Afinal, vou ter tempo livre dia 19

Informo aqueles a quem tal possa interessar que não estarei dia 19 em Alcântara, num qualquer sucedâneo da manifestação na Ponte 25 de Abril, cuja eventual proibição a CGTP-IN tão justamente recusou acatar, até há uma hora atrás.

Pica-me a curiosidade de saber quem, para além dos que estão mesmo e sempre em todas – independentemente de porque seja e do que aconteça – aderirá depois disto a uma greve, geral ou não. E isto, quando a cada dia elas são mais justificadas e necessárias.

Se um dia destes o Tribunal Constitucional for preso (ou a PGR demitida, por ordem de um qualquer Chefe de Estado estrangeiro), não estranhem. É da obediência civil aos atropelos a direitos fundamentais que se alimentam as tiranias.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

15 respostas a Afinal, vou ter tempo livre dia 19

  1. José Sequeira diz:

    Com esta atitude a CGTP subiu na consideração dos portugueses, o que pode ser benéfico nas próximas eleições legislativas de 2015, as quais penso serem a melhor maneira de proximamente derrubar o governo.

    • paulogranjo diz:

      Se não estivermos todos mortos até lá…

    • Gambino diz:

      Parece-te? A CGTP afirmou que iria manter a manifestação, apesar do veto injustificado e potencialmente ilegal do governo. Depois, subitamente, decide comer e calar. Em que universo paralelo é que a CGTP subiu na consideração dos portugueses?

    • proletkult diz:

      Colocar a CGTP no barómetro da “consideração” (seja lá isso o que for) dos portugueses é diminuí-la ao ponto mais baixo da utilidade de uma central sindical. E então quando já se olham para os alegados benefícios eleitorais futuros desta decisão “táctica” (vai ser o termo chave da defesa do sr Arménio) é já demasiado deplorável para ser discutido sequer.

      Esta decisão só tem uma qualificação: capitulacionismo.

  2. CausasPerdidas diz:

    Estava-se mesmo a ver.
    Ao invés de uma manifestação devia-se ter convocado uma corrida por uma coisa qualquer. “Corrida para Correr Com o Governo”, que tal? Com a vantagem de todos calçarem coisas leves…
    Ou então… tinha-se aceitado a sugestão da Vasco da Gama… e levava-se sacos-cama. E calçado leve.

  3. Argala diz:

    O respeitinhooooooooo é bonitoooooooo. O problema é muito mais grave do que eu pensava. Muito mais grave.

    Nunca mais acusarei estas lideranças de serem ‘legalistas’ – nunca mais! -, pois já nem a merda das leis se dignam a defender. Estava convencido que era a “malta de esquerda” que ia defender o Estado de Direito, a CRP (o glorioso programa das classes trabalhadoras), e afinal é a CGTP que desconvoca a sua própria manifestação, cumprindo-se assim a ilegalidade. Atirar ovos contra Instituições de Crédito é que não!!!!! Isso são actos de vandalismo!!! Desobedece quem manda, o Estado de Direito são eles, nós obedecemos (a eles, não às leis). E o respeitinho é bonito, é muito bonito.

  4. Kasky diz:

    É sem dúvida frustrante ter assistido àquilo que acabou por se tratar de um bluff. Se não se tinha mão para continuar num jogo em que a parada subia desmesuradamente… deflectia-se para depois.

    É infeliz, mas não é por causa disto que mudo de cadeira, ou abandono o jogo.

    Dia 19 lá estarei! A luta continua!

    • Nuno Cardoso da Silva diz:

      Kasky, és uma alma boa e um militante disciplinado. Infelizmente não é com Kaskys que se derruba um sistema iníquo. Ou a CGTP decidiu manhosamente bloquear a ponte com veículos pesados, seguido de uma invasão de manifestantes a pé concentrados em Alcântara, e então tudo bem. Ou a CGTP fugiu com o rabo entre as pernas e o melhor é liquidá-la já! Eu gostaria que fosse a primeira opção a verdadeira, mas confesso que não acredito.

  5. Paulo Granjo, compreende-se a sua indignação mas exactamente porque parece fácil demais esta cedência, eu iria – se não vivesse no Porto. Não sei porquê, acho que vai valer a pena. Ou acredita que a CGTP binca em serviço? (Ou muito me engano…)

  6. Proximamente? Legislativas de 2015??

  7. Victor Nogueira diz:

    A decisão da CGTP corta as manobras de intimidação e desmobilização feitas pelo Governo mais reaccionário desde o 25 de Abril. AGORA. TODOS A ALCÂNTARA
    A CGTP marcou a manif, tentou negociar com o Governo, este apresentou como alternativa a ponte vasco da gama, a cgtp recusou, o governo disse que a decisão final era da cgtp, esta manteve a travessia da ponte, o governo proibiu e a polícia estaria lá não para garantir a segurança mas para impedir a manifestação.
    O governo mostrou a sua face fascizante e a cgtp desarmou o governo transferindo a concentração para alcantara. Não só o Governo não impediu a manifestaçção como nada impede que os autocarros dos manifestantes atravessem a ponte.
    A manifestação e os seus objectivos mantêm-se. É preciso que seja uma grande manifestação, uma manifestação que seja mais um passo para correr com a corja:
    Já havia muitas pessoas com receioo de participarem devido à barragem de informação intimidatória e terrorista do Governo e dos órgãos de informação. O balão terrorista do governo esvaziou-se Esta é a verdade
    O Governo – que não respeita a Constituição – ilegalmente resolveu proibir a manifestação e a polícia de intervenção estaria lá para impedi-la. E se necessário malhar forte e feio, como fez qd fora da segurança da CGTP perseguiu e agrediu até ao Cais do Sodré, em tudo o que lhe aparecesse à frente .
    A CGTP desarmou po Governo. A manifestação é apenas mais um um passo até que o povo e os trabalhadores corram de vez, em portugal e pelo mundo fora, com a corja que os suga e seus mandaretes,
    Por vezes é necessário recuar um passo para avançar ou retomar o balanço. Uma das técnicas de autodefesa pessoal é não oferecer resistência ao agressor, que no seu impulso conta com essa resistência. Não a encontrando, estatela-se e torna-se vulnerável a nossa contra-ofensiva
    A Polícia de intervenção está treinada para intimidar, aterrorizar e dispersar manifestantes. A maioria dos participantes duma manifestação que se pretende grandiosa não sabe técnicas para neutralizar as cargas policiais e não perder o sangue frio.

  8. João. diz:

    Não vais estar lá?! Que se fod@. Fica a ver a bola.

  9. José António Jardim diz:

    Tempo livre já te estava garantido mesmo que a manifestação e a passagem da ponte fosse para a frente.Porque não participas na concentração revolucionário de sofá?

  10. A.Silva diz:

    Há sempre quem aproveite qualquer situação para cavar a divisão entre os trabalhadores, entre os porugueses que querem correr com este governo de filhos da puta, paulo granjo é um deles!

Os comentários estão fechados.