Der Geist der Zeit: “Protest is when I say I don’t like this and that. Resistance is when I see to it that things that I don’t like no longer occur. Protest is when I say I will no longer go along with it. Resistance is when I see to it that no one else goes along with it anymore either.” Ulrike Meinhof

tumblr_li8g6imjyr1qgau4go1_400A 29 de Janeiro de 2009, um então escriba desta tasca, cheio de propriedade, perguntava se seria possível “Recordar e discutir Ulrike Meinhof”. Tinha razão em duvidar. A resistência precisa de um espaço onde tudo seja passível de ser recordado e discutido. Que não se dê ao desplante de deixar de discutir mais do que o estado do tempo. Ulrike Meinhof faria hoje 79 anos. Glückwunsch Ulrike! Sie verstärkt fehlt…

1375112_658223297530084_428873838_n

ulrike vGOriZ2x0mghv6v8ZhiPuv11o1_500 tumblr_inline_mg92uaZBUB1rdtkdo

tumblr_ltdz2ym7Vs1qgy1iqo1_r1_5001

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

6 respostas a Der Geist der Zeit: “Protest is when I say I don’t like this and that. Resistance is when I see to it that things that I don’t like no longer occur. Protest is when I say I will no longer go along with it. Resistance is when I see to it that no one else goes along with it anymore either.” Ulrike Meinhof

  1. Antónimo diz:

    O Carlos Vidal traduziu bem, para português, aquilo que aqui, sem necessidade nenhuma está em inglês no seu título. Porra, pá, ou bem que ia no previsível original em Alemão ou bem que se traduzia, para quê meter numa terceira língua, ainda mais língua de gringo?

  2. C Vidal diz:

    Belíssima homenagem e a questão deve passar a ser esta: a resistência tem de separar a legalidade da legitimidade. Isto é, o que é legítimo (a luta de Ulrike) pode não ser legal e o que é legal (o capital-parlamentarismo) não é legítimo. Deste modo, a resistência é a que for a de cada momento: umas vezes institucional, outras não institucional e outras as duas coisas. Grande abraço. cv

  3. Khe Sanh diz:

    Renato.

    Tenho no meu pequeno escritório entre muitas outras fotos uma de Ulrike Meinhof, Andreas Baader e Gudrun Ensslin, pessoas que muito admiro pela sua coragem e dedicação às causas revolucionárias.

    Como também tenho uma enorme admiração por o recentemente falecido General Vo Nguyen Giap e é com bastante tristeza que não encontrei em nenhum dos Blogues de esquerda alguém a fazer-lhe uma justa e merecida homenagem.

Os comentários estão fechados.