O terrorismo pequeno-burguês de fachada socialista

Image

Ontem em Braga foi instalada uma estátua de homenagem ao terrorista, bombista e assassino da MDLP Eduardo Melo Barroso, apesar da sua inauguração só estar prevista para depois das eleições autárquicas. Ainda que com a abstenção dos vereadores dos outros partidos de direita, os vereadores do PS de Braga aprovaram este monumento.

Aos democratas resta cortar a cabeça à estátua. Ao PS resta-lhe o caixote de lixo da história.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

45 respostas a O terrorismo pequeno-burguês de fachada socialista

  1. JgMenos diz:

    Cortem-lhe a cabeça e depois venham queixar-se de que vos incendiaram uma qualquer loja!
    Enchem a boca com a democracia, mas só entendem o seguidismo da vossa ideologia e os crimes que em nome dela se cometam.
    O personagem não me é simpático mas cabe bem na cidade.
    Se querem um equivalente, comecem a preparar a estátua do Otelo LegiãoP Copcon FP25A.

  2. Eltor0pt diz:

    Segundo a sua lógica, o melhor seria destruir a estátua à bomba, então…

  3. António Carvalho diz:

    Excelentíssimo JgMenos,

    Não é necessário rebentar com a estátua à bomba, mas cortar-lhe a cabeça, como fizeram com a estátua do ditador salazar em Santa Comba Dão!

  4. bpn diz:

    kerem estatuas pros correcios?

  5. Rafael Ortega diz:

    Gostava que houvesse a mesma indignação com a Rua Che Guevara (da Reboleira, da Póvoa de Santa Iria, de Castelo de Paiva ou de Serpa), ou com a Rua Amílcar Cabral (também na Reboleira).

    Mas parece que para certas pessoas nem um assassino de portugueses incomoda que seja homenageado.

    Quem não barafusta por isso não tem nada que barafustar pela estátua de Braga.

    • De diz:

      Ortega:
      vamos lá ver se percebe e se desta vez é logo à primeira.
      Assassino de cidadãos ( secundário se são portugueses ou não.A demagogia barata e sebenta da direita tem destas coisas.Chora os mortos de acordo com o pedigree.Mete algum asco), repito,assassino de cidadãos foi este crápula do cónego melo.

      Compará-lo a Che Guevara só mesmo dum fala-barato ainda enraivecido pelo papel do Comandante na Revlução Cubana.Um papel inesquecível que ainda causa engulhos a coisas assim como Ortega.
      E a revolução Cuibana foi de facto muito pacífica ainda para mais face a uma oposição armada como a que enfrentaram os revolucionários cubanos.
      Sorry Ortega mas essa do Che não passa.Percebe-se o seu ódio mas esse seu gemido é patético.
      Mais sórdido é a invocação de Amilcar Cabral, herói da luta pela independência de Cabo verde e da Guiné-Bissau.
      Aí já não tenho paciência para colonialistas a barafustarem feitos virgens pedantes..
      A responsabilidade das mortes inocentes pode assacá-las ao amigo de Menos.

      • Rafael Ortega diz:

        Já se percebeu que para o De os terroristas só são maus se forem do outro campo, do seu campo são bestiais. Eu não gosto de nenhuns, mas se uns são homenageados os outros também o podem ser.

        • De diz:

          Como?
          Ainda não consegue prerceber o que se lhe diz?
          O único terrorista que aqui se fala é o cónego melo (ainda bem que não gosta dele..mas isso é manifestamente pouco)
          O resto é o delíro provocado por um posicionamento ideológico assaz perturbado.
          Olhe à sua volta e verá as figuras de Che e de Cabral espalhadas por aí.Pode se quiser fazer queixa à polícia política do antigo regime a ver se os consegue remover
          🙂
          Os povos sabem a diferença. O melo tem o destino traçado.como qualquer criminoso de marca regostada
          Eu sei que Che e Cabral causam muita comichão a alguns que foram derrotados por ele e pelas suas causas.Ainda bem.

          Agora pode ir homenagear o terrorista em privado e no recanto próprio da sua reserva pessoal

          • Rafael Ortega diz:

            Pelos vistos Che e Cabral não são os únicos terroristas que causam comichão. 😉

          • De diz:

            A Ortega.mais não resta do que este pedaço de prosa ao estilo de um colonialista ressaibiado e de um pro-ianque com azia.
            Tanto mais ressaibiado que Che e Cabral estão por aí e o rapaz nada pode contra isso.
            Já pensou mesmo não ir pedir a proibição de difusão de imagens?Que diacho,segundo vossemecê tratam-se de terroristas
            🙂
            Talvez com um pedido expresso ao seu amigo cavaco ou à sua amiga swap?

    • adelinoferreira diz:

      Ó Ortega:
      O teu problema, é que por deficiência
      de intelecto não destingues a liberdade da opressão, o feio do belo,
      o justo do injusto, para ti (e não estás
      só) a democracia e liberdade é colocar
      um papel dentro de uma caixa de tempos a tempos

    • Miguel diz:

      Ortega, chamar de assassino de portugueses a Amílcar Cabral, para além de mera provocação alinhada com a extrema-direita (ou ultra), é de uma ignorância de bradar aos céus. Fazer este tipo de observações é o mesmo que não perceber nada de nada. Daí, a minha pergunta: para que serve o teu comentário?

      • Rafael Ortega diz:

        Provocação?

        Foi esse senhor fundador do PAIGC? Foi.
        O PAIGC moveu uma guerra onde morreram portugueses? Sim.

        Não sei se ele teve uma Kalashnikov na mão, mas por essa ordem de ideias também o Miguel não sabe se o tal cónego colocou pessoalmente alguma bomba.

        São portanto exactamente iguais, líderes de movimentos que provocaram mortes. Um indigna o Miguel, outro não. Porquê? Só o Miguel o saberá.

        • De diz:

          Ortega.
          O elogio do colonialismo bacoco é algo que fede.
          Se não sabe ver a diferença tenho muita pena.
          Um é um herói que é reconhecido até pelo Estado Português como tal.O outro é um terrorista.
          Só os pulhas dos colonialistas é que o não reconhecem.Foram derrotados por Cabral e isso está-lhes atravessado na alma.E não,a morte de um ser humano não tem pátria nem cor. Sorry Ortega mas já lhe disse que os nacionalismos pseudo-patriotas cheiram a beatas tontas e hipócritas, próprias de inquisidores de antanho
          Ainda bem que a resistência usou armas para liquidar todos os nazis que puderam.
          Ainda bem que os povos subjugados se levantam para fazer face aos que os oprimem,violam e matam

          Ortega: vá culpar quem não concedeu a independência aos povos que legitimamente a reivindicavam.E depois vá chorar ao pé da estátua que quiser

        • Miguel diz:

          «Não sei se ele teve uma Kalashnikov …
          Se o Rafael não sabe, então porque é que o chama de terrorista?

          «O PAIGC moveu uma guerra onde morreram portugueses?»
          Os portugueses moveram uma guerra na Guiné, onde morreram guineenses.

          Cónego de Melo, líder de um movimento? Talvez… deixe-me cá pensar: o movimento dos coneguistas meelenses.

          • Rafael Ortega diz:

            “porque é que o chama de terrorista?”
            Porque fundou e liderou um grupo de terroristas.

            O cónego pôs as bombas? Não sabe o Miguel e não sabe ninguém. Isso não o impede o Miguel de o achar terrorista.

            As indignações do Miguel são interessantes.

          • De diz:

            É cada vez mais interessante a forma como ortega desbobina o seu caudal ideológico.
            Já não se trata apenas de desonestidade. Trata-se de algo mais fundo que pode passar por aquela.mas a ela não se confina.
            Declarar um movimento de libertação nacional,reconhecido pela ONU e pela comunidade internacional como de “terrorista” só mesmo de alguém que está atrasado dezenas de anos.
            Sejamos directos.Foi gente como esta que também prolongou a guerra colonial,que prolongaram as guerras de libertação dos povos.
            É gente como esta que também tem as mãos sujas de sangue,pesem estes comentários de virgem beata a lembrar salazarentos personagens

    • Carlos Carapeto diz:

      Caro Ortega!

      Se não é capaz de distinguir as diferenças entre aqueles que menciona e o Melo, aconselho-o que estude em detalhe o percurso politico de cada um deles e as razões porque o fizeram.

      Vai ver que fica sabendo a diferença entre aqueles que deram a vida gratuitamente pela liberdade dos mais fracos e oprimidos do sistema e daqueles que estão ao lado dos poderosos, esses que tudo fazem para que nada se altere.

      Comparar um criminoso sem moral como foi o Melo a Amílcar Cabral, denota uma elevada carga de ignorância, ou pior que isso, é colocar-se ao mesmo nível desse fascista energúmeno.

      • Rafael Ortega diz:

        as razões porque o fizeram não interessam a ponta de um chavo para os que foram mortos.

        • De diz:

          Ai interessam sim senhor.Ou temos aqui a doutrina do Ortega a substituir-se à doutrina do direito?Melhor a substituir o óbvio pela doutrina dos mortos que têm pontas de um chavo dos que não a têm
          🙂

          Os condenados em Nuremberg, nazis de primeira água também apresentaram razões para fazer o que fizeram ou a sua condição de póstumos mortos deixou de contar a ponta de um chavo pelo facto de terem feito o que fizeram?
          Será que é preciso explicar de novo?
          Vamos a isso

          • Rafael Ortega diz:

            O facto de alguém apresentar justificações para matar alguém não as torna aceitáveis.

            O Cabral, o Melo, o Bin Laden, ou o Bush, apresentem as justificações que quiserem, para os gajos que levaram com as bombas em cima elas não interessam, porque infelizmente já cá não estão para se interessar por elas.

            As justificações são aceitáveis para os vivos. Aparentemente para o De as justificações de terroristas como o Cabral são aceitáveis, as do Melo não são.

            A mim é me igual, tão injustificável um como o outro.

          • De diz:

            Bem pode ortega neste movimento típico dos pseudo-pliatos contemporâneos fazer colecções de nomezinhos e colocar Amilcar Cabral ao lado de pulhas, todos estes no fundo servidores do mesmo mestre americano.
            A cobardia característica também se revela nesta colecção agora apresentada.
            Carlos Carapeto já colocou o dedo na ferida recuando alguns séculos para ver se era desta que ortega via mais longe que o rançoso colonialismo que afecta as hostes da direita mais pesporrenta.
            As bombas que ortega lastima e chora têm a direcção desviada.Uns tentam libertar-se da opressão.Outros lutam para que ela permaneça ad eternum.
            E à falta de melhor arranjam estas justificações “piedosas” e “choram” os “gajos” que levaram com as bombas…esquecem-se das bombas quotidianas lançadas na vida dos que sofrem na pele a exploração desenfreada e sem peias. Esquecem-se dos milhões de vítimas e dos milhares de massacres por parte das potências coloniais.
            Da próxima falaremos de alguns destes para ver até onde vai a bestialidade de quem defende estes horrores e chama de terroristas quem quis por cobro a tal

            E eu que pensava que este tipo de colonialismo já estivesse arredado de uma conversa civilizada.
            A azia que deve ter dado ao ortega ,se fosse nascido, o 25 de Abril,

            Claro que há outras hipóteses…

          • De diz:

            Tenho finalmente uma pista do nome ortega”:
            Provavelmente um descendente directo do conde de Olivares a lastimar-se da morte mais do que justa do miguel de vasconcelos, o seu valido.
            Gaspar de Guzmán y Pimentel Ribera y Velasco de Tovar, conde-duque de Olivares e duque de San Lúcar la Mayor .Ele próprio um patifório do pior, detestado também pela burguesia espanhola e que não hesitava em abater quem lutava pela independência nacional.

            E o silêncio contristado de Ortega perante os nazis executados em Nuremberga também não deixa de ser significativo.
            Será que os lastima mais do que os milhões de vítimas do nazismo?
            Será que também, tal como os nazis o fizeram, chama terroristas aos partisans que eliminavam corajosamente os nazis ocupantes?

          • Rafael Ortega diz:

            Os senhores têm direito às vossas opiniões.

            Podem achar o cónego um monstro e o Amílcar um santo.

            Para mim são e sempre serão iguais, por mais voltas que lhe queiram dar. Dois terroristas.

          • De diz:

            As voltas de ortega são o que são.Tais profissões de fé fazem lembrar autos de fé.De facto posições como as de ortega foram responsáveis por mais mortos e mais sofrimento nas lutas pela libertação dos povos.
            A confusão na cabeça de ortega provavelmente não será só isso.
            Em 1970, Amílcar Cabral, fazendo-se acompanhar de Agostinho Neto e Marcelino dos Santos, foi recebido pelo Papa Paulo VI em audiência privada. Assistiu-se ao esforço duplicado da Pide e da censura para eliminar tal notícia dos órgãos de informação, já que a histeria sobre o “terrorista” Amilcar Cabral e a propaganda colonial eram assim postas em causa num país dito católico, em que todavia repenicava uma multidão de beatos e de beatas ao velho estilo.

            Ortega repete apenas com 40 anos de atraso as lágrimas impotentes e hipócritas dos terroristas coloniais.

        • Carlos Carapeto diz:

          Ai não interessam?

          E as mortes no Tarrafal. As centenas de opositores ao antigo regime barbaramente assassinados. O massacre de Pindjiguiti. A matança da Baixa de Cassange.
          Wiriamu. Também não interessam?

          São crimes que no entender de qualquer Salazarista babado nem valem a ponta de um corno? Têm justificação.

          Tal como Dresden, Hamburgo, Hiroxima, Nagasaky, My Lai. Foi com a intenção de prevenir males piores?

          O seu grande problema é não conseguir distinguir o justificável do injustificável.

          Se Amílcar Cabral era um terrorista. O que foi D. João IV? Lutaram por as mesmas causas.

          • De diz:

            😉
            Na mouche

          • Miguel diz:

            Essas explicações para pessoas, como o Rafael Ortega, é o mesmo que dar pérolas a porcos.
            Enquanto pessoas, como o Carlos Carapeto, ou “De” e muitos outros, investigam e lêem, esta gente “chafurda” na lama de “Públicos”, “DN’s” e quiçá “Correios da Manhã”, já para não falar em velhos hábitos que vão interiorizando com o tempo.
            Gente como o Rafael Ortega é gente de levar e trazer.

  6. Argala diz:

    Cordão detonante e o boneco vem abaixo. É simples e rápido.

  7. Miguel diz:

    Não tarda muito e vamos ter a trasladação das ossadas de Salazar para os Jerónimos, com transmissão em directo na RTP e com comentários de JgMenos a dizer «aprovado». Não admira que o PS de Braga tenha apoiado o projecto da estátua. Já fez muito pior.

  8. Rocha diz:

    Que isto sirva de medalha por serviços prestados ao capitalismo imperialista e fascista ao PS. Da famosa confissão que o socialismo foi para a gaveta (quando na verdade nunca foram socialistas desde a sua fundação com a honrosa excepção do grupo do Manuel Serra) passa-se à confissão de que o fascismo foi um precioso aliado na edificação do regime democrático-burguês. O poder dos monopólios capitalistas celebra os seus agentes incluindo os fascistas. Do 28 de Maio de 1926 ao 25 de Novembro de 1975, o PS confessa-se pilar e garante do poder das mesmas famílias de parasitas burgueses monopolistas.

    Nem esquecimento, nem perdão.

  9. Já não há bombistas ! Nem vergonha .

  10. Nuno Cardoso da Silva diz:

    Não se cansem. O homem deve ter sido da maçonaria. Logo, a estátua fica. Como ficou o nome do Marechal Carmona por todo esse país fora. Pela mesmíssima razão…

  11. João diz:

    Esta palhaçada da estátua a um dirigente do MLDP, suspeito do envolvimento em vários assassinatos, leva a velha questão que revoluções com cravos são inconsequentes e o tempo trará o lamento da ausência do serviço sanitário tão necessário para a erradicação da escumalha instalada no poder.
    Mas quiseram e bem, as pessoas de bem que na revolução que fizeram não derramar sangue e promover a conciliação. Cedo lhes pagaram com manigância e cedo os votaram ao ostracismo. De libertadores os acusaram de donos de Portugal. Com ardis os acantonaram e transformaram em malfeitores. De que o único crime ocorrido, será o de ingenuidade.

  12. Maria ALmeida diz:

    Para os “democratas” da esquerdalha, só pode haver estátuas a Saramago e património dos portugueses oferecido para a fundação com o nome do dito onde a sua mulher , espanhola,usa a dita fundação para se imiscuir na politica portuguesa, claro está porque é comunista. Até aí tudo bem. Pode.se tudo. Temos de gramar com loas a Saramago , a Cunhal, a Urbano Tavares Rodrigues, a Che ou mesmo a Chavez. Tudo o que saia dessa linha é apelidado de fascista, reaccionário, terrorista, nazi, e afins. Quando esta gente que se orgulham de ser comunistas defendem regimes estalinistas que mataram milhares, senão milhões como aconteceu aos arménios pela mãozinha do Snr. Estaline. Mas isso não interessa nada, porque de preferência os papalvos do zé povinho que são enganados com discursos patéticos nem sequer têm conhecimento dos crimes praticados por esses regimes. Enfim, os que se proclamam libertadores da ditadura de salazar são os memos que se deslocam à China ou convidam dirigentes do PCChinés para estar presente nos seus congressos. Enfim tudo gente muito democrata. Na china não há perseguições, não há assassinatos,, é tudo cor de rosa e muito democrata. Os libertadores da Ditadura salazarista querem em nome da “democracia” impôr a sua ditadura: todos têm de condenar o Cònego Melo, todos têm de condenar o que saia da linha e do discurso imposto em Portugal desde o 25A. Enfim, cada vez mais a esquerda mostra que de democrata tem muito pouco. Usam a democracia para atingir os seus fins, mais nada.

    • De diz:

      O termo “Esquerdalha” é todo um programa “programático” assaz elucidativo. Que nos vamos abster de comentar, já que o exposto é o cansativo debitar do nada a tentar fazer-se passar por alguma coisa.
      Com a correspondente ignorância quie parece ser característica de quem tem da vida esta visão maniqueísta e deformada de Maria Almeida.

      O chamado genocídio arménio deu-se às mãos dos turcos:Assassinados mais de um milhão e meio de arménios.Peguemos num guia do estudante e peçamos à referida dona que o leia. Pode ser que aprenda alguma coisa e da próxima vez não faça estas tristes figuras
      http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/genocidio-armenio-434250.shtml

      Não tem que agradecer

  13. Maria ALmeida diz:

    Oh Diz enganar todos se podem enganam, eu não queria falar dos Arménios senão dos Ucranianos. Admite enganos, amigo ou amiga? Peço desculpa sim?. O que interessa mesmo é não omitir a matança pelas mãos do Snr. Estaline. As minhas sinceras desculpas pelo engano amigos do cinco dias, mas que istonão sirva para se deixar esquecer genocidios de estaline que vocês tanto “adoram”.

    • De diz:

      Quais “adoram genocídios” de estaline qual carapuça.
      Era mesmo o que mais faltava.

      A defesa dum cónego ranhoso, com ligações ao terrorismo, necessita de mais alguma coisa do que as cenas ridículas do “discurso imposto em Portugal desde o 25 de Abril”. Acompanhadas das conversas de chá das cinco dos inefáveis personagens que só agora, tanto tempo depois de 74, se atrevem a urinar fora do tal discurso imposto.
      Já começa a faltar a pachorra

      O que é aprendido à pressa tem destas coisas.Monumentais fífias.
      Espero que tenha, com o link citado, ficado com um pedacinho de mais conhecimentos

Os comentários estão fechados.