Solidariedade Internacional Poderá Atingir Dimensões Incalculáveis

757339

A 13 de Setembro, Anthony Tétard, presidente da Zona Europeia do IDC – International Dockworkers Council enviou em inglês uma carta ao governo português, concretamente ao Primeiro-Ministro e ao Ministro da Economia, através da qual pretendia fazer um último apelo ao governo Português e aos empresários de movimentação de cargas portuárias por forma a abrir um fórum de real discussão efectiva e global com o objectivo de parar e inverter este inaceitável assalto social e profissional aos direitos dos estivadores Portugueses”.

No dia 16 de Setembro, face ao bloqueio informativo verificado em relação a esta carta, o IDC reenviou a mesma para esses membros do governo português mas então também para a Lusa, nessa altura não apenas em inglês mas já traduzida para português.

Nela também se dava conta de que, caso o governo não tivesse “a capacidade de tomar as medidas necessárias … todos os membros do IDC-E irão realizar uma Assembleia da Zona Europeia nos dias 18 e 19 de Setembro em Chipre, e vão decidir sobre acções industriais específicas em que se possam comprometer. Estas acções irão seguramente ter impacto sobre os lucros dos empresários portuários, em particular, e sobre a frágil e sensível economia Portuguesa, em geral, a menos que o governo desempenhe o seu papel ao reforçar os direitos dos Estivadores Portugueses e termine com estes ataques inaceitáveis contra as regras de trabalho portuário e a essencial dignidade da profissão dos estivadores.”

Entre 18 e 19 de Setembro, a Assembleia Geral do IDC-E, em Chipre, aprovou uma moção na qual decidiu “avançar com acções que afectem o trafego com destino ou origem em Portugal e que um “Steering Commitee” será constituído muito rapidamente e irá reunir no início do mês de Outubro em Algeciras encarregado de elaborar uma estratégia e as acções à altura dos ataques sofridos pelos camaradas portuários portugueses”.

Sintomática não deixa de ser contudo essa contínua falta de resposta oficial do governo português face aos continuados alertas das organizações mundiais de estivadores que não vão tolerar a transformação dos portos portugueses em modelos cobaias de (des)organização laboral a exportar para os restantes países europeus.

Talvez o governo ainda desconheça que este processo de solidariedade poderá atingir dimensões incalculáveis.

A Secção de trabalhadores portuários da ETF – ramo europeu da ITF – International Transports Federation – aprovou no dia 18 de Setembro, em Bruxelas, uma declaração de solidariedade para com os estivadores portugueses na sua persistente luta por um futuro digno para a profissão e pelo direito constitucional à greve.

Essa declaração “confirma que a Secção de Portuários da ETF e os seus sindicatos filiados estão prontos para suportar a sua luta através de todos os meios legais para assegurar que a justiça e a igualdade prevalecem; e que está empenhada em trabalhar e cooperar de forma continuada e juntar forças com o International Dockworkers Council para defender as lutas legítimas dos estivadores em Portugal e através da Europa.

O IDC-E e a ETF representam praticamente todos os estivadores europeus, e estão integrados no IDC e na ITF, que representam sindicatos de estivadores a nível mundial.

Reportagem do Porto Canal

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

3 respostas a Solidariedade Internacional Poderá Atingir Dimensões Incalculáveis

  1. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Pedro Passos Coelho é uma pessoa particularmente estúpida. Só vai perceber quando as exportações portuguesas deixarem de ser desembarcadas no destino, e as importações não forem carregadas na origem… O que terá pelo menos a vantagem de equilibrar a balança externa…

  2. Artur Barroca da Cunha diz:

    A demagogia e o ocultismo deste governo é muito mais gravoso do que eu pensava! a web of lies = teia constante de mentiras!

Os comentários estão fechados.