Resposta a uma publicação enublada que me segue

stormtroopers-see-no-evil--speak-no-evil--hear-no-evil_00093572

Exmos.(as) Jornalistas,

Antes de mais gostaria de agradecer o facto de seguirem atentamente o meu perfil de facebook bem como o que regularmente escrevo no blogue 5 Dias. Não sabia que o faziam, o que me deixa, dentro do possível, lisonjeada, apenas me tendo apercebido do assunto porque me alertaram. É verdade, há anos que não leio publicações de entretenimento.

Espero que o continuem a fazer, designadamente reproduzindo os vários textos em que critico as políticas do governo, em que exijo o derrube do governo, em que apelo à resistência, em que apelo às greves, manifestações e todas as formas de luta, em que denuncio situações do dia a dia e a forma como estas políticas e a direita não só empobrecem o pais, social, económica e democraticamente, como são responsáveis por situações verdadeiramente dramáticas como a falta de acesso aos cuidados de saúde que provocam, até na morte, desigualdades extremas e desumanas.

Não sendo vossa leitora dadas as frequentes não notícias, gostaria, contudo, de corrigir algumas das coisas ditas sobre mim. Não sou sindicalista. Gostava muito, é verdade, mas infelizmente os Advogados ainda não têm sindicato. Embora nas aulas de Direito do Trabalho um querido amigo me chamasse isso por sistema e fosse um tratamento carinhoso. Suponho não ser o caso, contudo. Estou, obviamente, ligada a sindicatos e aos seus trabalhadores como uma opção de vida e de classe.

Não sei, também, de onde inferiram que estaria em desacordo com a decisão da CGTP a não ser com poderes extra-sensoriais ou em consultas com algum mestre Karamba. Tendo o meu contacto (que o têm e até o pediram a amigas minhas – sim, eu sei disso e não é por poderes de adivinhação!) optaram por não me perguntar nada.

Mas eu respondo: a manifestação em si mesma não é um fim. Irei atravessar a ponte, responsabilizei-me pessoalmente pela inscrição de dezenas de pessoas em autocarros, vou com toda a confiança na luta dos trabalhadores e da sua organização de classe e apelo a que todos façam o mesmo, em Lisboa e no Porto. Todos às Pontes. E este apelo inclui os jornalistas do Sol que certamente terão muito pelo que lutar!

Abaixo, e para que percebam efectivamente o que foi afirmado, ficam os textos que escrevi sobre o assunto. E sintam-se livres para reproduzir estes e outros, já que não conseguiram nenhuma citação sobre o que afirmam ser a minha opinião.

Uma vez mais grata por toda a atenção que dão à minha opinião. Se quiserem, disponibilizo-me desde já para escrever opiniões para essa publicação no sentido de lhe dar um toque mais honesto e coincidente com o que as pessoas, designadamente a classe trabalhadora, enfrenta no dia-a-dia.

Dia 19 todos às pontes com a CGTP! Dia 26 todos na rua. Há saída.

Saudações sindicais,

Lúcia Gomes

1ª publicação – 16/10 «— agora, mais que nunca, é preciso ir à ponte. os autocarros mantêm-se. inscrevam-se nos vários sindicatos. vamos no autocarro. vamos por meios próprios. vamos a pé. mas vamos. —»
2ª publicação – 16/10 – Anúncio da Greve Nacional da Administração Pública a 8 de Novembro (vocês até fizeram o favor de publicar!http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=88167)
3ª publicação – 5Dias – 16/10 «estarão nas sete quintas…os que nunca ouvi falar da manifestação convocada pela CGTP nem da de 26 de Outubro – Que se Lixe a Troika, não há becos sem saída, mas que se espraiam em piadolas sobre a decisão de ir sobre rodas, aproveitando para fazer o que mais gostam: esbardalhar a CGTP.
Honra seja feita ao Renato, que mobilizou e agora surripia citações para manifestar a inconformidade com a decisão.
Ainda assim, suponho que nos encontraremos todos na ponte, a pé ou sobre rodas. Ainda assim suponho que a luta que nos motiva ainda é o derrube do governo. Ainda assim suponho que os apelos se multipliquem sejam eles às várias manifestações ou até à desobediência civil. Ainda assim continuamos a ser livres para nos manifestarmos.
Ou se calhar este é ainda um favor maior. Desmobilizar. E escrever nos blogues que não se vai a manifestação nenhuma. Isso sim, serve a quem serve. Em prato bem servido. Esperemos é que não tenham que o engolir sozinhos depois.»
4ª publicação – 5Dias (em tom irónico caso não tenham entendido) – 17/10 – «Há muitos anos, acabada de chegar a Coimbra, entrei numa Assembleia Magna. Sentei-me para assistir, tinha chegado há dias. De repente ouço gritos e uma pessoa, segurada dos lados por dois rapazes, trazia uma melancia que atirou aos que estavam na primeira fila do TAGV, visando acertar num rapaz que era, à data, presidente da AAC, chamado Tó Silva (percebi depois). Não acertou. Ele baixou-se e levou com a melancia o estudante da fila atrás.
Os gritos continuaram, os estudantes soltaram gargalhadas e a magna continuou. Sem que se percebesse aquele aparato no meio da gritaria dos três entretainers.
Parece-me quase uma carta aberta.
Ocorre-me perguntar-lhe: a CGTP é uma central sindical que tem como objectivo a luta pelos direitos dos trabalhadores, ou é uma instituição que visa a manutenção da Ordem e da segurança acima de qualquer outro valor, e que, na prática, serve para controlar o descontentamento dos trabalhadores, os movimentos sindicais e as suas lutas?
Muitos têm sido os que expressam justamente o seu descontentamento com a decisão da CGTP. Ainda bem. Faltam dois dias para a manifestação. Até às três podem ainda comunicar às câmaras que vão marchar a pé sobre a ponte. Organizem-se, mobilizem todos os trabalhadores e avancem sobre a ponte.
Creio que não precisam de nenhum Arménio Carlos (partindo, claro, sempre do pressuposto que a decisão é de apenas uma pessoa, o que não deixa de ser interessante) para orientar o povo ou os trabalhadores. Até lá, podem aproveitar e fazer cartazes a dizer mal da CGTP e do PCP – por exemplo: podem dizer que são todos covardes e que é assim que se faz a luta. Se se sentem traídos, desobedeçam, façam ouvir a vossa voz na rua, fora dos blogues, junto dos reformados, dos trabalhadores, dos precários, dos desempregados, dos trabalhadores do metro e da rtp!
Bolas, indignai-vos!!!!! Levantem-se contra o capital!!! Tomem as pontes e as ruas que são nossas!
E mostrem à CGTP como é que é.
No fim, se quiserem, podem também dizer qualquer coisa sobre o Orçamento do Estado ou o Governo.»
Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

17 respostas a Resposta a uma publicação enublada que me segue

  1. Inês Meneses diz:

    grande Luciazinha.

  2. Inês Meneses diz:

    (o artigo é todo uma pérola… a parte dos “extremistas que queriam infiltrar-se” é linda. Já estou a imaginar como obtiveram esta informação: “Oh senhor extremista, como se sente?”, “Desiludido, pretendia infiltrar-me, e afinal…”).

    • Lúcia Gomes diz:

      «eu até que andava com uma dor nas cruzes, mas quando ouvi ponte fui logo buscar a t-shirt do che e o lenço do arafat para tapar aqui a cruz nazi do pescoço. estou chateado com o mundo»

  3. José Catarino diz:

    Grande resposta camarada Lúcia.Com jovens assim,de certeza que um dia “o Sol brilhará para todos nós”,e os lacaios dos grandes financeiros que pululam nos meios de comunicação social,serão triturados pelos seus donos porque o lucro é o alfa e o ómega da sua existencia.

  4. A.Silva diz:

    Abraço 🙂

  5. Joanna diz:

    Esta Lúcia Gomes é o máximo. Adoro. Dá-lhes!!!!

  6. João diz:

    Lúcia, não a conheço pessoalmente, mas depois de ler o que escreveu, só por ter tanto medo da criminalização do piropo é que não lhe disparo já, do mais fundo de mim mesmo: _Lúcia, você é linda!

  7. Victor Nogueira diz:

    Venham mais cinco 🙂

  8. ansomilo diz:

    Grande mulher, qual Maria da Fonte.

  9. edgar diz:

    Boa resposta.
    Força! Só se perdem as que caem no chão…

  10. É isso mesmo. Onde é que Portugal tem estado nestas dezenas largas de anos de organização e luta da CGTP-IN, que não deu por si? Já com o Arnaldo de Matos aconteceu o mesmo.

  11. Lúcia, infelizmente – porque felizmente te conheço e te admiro e tenho aprendido muito sobre coragem e luta contigo – tenho mesmo de deixar aqui algo a que algum extremista oportunista pode dizer que é um piropo: És uma mulher muito bonita! Joaquim

  12. José F. e Costa diz:

    Tanta conversa e não te vi lá!
    Onde andaste pá?
    Beijo

  13. Pingback: Os pobres não saem à rua – Aventar

  14. Joana Cabral araújo diz:

    Não a conhecendo, já gosto de si!
    Parabéns !! 🙂
    Joana Araújo

Os comentários estão fechados.