tem andado a sacar o queira continuar a fazer. Que quem quer concentrar a riqueza nas mãos de uns tantos também o queira fazer. Percebe-se também que a tentativa de atribuir aos que trabalham a responsabilidade da crise faz parte do guião desses que têm andado a sacar ( na sua linguagem peculiar) e/ou dos arautos do capital.
          O guião foi bem replicado ontem pelo ministro portas ,aquele cujo gabinete fora provisoriamente instalado num submarino e que é conhecido por ser um dos mais sinistros irrevogáveis do bas-fond da política.
          Ficou percebido o esforço irritado de menos para tapar o destapar do Marques.
          🙂

Os comentários estão fechados.