Esquerda Martim, Pêpa, Zico & Lorenzo

Depois do Daniel Oliveira ter defendido o empreendedorismo de perna curta do jovem Martim, agora é o Bruno Sena Martins a defender a inimputabilidade do jovem Lorenzo. Pelo meio não faltaram jovens da esquerda radical a idolatrar o Zico (aka Mandela) e materialistas dialécticos a compreender as ambições da Pêpa e da sua mala Chanel. O futuro é uma janela com possibilidades estreitas, mas com uma esquerda assim podem já chamar o cangalheiro. Até o Inimigo Público o percebe.

564554_286918254784323_1834502178_n

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

14 respostas a Esquerda Martim, Pêpa, Zico & Lorenzo

  1. Graza diz:

    Não acho que a Judite seja uma boa jornalista, mas também não gosto do style e da exteriorização que o Lorenzo faz da sua riqueza. O facto de criticar a Judite neste trabalho – porque ele expõe de uma forma muito transparente as razões porque é uma má jornalista – não significa que esteja a “endeusar” o Lorenzo. Parece ser nisto que está a confusão. Não gosto de ver a Judite bajular alguns entrevistados para aniquilar outros. Esse trabalho em relação ao entrevistado compete-me a mim, a ela só lhe compete dar-me elementos para análise. De outra forma está a querer fazer-me a cabeça. E isso, para mim, além de perigoso, faz-me fazer zap.
    Alguma vez não deveria estar d’acordo contigo.

  2. Rocha diz:

    Como se pode ver também pelos exemplos dados, a grande esperança do BE é que os partidos burgueses vão ser tão terrivelmente atingidos pela limitação de mandatos que vão ficar sem burgueses para se candidatarem devido à limitação administrativa de candidatos. Qualquer dia o PSD e o PS vão ter que ir buscar o Zico e o Lorenzo para candidatos. Por isso vamos todos lá abrir o champanhe e festejar para a rotunda com fogo de artificio quando o tribunal impedir o Menezes e o Seara de se candidatarem.

    • causasperdidas diz:

      Algo já feito pelos gregos com o “ostracismo” – tinham porras, mas sabiam da poda de como funcionava o Poder. Sobre o BE, pelos vistos um tiro declarado no pé: uma das “vítimas” é a presidente da única câmara que detêm. Há que reconhecer, pelo menos não desistiram do princípio só porque isso os prejudicava.
      Problema, problema, é o problema de rejuvenescimento que anda por aí. Isso é que o devia preocupar.

  3. luis diz:

    isto será dar relevo a coisa mas diziasse kera tao boa k esteve anos deslocada em lx vinda do porto adivinhem o k lhe davam pa estar deslocada. claro n era so avia mais, mas kker modo foi uma das privilegiadas e agora diga la k o brasileiro ….. e k deve ter vergonha.

  4. Dezperado diz:

    O DO e o BSM, já deviam saber que não podem sair do “rebanho”, porque as outras ovelhas ficam chateadas….”ou estao do mesmo lado, ou estão contra nós”. Liberdade de expressão opiniao própria, é coisa da direita fascista…..estes gajos ja deviam ter tido essa forma(ta)ção.

    • Dezperado desesperado, o rebanho, nesta matéria, está de acordo com DO e BSM.

      • Dezperado diz:

        Este seu post Renato, tras à memória, a esperança da criação de uma grande alternativa de esquerda…..mas se até nestas “merdinhas”, salta-vos logo a “tampa” entre as comadres, imagino em assuntos mais sérios.

        Faz confusão o dinheiro do puto não é???? A inveja é uma coisa muito feia!

  5. von diz:

    Estou-me a cagar para o Lorenzo, o canito, a Pepa e até o Martim. Acho ridículo o tempo de antena que se confere aos 4. Aos 4… Um novo “bando dos quatro”?…

  6. lorenzo diz:

    luis, até o Lorenzo fala português melhor do que tu.

  7. Argala diz:

    Atenção Renato que a análise do Bruno Sena Martins está absolutamente correcta, tirando apenas a parte em que afirma que ” faz mais pela economia portuguesa” e a expressão “capitalismo neoliberal”, creio que tudo o resto é irrepreensível – sobretudo o segundo ponto.

    Quanto à inimputabilidade..qual?! a moral?! Isso não me interessa. Quando houver em Portugal uma organização que lhe cobre o imposto revolucionário, então poderemos dizer, com critério, que deixou de ser inimputável. Até lá, é-o de facto, mesmo que um liberalóide moralista lhe peça que gaste menos em putas e dê à sopa das pobres.

    Em suma, é apenas um chavalo mimado que torra o dinheiro em belas meretrizes, carros de luxo e bom vinho. É um produto da decadência, não a causa dela. Preocupai-vos com o que é importante.

    Cumprimentos

  8. Pingback: O dinheiro esbanjado dos playboys ao serviço da economia | cinco dias

Os comentários estão fechados.