Nunca esquecer que existiu um Tarrafal – foi há 77 anos

No dia 29 de Outubro de 1936, chegaram à Colónia Penal do Tarrafal, criada por Salazar alguns meses antes, os primeiros 153 deportados. Mais exactamente, desembarcaram no local onde eles próprios foram obrigados a construir o campo de concentração que os encarceraria. Durante a existência deste «Campo da Morte Lenta», por lá ficaram 32 vidas, 32 pessoas cujos corpos só foram transladados para Lisboa em 1978.

Encerrado em 1954, devido a pressões internas e internacionais, o Campo foi reaberto na década de 60 (e permaneceu ativo até ao 25 de Abril), com o nome de «Colónia Penal de Chão Bom», para albergar os lutadores pela independência de Angola, Guiné e Cabo Verde.

1978 – transladação e cortejo para o cemitério do Alto de S. João, em Lisboa:

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

8 respostas a Nunca esquecer que existiu um Tarrafal – foi há 77 anos

  1. Vasco diz:

    Dossier sobre o Tarrafal no Avante!: http://www.avante.pt/pt/1717/emfoco/16637/

  2. De diz:

    Obrigado pelo post.
    Sinceramente

  3. I.Tavares diz:

    Se a memória não me falha,a segunda versão do Tarrafal, teve a benção de um muito solicitado
    comentador televisivo,que se chama:Adriano Moreira.

  4. Lopes Rodrigues diz:

    Trinta e duas são algumas vidas, vidas de lutadores da liberdade e da democracia. Muitas mais foram afectadas. Mas… quantas ficaram nos gulags do comunismo soviético?

Os comentários estão fechados.