Há 40 anos, nascia o MFA

Em 9 de setembro de 1973, numa reunião clandestina com 136 participantes, que teve lugar no Monte Sobral em Alcáçovas (Viana do Alentejo), nasceu o «Movimento dos Capitães», mais tarde renomeado «Movimento dos Oficiais das Forças Armadas» e, finalmente, «Movimento das Forças Armadas».

Em mensagem enviada hoje aos sócios da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço assinala a data, ao mesmo tempo que recorda um texto que escreveu um ano mais tarde, em 9 de Setembro de 1974, e que foi publicado no nº1 do «Boletim do MFA»: «A Picadela no Elefante Adormecido» Nele se encontram descritos vários passos que precederam o 25 de Abril, desconhecidos por muitos, esquecidos por outros.

A PICADELA NO ELEFANTE ADORMECIDO

Em que data começou o Movimento das Forças Armadas? Parece-nos desnecessário falar, numa altura destas, das condições existentes, em Portugal, por meados do ano de 1973 e que possibilitaram o eclodir do MFA. Já se falou tanto do assunto que o que interessa, por agora, é evitar o regresso a tal situação!…

Pois, como íamos dizendo, em que data começou o. Movimento das Forças Armadas?

Várias respostas têm surgido para esta pergunta, dadas inclusivamente por homens dos mais responsáveis no próprio MFA: desde a reacção de um grupo de oficiais ao Congresso dos Combatentes, inicialmente organizado com boas intenções, mas rapidamente aproveitado pelo governo fascista para mais uma farsa, até à reunião efectuada na zona de Évora por um grupo de capitães e subalternos do Quadro Permanente, passando pela ida de uma comissão de majores ao director do Serviço de Pessoal (com apresentação do respectivo memorando) ou pelo envio de um abaixo assinado, aos então Presidentes Tomás e Caetano, pelos capitães em serviço na Guiné, cada um procura explicar o facto, segundo os seus pontos de vista. Todos têm a sua justificação, mas, como não podia deixar de ser, uma data é apontada, na generalidade, como o símbolo do início do MFA. Mais propriamente, como o marco de início do Movimento das Forças Armadas. É essa data o dia 9 de Setembro de 1973. E porquê essa e não qualquer das outras? É isso que em seguida tentaremos justificar.

Após a saída do decreto-lei n.º 353/73, várias reacções ao mesmo tempo se verificaram: ida de uma comissão do EPOSA, que se desenrolava em Pedrouços, ao director do Serviço de Pessoal; várias reuniões particulares de oficiais do Q.P. entrega de exposições -reclamações sobre o assunto, dirigidas ao Ministro do Exército, etc., etc.

Tiveram estas reacções como resultado o aparecimento de um novo decreto-lei (n.º 409/73), que, não resolvendo o assunto e, antes pelo contrário, exaltou ainda mais os ânimos em relação aos governantes fascistas. Apareceu, após isso, a exposição enviada de Bissau e assinada por 51 capitães do Q.P.

Mas eis que alguns jovens capitães, conscientes do valor da arma que o governo fascista lhes punha nas mãos, resolveram de imediato aproveitar a mesma e não desperdiçar, portanto, mais essa ocasião (haviam de ser, posteriormente, acusados por outros – felizmente poucos – de não terem ido para Évora a pensar somente nos decretos!…).

Resolveram reunir-se e, para o efeito, convidar os capitães e subalternos conhecidos que pudessem oferecer um mínimo de confiança no que respeitava a possível interesse e segurança.

Conseguiram a cedência de um monte alentejano, na zona de Évora, pertencente a um familiar de um dos capitães e aí vão eles para a reunião. Apesar de todas as deficiências, de uma organização improvisada e clandestina, acabaram por reunir-se 136 capitães e subalternos (do Exército e pára-quedistas) e assim nasceu o chamado MOVIMENTO DOS CAPITÃES.

Foi a primeira manifestação, aberta e colectiva, na Metrópole, que então se deu. Nela surgiu a primeira Comissão Coordenadora, com origem na Comissão Organizadora da Reunião e, embora tivesse havido toda uma série de acontecimentos, que antecederam a referida reunião, bem podemos considerá-la como o verdadeiro início do Movimento dos Capitães, o qual, posteriormente, se transformaria em MOVIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS.

Foi, não há dúvida, e segundo a opinião de um dos jovens capitães que a organizaram, a Picadela no Elefante Adormecido, e daí, a sua importância em todo o processo que teve a sua eclosão no 25 de Abril.

Daí, a escolha da data de 9 de Setembro para o início da publicação deste boletim informativo, para o qual pedimos a colaboração de todos os militares, e esperamos possa a vir a constituir mais um elo de ligação e união entre todos os que se comprometeram a levar até ao fim o integral cumprimento do Programa do Movimento das Forças Armadas.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

2 respostas a Há 40 anos, nascia o MFA

  1. JgMenos diz:

    Ficou sem se perceber que tudo começou com uma questão corporativa – os Milicianos iam poder entrar no quadro permanente e lixar as promoções aos da Academia Militar.
    Assim, uma coisa do género dos estivadores do porto de Lisboa!

    • De diz:

      A estirpe de Menos mais uma vez evidente.
      A boçalidade de um saudoso dos tempos do fascismo,seguidor fiel de passos e lastimoso defensor dos “empreendedores” de alto coturno esconde-se mal atrás das suas palavras odientas desta coisa.

      Ainda tem atravessado o 25 de Abril.
      Ainda bem!

Os comentários estão fechados.