Um arco-íris contra a crise

cartaz

Amanhã realiza-se em Lisboa mais uma edição da marcha do orgulho LGBT de Lisboa. Pela décima quarta vez se assinala a data de 28 de Junho 1969 e a sua fulgurante, divertida, colorida e animada revolução.

Este é o momento de luta por excelência de visibilidade do movimento LGBT. Momento de sair à rua, e dizer ao que vimos. Resolvi simplesmente destacar os textos que o blogue da marcha de Lisboa foi publicando nos últimos dias; e assim esse arco-íris de lutas que marca o que é hoje o movimento e a luta LGBT.

O reconhecimento de uma variedade de orientações sexuais e relacionais, com identidades de género diversas, é o caminho para uma sociedade mais justa, porque inclusiva. Esse tem sido o caminho jurídico que Portugal, na esteira de outros países, tem seguido. Mas sabemos que a transformação cultural – a igualdade de facto – é um processo muito lento e porventura mais escorregadio. A coexistência de leis justas e atitudes discriminatórias sucede porque o preconceito se reproduz, tentacular, com a cumplicidade individual e institucional proveniente de muitos lugares quotidianos(não te prives – Grupo de Defesa dos Direitos Sexuais)

A revolução será queer ou não será. Somos todxs corpos, pessoas, animais, pokemon, dragões, feiticeir*s e elfos domésticos e junt@s faremos a revolução! Vestidas ou despidas, pretas ou mulatas, com varinhas ou choques trovão saímos para dizer que queremos abolir a crise e a austeridade do nosso vocabulário. (…) Queremos mudar a língua e visibilizar *s ainda invisíveis: *s piratas do género, *s transtornad*s, os transespecistas, os corpos estranhos e, por isso, ainda mais bonitos, *s que não têm vontade de fazer sexo, mas nem por isso serão púdicos, mas principalmente, *s que, com austeridade, nem mais um dia aguentam. (Exército de Dumbledore)

A Associação de Estudantes do ISCTE-IUL representa a totalidade dos seus estudantes, pautando a sua atividade pelos valores da igualdade, democracia e liberdade, considerando a diferença um dos princípios centrais da sua estrutura. Assumimos o compromisso de combater qualquer forma de discriminação ou penalização de estudantes em consequência de escolhas e orientações individuais e existimos para construir um espaço inclusivo e democrático em que a liberdade e o direito de escolha sejam valores centrais para a comunidade académica.(Associação de Estudantes do ISCTE-IUL)

Porque este orgulho que temos não é como o dos “outros”. A lógica mantém-se e precisa-se ainda de orgulho em oposição à vergonha e ao silêncio. E não, continua a não ser o mesmo que “orgulho hetero” ou “orgulho branco” de pessoas privilegiadas que nunca sentiram vulnerabilidade proveniente de terem uma identidade de género/sexualidade incompatível com o status quo.(Bichas Cobardes)

Por isso esta Marcha LGBT de Lisboa, tem o combate à crise e aos seus responsáveis no seu centro. Por isso vir para a rua no dia 22 de junho, é uma passo fundamental para a visibilidade de todos os direitos que faltam conquistar e a afirmação clara de que o capitalismo e a democracia formal que vivemos provaram que não servem como sistema. Não servem para a justiça social, não servem para a redistribuição da riqueza produzida, não servem para garantir igualdade de direitos entre orientações, identidades e proveniências de classe, não servem para garantir que o planeta e os seus recursos naturais são preservados para as gerações futuras. (Panteras Rosa – Frente de Combate à LesBiGayTranfobia)

O mote da Marcha LGBT este ano como não podia deixar de ser é: Arco-Íris contra a crise. Porque esta capa que nos venderam da “inevitabilidade da crise” e consequentemente a “inevitabilidade das medidas de austeridade” que todos os direitos permitem que sejam atropelados afecta-nos a todos e precariza ainda mais quem já de si sustentava um equilíbrio frágil nesta sociedade discriminatória. (Precários Inflexíveis)

Num ano marcado pela aprovação parlamentar da coadoção em casais do mesmo sexo e pelo crescente apoio à candidatura a adoção por casais do mesmo sexo, marchamos uma vez mais pela visibilidade das pessoas LGBT e das suas famílias, sempre no plural. E continuaremos a marchar com cada vez mais força pelo igual reconhecimento das nossas realidades e projetos familiares – e pela proteção adequada das nossas crianças. (Associação ILGA Portugal – Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero)

No dia a dia, a lésbica, como todas as mulheres, sofre uma pressão para cumprir os papéis sociais que o patriarcado lhe tenta impor, o dever da reprodução e de cuidadora, reduzindo-as a isso mesmo, unidades de produção e preservação de mão de obra. Tentando diminuí-las, segregando quando não pretendem encarnar, somente, esses papeis tradicionais(Clube Safo)

É do conhecimento geral que, em tempos de crise, quem mais a sente são, regra geral, as minorias e grupos mais desfavorecidos. Com a presente crise a regra confirma-se. Assim, a juntar ao boicote feito pelos “especialistas” mais conservadores à lei de alteração de nome e sexo, que à revelia do espírito da lei só passam a declaração necessária para o efeito depois de terem dois relatórios de transexualidade, somam-se os casos em que as pessoas pura e simplesmente não têm o dinheiro necessário para proceder à respectiva alteração, desde que o o governo actual anulou a gratuidade do procedimento. Escusado será dizer que, simplesmente por o serem, as pessoas transexuais são das mais causticadas pelo flagelo do desemprego junto com os desempregados com idades a partir dos quarenta. (GTP – Grupo Transexual Portugal)

Saímos à rua no sábado por saber que é necessário resolver a inadequação das estruturas de saúde em relação à população homo, bi e trans. Parte da população LGBT afasta-se dos cuidados médicos por receio de discriminação e/ou por não sentirem as suas necessidades reconhecidas. A expressão da orientação sexual e identidade de género dos utentes é essencial para uma boa avaliação das suas necessidades ao nível da saúde sexual(GAT – Grupo Português de Ativistas sobre Tratamentos do VIH/SIDA)

O heterossexismo contra o qual a Marcha luta é também parte da cultura que força a monogamia como único modo de vida digno de respeito. O PolyPortugal entende que as lutas não podem ser fragmentadas, porque também o problema não é fragmentado: machismo, (hetero)sexismo e mono-normatividade andam de mãos dadas e alimentam-se mutuamente. Se pessoas de diferentes credos, cores de pele, ou de sexos iguais, vêm hoje (parcialmente) reconhecido o seu direito a ter e viver as suas relações, isso aponta para uma mudança, cultural e pessoal, no significado de “amor” e de “relação”. Nada há de errado com a monogamia, ou com a heterossexualidade – os problemas surgem quando umas formas de vida implicam discriminação face a outras. (PolyPortugal)

(publicado também aqui e aqui)

Sobre paulo jorge vieira

Investigador do Centro de Estudos Geográficos do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, fazendo parte do NETURB – Núcleo de Estudos Urbanos. É também pesquisador no Grupo de Estudos Territoriais (GETE) da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, Brasil.
Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

2 respostas a Um arco-íris contra a crise

  1. Pingback: Um arco-íris contra a crise | Paulo Jorge Vieira

  2. cristof9 diz:

    Apoiado.Ajuda reconhecer que temos um povo compreensivo como poucos no mundo.No Brasil até fazem projectos de “cura gay”. Felizmente não estamos nesse campeonato. Respeito para quem pensa diferente ajuda.

Os comentários estão fechados.