E se um dia chegarmos ao fim da estrada?

A tão poucos dias de uma greve geral depois de várias mobilizações, de tantas lutas, de semanas de consciencialização, de vitórias judiciais, de milhares na rua a exigirem demissão, de grandoladas a gargalhadas aos ministros, há quem pense que já não há estrada para andar.

A verdade é que essa estrada é tão sinuosa como a vida que nos impuseram com a ocupação pela Troika e com as medidas desumanas deste Governo. A verdade é que, como escreveu Álvaro Cunhal, não é por alguém dizer «à greve!» que ela brota e a mobilização é geral. O trabalho de massas, o contacto em cada local de trabalho, em cada casa, em cada esquina, é fundamental para a consciencialização e para a unidade na acção.

E se para quem trabalha, o dia de salário que perde é um passo em frente para um futuro que se quer melhor, e por isso, com esforço, são muitos os trabalhadores que no fim do mês, sabendo que muita falta lhes vai fazer o dia de salário, abdicam dele para conquistar direitos (e que o digam os meus conterrâneos, que trabalhando para o Grupo Amorim, recebem uns míseros 500 euros – e as mulheres para o mesmo trabalho, actualmente, menos 37 euros do que os homens), também os desempregados podem participar nesta luta. Integrando-se em piquetes, fazendo aquilo a que ouvi chamar “greve social” – greve ao consumo, não andar em transportes públicos, não fazer nenhuma compra, demonstrando que esta luta é de todos e é contra o Governo e a Troika. Os trabalhadores com vínculo precário, vencendo o medo e juntando-se aos seus companheiros porque a luta é pela defesa do direito ao trabalho com direitos.

Todos nós, participando nas manifestações que por todo o país se convocam para o dia 27 de Junho. Para que de uma vez por todas estes carrascos percebam que «obviamente, estão demitidos».

Havemos de chegar ao fim da estrada.

Esta entrada foi publicada em 5dias com as etiquetas . ligação permanente.

4 respostas a E se um dia chegarmos ao fim da estrada?

  1. Dezperado diz:

    E quem estará no fim dessa estrada para nos governar?

  2. Lúcia Gomes diz:

    Quem o povo determinar, pois.

  3. ou o próprio povo.

Os comentários estão fechados.