Um irrevogável, outro irreversível

images

“Não há nenhum argumento válido que possa impossibilitar a marcha”
Arménio Carlos.

“Ilegitimamente impedida a passagem, a pé, na Ponte 25 de Abril, a CGTP-IN apela a que na passagem rodoviária seja expresso um forte, sonoro e vibrante protesto na deslocação para a Concentração final. (…) Com os pés sobre rodas marcharemos em protesto na ponte 25 de Abril”.
CGTP

“Ficar no Governo seria um acto de dissimulação. Não é politicamente sustentável, nem é pessoalmente exigível. (…) Com a apresentação do pedido de demissão, que é irrevogável, obedeço à minha consciência”.
Paulo Portas

“A prioridade que o CDS sempre atribuiu ao cumprimento das obrigações externas de Portugal, condição essencial para recuperar a liberdade e a soberania do Estado português. (…) Não há nenhum recuo.”
CDS

2013-10-15-09-48-58

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

21 respostas a Um irrevogável, outro irreversível

  1. proletkult diz:

    Esta CGTP merece este governo.

  2. E o Jerónimo na toca que nem um rato…!

  3. Kasky diz:

    “Não há nenhum argumento válido que possa impossibilitar a marcha”
    Verdade! No plano da legalidade.

    O verdadeiro argumento ao qual a CGTP não se pode furtar foi o da correlação de forças. O problema é que este recuo vai custar-nos um pouco mais das mesmas.

    Registe-se: o erro não foi recuar agora. O pior erro foi ter insistido numa intrangigencia que não tinha condições para se levar até ao fim. Resta-nos agora fazer o maior estrago possível pelo facto de o Governo ter agido à revelia da Constituição.

  4. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Agora que a CGTP cancelou a manifestação na ponte 25 de Abril, demonstrando aquilo que tenho vondo a dizer, que nem o PCP nem a CGTP têm vontade de derrubar o governo e o sistema, que vão dizer aqueles que me acusam de desonestidade e ódio ao PCP? Com este trista espectáculo das bandas do PCP/CGTP e a desagregação do BE, parece que temos de pensar num novo partido de esquerda, baseado nos valores libertários, capaz de pensar e de agir. Há muita gente de esquerda que é culta, inteligente, capaz de reflectir e de pensar em estratégias eficazes para enfrentar o monstro, e que não precisa de muletas ideológicas de outras épocas e outras circunstâncias. É altura de as juntar.

  5. Argala diz:

    Renato. Última hora:

    “O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, proibiu nesta quarta-feira a concentração que a CGTP marcou para Alcântara no sábado, invocando uma vez mais motivos de segurança. A central sindical continua a insistir na realização do protesto naquele local.

    “Por estritas razões de segurança, não é possível a concentração naquele local”, declarou o governante depois de uma reunião de mais de hora e meia com a cúpula da Intersindical em que não conseguiu chegar a um consenso com os sindicalistas. Argumentando que não pode contrariar os três pareceres negativos que tem sobre a matéria — um da PSP, outro da Comissão de Moradores e um último da Pastelaria Lorena, casa de referência —, Miguel Macedo apelou ao “bom senso e ponderação” dos manifestantes.

    O ministro recusou-se a dizer se pretende usar a força caso a central sindical avance mesmo contra a vontade do Governo. O líder da CGTP, Arménio Carlos, contornou, por seu turno, as perguntas dos jornalistas relacionadas com a logística da organização de uma concentração que não poderá afinal contar com enquadramento policial e com um corte de trânsito efectuado pelas autoridades. Já antes, a CGTP se tinha mostrado disponível para deixar livres, por exemplo, os carris que permitem a passagem dos eléctricos 15E e 18E.

    Sublinhando que não será tolerada violência por parte dos participantes no protesto, Arménio Carlos anunciou que os sindicalistas ainda se irão reunir com a PSP esta semana. Ao mesmo tempo, revelou que a CGTP aumentou as garantias de segurança que deu ao ministro, não o tendo, ainda assim, conseguido convencer: “Dissemos-lhe que podemos montar um cordão humano a enquadrar os manifestantes e que podemos controlar a sua entrada no Largo do Calvário, de forma a evitar que dispersem para o Burguer Ranch”. A Intersindical continua a comparar o protesto com as noitadas que ali se têm realizado: “No caso das noitadas, nunca houve necessidade de pareceres. A segurança é um pretexto para o veto político.”

    “Não está em causa o direito à manifestação. O que está em causa é conciliar o direito à manifestação com o direito à segurança”, contrapôs Miguel Macedo, que no final da semana passada sugeriu a Arménio Carlos que marcasse a concentração para Alguidares de Baixo. Uma alternativa que o sindicalista assegura ser o próprio ministro a não considerar credível, uma vez que já existem pareceres negativos da respectiva Junta de Freguesia. Mas o ministro da Administração Interna fala nessa possibilidade como uma prova da boa-fé do Governo nas negociações que tem mantido com a Intersindical, para que a concentração se realize “em segurança e liberdade”.

    “Esta não é uma matéria em que se possa confiar na sorte”, disse ainda Miguel Macedo. “Se algo correr mal, alguém tem de assumir a responsabilidade. Uma concentração não é um problema de ordem pública, e sim um exercício de liberdade constitucional. Mas que conflitua com o direito à segurança e à circulação.”

    À saída da audiência com o governante, os dirigentes da CGTP asseguraram que o ministro não havia proibido a concentração. “Disse-nos que não o queria fazer. Então vamos continuar tranquilamente a organizar a concentração. Não vamos entrar em especulações nem dramatizações”, referiu o líder da Intersindical.

    Um comunicado do Ministério da Administração Interna de sábado passado dava conta de dois dos três pareceres negativos sobre a manifestação. Dizia que as imediações da Pastelaria Lorena não podiam ser usada para este fim, mas concluía que a decisão sobre a matéria cabia porém “aos promotores da manifestação”.

  6. Victor Nogueira diz:

    A decisão da CGTP corta as manobras de intimidação e desmobilização feitas pelo Governo mais reaccionário desde o 25 de Abril. AGORA. TODOS A ALCÂNTARA
    A CGTP marcou a manif, tentou negociar com o Governo, este apresentou como alternativa a ponte vasco da gama, a cgtp recusou, o governo disse que a decisão final era da cgtp, esta manteve a travessia da ponte, o governo proibiu e a polícia estaria lá não para garantir a segurança mas para impedir a manifestação.
    O governo mostrou a sua face fascizante e a cgtp desarmou o governo transferindo a concentração para alcantara. Não só o Governo não impediu a manifestaçção como nada impede que os autocarros dos manifestantes atravessem a ponte.
    A manifestação e os seus objectivos mantêm-se. É preciso que seja uma grande manifestação, uma manifestação que seja mais um passo para correr com a corja:
    Já havia muitas pessoas com receioo de participarem devido à barragem de informação intimidatória e terrorista do Governo e dos órgãos de informação. O balão terrorista do governo esvaziou-se Esta é a verdade
    O Governo – que não respeita a Constituição – ilegalmente resolveu proibir a manifestação e a polícia de intervenção estaria lá para impedi-la. E se necessário malhar forte e feio, como fez qd fora da segurança da CGTP perseguiu e agrediu até ao Cais do Sodré, em tudo o que lhe aparecesse à frente .
    A CGTP desarmou po Governo. A manifestação é apenas mais um um passo até que o povo e os trabalhadores corram de vez, em portugal e pelo mundo fora, com a corja que os suga e seus mandaretes,
    Por vezes é necessário recuar um passo para avançar ou retomar o balanço. Uma das técnicas de autodefesa pessoal é não oferecer resistência ao agressor, que no seu impulso conta com essa resistência. Não a encontrando, estatela-se e torna-se vulnerável a nossa contra-ofensiva
    A Polícia de intervenção está treinada para intimidar, aterrorizar e dispersar manifestantes. A maioria dos participantes duma manifestação que se pretende grandiosa não sabe técnicas para neutralizar as cargas policiais e não perder o sangue frio.

    • Argala diz:

      “A decisão da CGTP corta as manobras de intimidação e desmobilização”

      Isto é gravíssimo meu caro. Devia consultar alguém da especialidade.

      Como conseguem as lideranças induzir este tipo de psicoses?! Quero aprender a fazer isto. Quero conseguir convencer a malta que lhes fomos aos queixos depois de baixar a grimpa. É muita arte.

      E o respeitinho é bonito.. retaguarda do povo..

      • Victor Nogueira diz:

        nem sempre a “revolução a todo o vapor” é viável – tem de ter em conta as curvas, os obstáculos, a solidez das pontes. Douro modo o comboio corre o risco de descarrilar e a máquina e os passageiros ficarão gravemente combalidos e a via obstruída.

        Deixando as mertáforas, não deve ter lido o que escrevia; aliás é frequente nos comentários ficar-se pela rama ou pela espuma das ondas.

        O povo é uma entidade mítica, que engloba várias classes sociais e dentro desas várias camadas sociais, como a “mítica” “classe média” e/ou a peqena brguesia, Classes e camadas que têm interesses coincidentes apenas até determinado ponto do percurso. E a campanha terrorista e intimidatória do Governo e dos meios de comunicação social já estava a atemorizar muitos potenciais manifestantes. Quanto ao Pvvo, que parte deste lhe outorgou mandato para ser porta-voz dele,?

        Muito Povo que esteve na rua em 25 de Abril de 1974 desobedecendo ao MFA manteve-se em casa a 25 de Novembro de 1975, obedecendo ao MFA e à suspensão de parte das liberdades e garantias e esteve com Soares/PS no Norte a pô~lo a ferro e fogo contra o Povo da chamada “Comuna de Lisboa” (e Setúbal) onde enormes multidões desse mesmo Povo de Lisoa apoiava Soares e a Liberdade e o Socialisnmio em Lierdade que desembocaram no Estado SÚcial prxesente.

        E foi e tem sdo uma parte desse mesmo Povo que sistematicamente tem dado vitórias maioritárias ao ps-psd-cds ou se abstém.

        Eu serei a rectaguarda e o argala, de que vanguarda é porta-voz e “conselheiro” ?

  7. EA diz:

    Os sindicatos além de patéticos a algumas décadas, não só em Portugal, decidiram seguir a linha do hipotético. Hipoteticamente a massa trabalhadora tem capacidade de pressão politica, hora bem, porque então nas ultimas 2 décadas os trabalhadores perderam tantos direitos adquiridos quanto postos de trabalhos conquistados nas décadas imediatamente anteriores, sendo que o numero de sindicatos aumentaram como nunca, ao mesmo passo que os sindicalizados nos países desenvolvidos diminuíram?. Só posso perceber uma logica nisso, a de que hipoteticamente essa força estar sendo usada para outros fins…

  8. João diz:

    Parabéns, Victor Nogueira. Todos precisamos da lucidez recíproca das análises que, contendo nas margens do possível o sangue que (muito justamente) nos ferve nas veias, permita encontrar a cada passo as estratégias e tácticas mais adequadas em direcção aos verdadeiros objectivos de fundo e esses passam sempre, mas sempre, pela superação do capitalismo enquanto sistema predatório, por uma outra sociedade e um outro Mundo. Dia 19, temos razões para lutar e lutaremos. E havemos de ser muitos, muitos mil.!!!

  9. A CGTP acabou ontem por oferecer uma excelente prenda ao governo em dia de entrega de “orçamento”. Ou alguma coisa de significativo e imprevisto acontece no dia 19 ou alguém nos fode ou alguém nos fodeu.

    • Exactamente Carlos. É demasiado absurdo. É demasiado cobarde. É demasiado complacente. Até à cantina, que se faz tarde!

      • Victor Nogueira diz:

        Antes do 25 de Abril de 1974, enquanto estudante, fiz inquéritos no Alentejo durante cerca de um ano. E perguntas, para além das dos inquéritos. E não poucas vezes houve trabalhadores que me disseram que não poucas vezes se concertava quanto seria pedido por todos e cada um na praça da jorna. E não poucas vezes, qd o porta voz nomeado se preparava para reivindicar, estava sózinho, sem apoio, tornando-se presa fácil dos patrões e da pide e da gnr. A jornada pelas 8 horas no alentejo não foi obra do acaso, exigiu uma persistente organização e alargada consciencialização que possibilitou a vitória da reivindicação

    • Rocha diz:

      Realmente, ainda por cima decidir-se isso no dia da apresentação do orçamento. Foi como se me caísse um piano na cabeça.

  10. Dezperado diz:

    Como se transforma um heroi da luta em um vilão…..estou surpreso por desta vez ter calhado ao sindicalista Armenio…..

    Mas não me digam que precisam da benção da CGTP para fazerem a manifestação na ponte…

    Cambada de meninos….afinal estavam todos escondidos atras da asinha do Armenio.

    Ate o Jeronimo ta caladinho….ninguem quer ficar com a responsabilidade da manif na ponte, porque será?

  11. Isabel PBP diz:

    Quem é inteligente nunca se mete em guerras que sabe que vai perder. Esta estava perdida desde o início, quem se meteu nela quis a derrota intencionalmente.

    As grandes massas não estavas mobilizadas, 1º derrota, teimar e perder, 2ª derrota.

Os comentários estão fechados.