A Manif de 26 de Outubro, os becos só terão saída se escavacarmos as paredes que o bloqueiam

NaoSeiPAssos

O futuro é incerto e ninguém sabe o que se irá passar com Portugal. Aquilo que é certo é que sem luta social, sem pressão da Rua, sem Troikas e Passos sentirem medo do povo, não haverá travão há ofensiva reaccionária em curso.

Desde a última vez que aqui escrevi, ocorreram eventos de magnitude histórica, que exigem profunda análise. Não farei essa reflexão agora, mas deixo como primeiras pistas os pontos 10 e 11 deste meu texto. O post publicado hoje neste blogue “Desobedecer para avançar“, merece também a atenção de todos quantos procuram saídas do beco onde estamos metidos… Porque a realidade é que, de facto, existem becos sem saída, até existe um sinal de trânsito específico para os assinalar… Mas estando num beco sem saída significa isso que não há esperança, que já não há nada a fazer? Não, antes pelo contrário, é exactamente quando estamos nessa situação que mais esforço e acções “fora da caixa” são necessárias. A questão é que os becos só terão as saídas que nós construirmos, seja escavacando ou pulando as paredes que o limitam, ou entrando pela porta de uma casa que dê saída para outro local… Para encontrarmos novos caminhos estando num beco sem saída, não podemos agir como se estivéssemos numa ampla avenida….

A manifestação de amanhã poderá ser um prólogo ou um epílogo. Não será da dimensão de um 15 de Setembro, ou mesmo de um 2 de Março, mas também não será o flop que foi o 1 de Junho. A manifestação de amanhã poderá estar bem composta, de tal forma que a moldura humana à volta de S. Bento proporcione imagens de uma praça a transbordar. Esta é a primeira condição para que o protesto de amanhã tenha alguma consequência, para tal basta não ficar em casa no sofá e caminhar do Rossio até S. Bento. Ter uma praça de S. Bento a transbordar, por si só, justifica ir à manifestação e há de deixar a sua marca. Mas atrevo-me a dizer que é possível e necessário algo mais… Chegar a S. Bento, ouvir uns discursos seguidos de umas cantorias é qualquer coisa, mas é insuficiente para o momento histórico que vivemos. É preciso mais, é preciso que este protesto moralize e dê algumas perspectivas de saída no concreto. É preciso que as vontades somadas desta reunião de milhares de pessoas dispostas a lutar seja canalizada para algo mais do que o simples repetir de umas quantas palavras de ordem. Diria que, no mínimo, é preciso e possível, que o protesto de amanhã sirva de convocatória ao activismo e moralize para próximos protestos que tenham como objectivo travar este orçamentoDia 1 de Novembro, data da primeira votação sobre o orçamento, é já daqui a uma semana

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

4 respostas a A Manif de 26 de Outubro, os becos só terão saída se escavacarmos as paredes que o bloqueiam

  1. José António Jardim diz:

    De acordo..nem mais …como o Francisco vai na vanguarda eu vou um pouco atrás.Por favor não me chame de cobarde.Onde planeamos o escavacamento das paredes?

  2. josé sequeira diz:

    Lamento não partilhar desta opinião nem alinhar em manifestações e greves. A malta luta muito (Passos/Portas demissão), depois vai votar nos que lá estiveram antes; a seguir volta a lutar muito (Seguro ou Costa demissão), depois volta a votar nestes; a seguir continua a lutar muito (Rui Rio ? demissão), depois vai votar nos anteriores; a seguir continua a lutar ainda muito mais (João Galamba ? ou Isabel Moreira demissão); depois…
    Então quer dizer que o povo é estúpido? Não me parece que assim seja ao fim de 39 anos de liberdade. Provavelmente o povo não aprecia as propostas e os dirigentes dos partidos que estão à esquerda desses dois. Só que não vejo ninguém a questionar, por exemplo, o Jerónimo de Sousa. Farta-se de perder eleições (ficar em 3º ou 4º é perder) e não há um congresso a contestá-lo.
    Faz-se uma manifestação e uma greve. Não deu em nada. Que fazer? Manifestações e greves. Ficou tudo ainda pior. Que fazer? Manifestações e greves. O governo não caiu. Que fazer? Manifestações e greves.
    Acaba por ser como este governo com a austeridade. Como não resulta, faz-se mais austeridade.
    Mas enfim tudo isto é mais que sabido e portanto só não muda quem não quer. Neste caso os partidos que podiam ser alternativa.

  3. Pingback: Agudizam-se as contradições na base social de apoio ao Governo | cinco dias

  4. Pingback: 2013, um ano de luta social em análise | cinco dias

Os comentários estão fechados.