A cronologia de um segundo resgate

Bloco exige eleições caso haja novo empréstimo” 08/04/2012

Portugal não vai pedir um segundo resgate” 12/10/2012

BE acusa Governo de estar a negociar segundo resgate devido à ‘bancarrota’ do seu plano” 20/10/2012

Governo não está a preparar um segundo resgate” 5/4/2013

Bloco acusa governo de negociar segundo resgate nas costas dos portugueses” 8/7/2013

Se não formos capazes nos próximos meses de sinalizar aos nossos credores esta reforma estrutural do Estado, que garanta que a despesa do Estado desça de forma estruturada, não estaremos em condições de prosseguir o nosso caminho sem mais financiamento, sem um segundo programa que garanta ao Pais os meios de que ele precisa” 30/08/2013

São todos iguais?

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

5 respostas a A cronologia de um segundo resgate

  1. Pascoal diz:

    Não percebi.
    Foi o Tozé Seguro que andou a compilar estes links?

  2. José Sequeira diz:

    Não, não são todos iguais:
    Em todas as frases atribuídas ao BE, não há uma única ideia; exige eleições para quê? Para o inimigo passar a ser o PS? Neste caso sou obrigado (infelizmente) a compreender o governo sem no entanto lhe dar razão, nem aceitar como boas as medidas que executou ou pretende executar. Daí estar disposto a dar o meu voto a um partido da esquerda (à esquerda do PS) nas próximas eleições, que espero se realizem em 2015. Eleições antecipadas não vão trazer nada de novo, só mais do mesmo.
    Cumprimentos.

  3. m diz:

    (1) O que me parece é que a «ajustamento» não é de todo igual para todas as pessoas e não o é efectivamente.

    Tento sempre ser um bocadinho objectiva.. Não constumava ter esta linguagem, mas agora tenho: os ricos ficam mais ricos e os pobres mais pobres a cada dia que passa. Isso é que o mais me chateia e estou mesmo, mesmo zangada. Não adianta nada? Pois, se calhar não. Com eleições antecipadas ou não, já escolhi o meu voto e não deixo de votar. Preferia que as eleições fossem agora porque dois anos desta cambada no Governo é um para nós portugueses que não roubam. Para mim, acabaram-se os votos úteis.

    (2) Será que alguém já fez as contas aos juros do resgate, aos pagamentos das PPPs, aos pagamentos dos swaps, aos pagamentos das rendas de energia e outras coisas mais? É que nesse assunto ninguém toca: são os bancos que nos governam.

    (3) Mesmo na generalidade Comunicação Social portuguesa – certamente que há jornalistas que podem dar informação de excelente qualidade, não tenho dúvidas; mas os donos dos meios da CS é que não deixam. Quer na televisão pública ou privada fico a cada dia que passa cada vez mais espantada, mesmo as/os comentaristas, analistas que eu pensava que eram mais «ponderados/as», perderam completamente a cabeça dizendo que Portugal não dinheiro para aguentar o Estado Social que tem? Sobretudo depois desde o último chumbo do Constitucional.

    (4) Podem fazer a cabeça a outros, a mim não a fazem. Eu não tenho medo. Temos dinheiro para aguentar o Estado Social, mas não temos dinheiro para aguentar esta cambada de «xulos» que se penduraram no Estado (nós contribuintes e trabalhadores portugueses). Por xulos, entendo os empresários/políticos/banqueiros que se organizaram para viver à conta do povo português.

    Devem haver algumas excepções, sem dúvida, mas nós não temos é dinheiro para aguentar com tanta «negociata» feita à nossa conta.

    O Estado Social que temos é muitíssimo barato em relação às contas que nos estão a fazer pagar.

    Ainda há uns meses li um artigo no CM do Rui Pereira(PS) em que ele dizia que os ajustamentos económicos foram feito sempre com guerras porque demoravam menos tempo e em vez de 20/30 anos de «ajustamento», o nosso ajustamento demoraria 10 anos (com uma guerra). E pensei para mim, ele que vá à frente e dê o exemplo.

    (5) Encravaram os portugueses no meio de imensas mentiras durante inúmeros anos dizendo-se social-democratas, etc., por aí fora. Eu só queria para o meu país, gente que soubesse governar sem mentir tanto. Só isso. E que caísse em cima daqueles o merecem.

    Não foram os pobres, as pessoas remediadas que se endividaram e que endividaram o país. Eu não fui, maioria das pessoas que conheço (são algumas) também não. Hão-de haver pessoas que sabem quem são e como reverter esta situação: pessoas que não estão à venda…

  4. JgMenos diz:

    Para lhe dar algum sossego nas suas angústias, deixe-me explicar-lhe porque os ricos ficam mais ricos:
    – ser rico não tem fácil definição, mas proponho que se estabeleça que «é ter capacidade de viver sem necessidade de trabalhar».
    – basta portanto que o rico trabalhe ou viva abaixo do seu padrão de riqueza, para necessariamente ficar cada vez mais rico.
    Em conclusão: nada mais natural de que os ricos ficarem mais ricos.

  5. m diz:

    Não gosto que descontextualizem o que digo. É sinal de uma profunda cobardia fazê-lo sem ser de uma forma directa.
    Muito obrigada.

Os comentários estão fechados.