Moedas Há Muitas – conversa com propostas anti-crise

A Academia Cidadã convida a participar activamente na discussão e reflexão sobre moedas sociais e economia solidária na tertúlia cidadã “Moedas Há Muitas. A conversa terá lugar no dia 26/09 (quinta-feira), às 21 horas, na Rua Maria n.º 73 (à Forno do Tijolo), Lisboa – Metro: Anjos.

A moeda social, instrumento de atribuição de valor de cariz comunitário, surge como uma estratégia de revitalização das economias locais, atribuindo um valor transaccionável a bens e serviços produzidos localmente, permitindo axs membros de uma comunidade de vizinhança criar e atribuir valor de forma a trocar bens e serviços entre si, sem ter de passar pelo crivo de um banco central. É, desta forma, vista como um instrumento de promoção do desenvolvimento local, destinada a sustentar cadeias produtivas locais, assim como o mercado de trabalho das colectividades que nela participam.

A conversa entre Miguel Yasuyuki Hirota (investigador na Universidade de Valência, Espanha, e activista), Amândio Rodrigues (empreendedor social nas organizações não-governamentais Ashoka Portugal e PAR – Respostas Sociais) e todxs xs participantes da tertúlia será moderada por Ana Margarida Esteves, investigadora em economia solidária e activista da Academia Cidada.

Agradecemos a divulgação e partilha 🙂

A entrada é gratuita!

Emissão em directo (experimental) – livestream: http://www.justin.tv/academiacidada

Evento no Facebook | Mais informações: http://moedashamuitas.wordpress.com/ | labvivo@academiacidada.org

Imagem

Academia Cidadã no facebook | academiacidada.org (em construção) | Queres participar na Academia Cidadã? Clica aqui

Logo_ACADEMIACIDADA2_cor-horizontal-em-branco      LogosPolos-LABORATORIO VIVO DA SUSTENTABILIDADE-AcademiaCidada

Anúncios

Sobre João Labrincha

Agora escrevo no Botequim.info em http://botequim.info/author/jl4br1nch4/
Esta entrada foi publicada em 5dias com as etiquetas , , . ligação permanente.

8 respostas a Moedas Há Muitas – conversa com propostas anti-crise

  1. josé sequeira diz:

    Já defendi em várias ocasiões a existência de várias moedas num país.
    Ao fim e ao cabo, tal como existiram as senhas de racionamento durante a II Guerra Mundial.
    Terei todo o gosto em estar presente.
    Obrigado pela iniciativa.

  2. josé sequeira diz:

    Uma pequena sugestão ao 5 Dias (para todos os autores).
    Caros “donos” do blogue:
    Sugiro uma pequena correcção à classificação dos comentários.
    Em relação a um post do vosso co-autor António Mariano, temos a seguinte sequência:

    Carlos Pratas diz:
    Setembro 16, 2013 às 11:42 pm

    José Sequeira diz:
    O seu comentário aguarda moderação.
    Setembro 17, 2013 às 11:15 am

    Elsa Ferreira diz:
    Setembro 17, 2013 às 9:12 pm

    sergio costa diz:
    Setembro 18, 2013 às 2:46 am

    Como podem ver há 2 comentários, posteriores ao meu, que foram publicados.
    Portanto a classificação do meu comentário deveria deixar de ser “O seu comentário aguarda moderação.” e passar a ser “O seu comentário não me interessa e foi censurado”.

    Assim seria mais correcto e nós (os comentadores que nos damos ao trabalho de – digamos – adornar os vossos posts) ficaríamos a saber exactamente com o que contamos.

    No tempo do Salazar havia o lápis azul que cortava o que o regime não admitia.
    Este método (ficar eternamente em “aguarda moderação” é mais do género Stasi).

    Obrigado pela publicação da sugestão.

    • Marcus Wolf diz:

      Da Stasi,caro j. sequeira?Mas, está muito oldfashion e já não faz updates desde a disquete de 3.5″.
      Agora,meu amigo,cada arroto q dá ao tlm,cada letra q escreve aqui com ou sem nome presumivelmente verdadeiro,cada email, está a policia secreta global a par do seu ip,da sua morada,do seu nome.E não, não é a Stasi , é a secreta democrática,das prisões espalhadas em terras ‘amigas’,das torturas,das mentiras-chama-se NSA,CIA e um cluster de outsourcings de gente que ‘vela’ por si.E,o mais awsome,é q pessoas ‘normais’ que teem o Big Brother a toda a hora ,dão um ar de sua graça de modo a ser um gajo bué de informado.
      No dia 3 de Setembro por volta da 10:16 a.m. foram mandados pelo rei das democracias, 2 mísseis de Espanha,estado vassalo da Big Apple em direcção a Damasco , uma favela do médio Oriente,está a ver? e,foram derrubados pelas armas do Senhor(Oh,Lord)…..está a ver como é um gajo muito bem informado??????

      Além disso,acho que é muito ousado para com o dono do post-ele,é que é o gestor e,você como um número só tem q respeitar pela forma como gere o seu (DELE!)blog.

      Assinado :Marcus Wolf

      • José Sequeira diz:

        Exacto, tem toda a razão. Por isso é que eu referi a Stasi, uma coisa a modos que já “ultrapassadita”. A ousadia é uma forma de estar no mundo como outra qualquer. A sugestão serve para ser ou não aceite mas também para desmascarar muitos que passam a vida com a palavra “democracia” na boca.
        Cumprimentos.

      • José Sequeira diz:

        Quando eu “comecei” ainda não havia informática. Depois apareceram os cartões de 80 colunas, as disquetes de 8 e de 5,25, mas a Stasi, como a PIDE, já cá (e lá) andavam.

  3. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Se a nossa organização social fosse semelhante à dos índios da Amazónia é possível que as moedas sociais fossem uma solução. Como não somos o interesse dessas moedas será sempre e apenas de interesse local, não podendo dar resposta aos problemas globais da economia. Não digo que a questão não tenha algum interesse e não deva ser discutida, mas não é por aí que resolveremos a presente crise.

  4. B.P. diz:

    Poupem-me, cidadã é subst., não é adj.
    Português não é cast., donde ‘ciudadano/a’ adj. traduz-se por cívico/a.
    Defender a língua é defender o país.

    • João Labrincha diz:

      Ó ceus! Napoleão tentou e não conseguiu. Vários reis castelhanos, especialmente os filipes, quase chegaram lá. A troika e os partidos que a apoiam, tentam destruir o país diariamente. Mas quem realmente o está a destruir é a Academia Cidadã porque usou uma palavra como adjectivo que o BP (British Petroleum?!) acha que é só substantivo…
      Antes de mais, a Academia Cidadã quer desconstruir conceitos, criar novos paradigmas, fazendo o mundo pular e avançar, e isso só se faz criando também uma nova linguagem.
      E, para finalizar, aconselho-o (ou será -a?; os anonimatos complicam-me a linguagem…) a ler a 8ª edição (já é antiga) do dicionário da porto editora onde rapidamente poderá confirmar que “cidadão” tanto pode ser substantivo como adjectivo. 😉

Os comentários estão fechados.