INSIDE (BOSTON) JOB

391124_10151393211016769_1492900149_n

Muita tinta ainda vai correr sobre os atentados de Boston, naturalmente muito mais do que sobre todas as vítimas do principal grupo terrorista do século XXI, e um dos maiores, diga-se, do século XX. Se a história já fazia muito pouco sentido, o fuzilamento dos dois suspeitos (um morreu e o outro dificilmente sobreviverá) deixa demasiadas questões em aberto para que não se investigue o que se passou até às últimas consequências. Sobram dúvidas plausíveis e o que nos chega através das investigações independentes é assustador e apontam para mais um inside job feito pelos mercenários da BlackWater. Seja ao serviço dos suspeitos do costume – confortavelmente instalados em Washington – seja a mando de quem vê a guerra e as questões da segurança com os olhos postos no lucro – instalados à frente das grandes corporações americanas – a verdade é que a não explicação das suspeitas que se levantam, dia após dia, nada abonam a favor do FBI, da Casa Branca e, claro está, dos fanáticos da BlackWater. Estes, que com este caso confirma que ainda vivem sob as leis do faroeste, aplicaram uma sentença de morte a quem provavelmente nunca se virá a saber se estavam ou não inocentes.

Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

31 respostas a INSIDE (BOSTON) JOB

  1. Pedro Jordão diz:

    As provas dessa teoria são imagens avulsas de localização e data e origem desconhecidas e validação e integridade por apurar? Porque é que as versões alternativas nunca são escrutinadas com o mesmo rigor e a mesma saudável desconfiança que merecem as versões oficiais?

    • A verão oficial foi escrutinada? Onde?

      • Pedro Jordão diz:

        Renato, contesta com menos precipitação e talvez não voltes a falar-me de alhos quando te falei em bugalhos. Ia jurar que é o escrutínio das versões oficiais, questionando-as sem imediata credulidade, que leva ao aparecimento de teorias alternativas às que as autoridades vão divulgando. Por isso, não disse que a versão oficial foi escrutinada ou como (além de ter falado genericamente e não em relação apenas a este caso). O que eu critico, e a isso é que poderias ter respondido, é quando aceitamos qualquer fragmento que confirme as nossas suspeitas, sem aplicarmos o tempo e o cepticismo necessários a inquirir a sua veracidade. O link, para além de ter as falhas que já apontei, preocupa-se tão mais em sustentar uma suspeita do que em ser rigoroso, que até comete o erro grosseiro de apresentar como o suspeito abatido (ou atropelado) o homem despido e deitado no chão, quando esse foi um homem abordado e mais tarde libertado (ainda antes do confronto com os suspeitos), como se lembrará quem na altura tenha seguido as notícias. Ser implacavelmente inquisitivo e rigoroso com a informação que nos chega, adeque-se ou não ao que defendemos ou ao que suspeitamos. Parece-te um princípio errado?

        • Não. Desconfiar parece-me um principio correcto, sobretudo em questões como estas, sempre dadas a muita propaganda. Mas não vejo onde é que fui precipitado na pergunta, uma vez que o teu comentário dá a entender que só as versões não oficiais “nunca são escrutinadas”. São e ainda bem. As outras é que não. De resto, não há um meio que sequer as tenha colocado como hipótese e a tese oficial prolifera imediatamente numa escala praticamente indesmentível.

          • Pedro Jordão diz:

            Pois, mas se é isso que o meu comentário te deu a entender, já soubeste entretanto que esse sentido lhe está completamente ausente.

        • jmf diz:

          Sim,sobre o homem no chão!NÃO,quanto ao homem de mãos no ar!!!!(esquecimento selectivo?????????

          • Pedro Jordão diz:

            Que homem com as mãos no ar? Mas olhe, nem se dê ao trabalho, já vi que entretanto já afirmam que há feridos encenados e por aí adiante. É tudo verdade, está tudo muito bem exposto no artigo, tudo muito rigoroso, tudo muito fiável, tudo muito evidente, é inquestionável. Só é preciso querer acreditar e aceitar todo e qualquer facto que por ali apareça. Afinal era muito fácil.

          • De diz:

            Por acaso vale mesmo a pena dar-se ao trabalho.Por acaso voltei atrás na decisão de não comentar mais os comentários do Pedro Jordão.Por acaso a coisa começa a cheirar pior do que as versões oficiais querem fazer crer.
            http://www.globalresearch.ca/the-boston-bombing-web-of-lies/5332981

    • De diz:

      Há aqui qualquer equívoco.
      Porque será que as versões oficiais são apresentadas sistematicamente pela esmagadora maioria dos media como validadas e confirmadas?
      Porque será que as “versões ditas alternativas ” são sistematicamente apagadas do público?
      Porque será que as patifarias, as canalhices do império são sistematicamente escamoteadas e que é preciso um trabalho de Hércules para as conseguir demonstrar inequivocamente?

      Faz lembrar a versão dos acontecimentos para a Igreja no Chile de pinochet. Exageros de comunistas debitavam, pondo em dúvida a validação e a integridade dos factos apresentados.
      Viu-se!
      Como se vê pelo esforço do Jordão?

      • Pedro Jordão diz:

        Sim, o esforço do Jordão, um agente infiltrado. Haja paciência.

        • De diz:

          Qual agente infiltrado qual carapuça.
          Haja paciência mesmo.
          Comparar o que não é comparável é apenas deitar poeira para os olhos. E por aqui me fico

    • kur diz:

      Oi,amigo aqui está uma imagem milagreira.De como um gajo com uma bala na garganta sai do barco sem pinga de sangue e cheio de força .O Natal já está aqui à esquina,só pode.

      as versões alternativas nunca são escrutinadas com o mesmo rigor e a mesma saudável desconfiança que merecem as versões oficiais?’

      http://rt.com/op-edge/boston-bombers-tsarnaev-brothers-172/

      • De diz:

        Um bom artigo.Curiosamente a rt tem sido dos órgãos de informação mais independentes neste caso.

        Entretanto há coisas que dão que pensar, sobretudo vindas de um país em que as suas forças policiais são o que são:
        “Detidos em Espanha “presumíveis terroristas com perfil semelhante aos de Boston”.
        Una de las pruebas, parece ser la de que se les ha detectado apología de los atentados de Boston…” Curioso não é?

        O Resistir vai mais longe:
        “BOSTON: UM NOVO INSIDE JOB
        O atentado terrorista de Boston, como tudo indica, é uma reencenação em pequena escala do 11/Setembro/2011. Uma equipe de mercenários colaboradores do FBI estava presente no momento desse atentado criminoso. Como recorda Corbett, o FBI promove, financia e equipa terroristas americanos . E, naturalmente, descobre umas pobres vítimas para serem acusadas de crimes que não cometeram – muito convenientemente de religião islâmica. Também muito convenientemente, um deles já morreu e não pode desmentir. Os métodos que eles usam na Síria e em outras partes do mundo agora estão a ser aplicados nos próprios EUA.
        Atentados como o de Boston fazem parte de uma operação de mudança de regime , mas desta vez o dos Estados Unidos. O objectivo é intensificar a fascistização do país. Querem mais leis repressivas, mais corpos policiais, mais censura, mais devassa da vida privada dos cidadãos. Ao mesmo tempo, atiçam o ódio contra um inimigo inventado. O povo de Boston ovacionou com entusiasmo a lei marcial. A máquina mediática da desinformação faz com que muitos acreditem naquilo que eles dizem.”
        E deixa os seguintes links:
        http://elcomunista.net/2013/04/21/que-hacian-mercenarios-colaboradores-del-fbi-en-el-lugar-de-los-atentados/
        http://actualidad.rt.com/actualidad/view/92352-mercenarios-colaboradores-fbi-atentado-boston
        http://www.globalresearch.ca/the-boston-bombings-in-context-how-the-fbi-fosters-funds-and-equips-american-terrorists/5331872
        Neste artigo de Corbett esta afirmação espantosa “But the evidence shows that every major terror plot on American soil in the past 10 years has been fostered, funded and equipped by one organization: the FBI.”
        É ir lá ler. Procurar fontes alternativas.Discuti-las e estudá-las.Ser crítico do que nos é servido como inquestionável.E escrutinar TUDO.

  2. Pingback: Inside (Boston) Job [Renato Teixeira] | Casa das Aranhas

  3. Gambino diz:

    Há muitas coisas estranhas em todo este processo, apesar de não serem suficientes para tirar conclusões.
    Sleeper Cells: Apesar das bombas serem pouco sofisticadas, o mesmo não pode ser dito da forma como estes dois tipos estavam absolutamente integrados. É extremamente difícil manter um agente ou um terrorista integrado socialmente no país alvo. Os tipos do 11 de Setembro quase não tinham relacionamentos sociais fora do seu meio, o Unabomber era um solitário e o Mcveigh estava integrado nas Milícias. Para além da origem Chechena, não se conhecem opiniões, interesses ou amizades políticas.
    Operação de Captura: Toda a operação é estranhissima. Começa com um assalto(!), progride para uma caça ao homem extremamente trapalhona e culmina na desmobilização das forças polícias, poucos minutos antes da captura.
    Miranda: Qual o motivo para os polícias não terem lido ao suspeito os seus direitos? Aparentemente não há nada a ganhar com isso, o processo fica imediatamente em risco e, por ser um cidadão americano, nunca poderia ser tratado como soldado inimigo.
    Em suma, não sei se são terroristas isolados ou bodes expiatórios de uma operação interna ou externa (russa?), mas não há duvida que há aqui coisas estranhas.

    • jmf diz:

      Russa????Deve estar a tripar-a Rússia não tem apetência para essas coisas.Tal é característico dum finado imperial,em grande.

  4. Carlos Carapeto diz:

    Ficam muitas perguntas para responder, e muitos mais enigmas para deslindar.

    Qual a justificação para uma força policial altamente preparada para enfrentar situações desta natureza, fazer uso de meios bélicos desmesurados , desde granadas, viaturas blindadas, armas automáticas, para prender um cidadão sem qualquer preparação militar empunhado unicamente uma pistola, e para finalmente ser abatido com uma rajada de metralhadora?

    Depois o irmão ´ferido e moribundo num esconderijo ser enfrentado com a mesma brutalidade?

    Por muito que os simplistas tentem suavizar a monstruosidade desta ação espalhafatosa, devem primeiro aceitar que isto tem muito que se lhe diga. Até passa por a instalação da defesa anti-missil na Europa. Veja-se as conexões que o caso envolve.

    Como se costuma dizer com isso posso eu bem e cada um em sua casa é rei.

    Agora o que choca qualquer cidadão consciente que se pretenda sentir seguro e livre numa sociedade que respeite os valores da vida, foi aquele triste espetáculo da população vir para rua festejar a morte de um ser humano que talvez nem daqui a muitas décadas se saiba o verdadeiro grau de culpabilidade.

    Uma sociedade que reage coletivamente desta forma é uma sociedade doente, inculta, selvagem, cruel, embora se faça uso de todos os artifícios para dizer o contrario.

    E com isto recordo os acontecimentos de Falluja, quando os resistentes Iraquianos festejaram na rua a morte de alguns soldados Americanos e o coro de protestos que se levantaram por toda a América (e não só). E o alto preço que a população da cidade de seguida pagou por isso.

    Bem só faltou fazer uso da arma nuclear para castigar essa “selvajaria”.

    Por outro lado, no mesmo dia do atentado em Boston morreram 30 pessoas no Iraque, ( os feridos já nem se contabilizam), 9 crianças no Afeganistão, tudo consequências diretas da intervenção Americana.

    Onde está a solidariedade com estas vitimas daqueles que condenam até à exaustão os acontecimentos de Boston?

    Não serão todos vitimas da barbárie? E se todos são vitimas porque não merecem igualmente o mesmo respeito?

  5. Vítor Vieira diz:

    Truth is not dead, it just smells funny…

  6. Porque é que, num inside job, iriam tar os mercenários contratados pelo FBI (Craft) tão bem identificados? Makes sense…

  7. António diz:

    Mais um photoshop estalinista! Porque deturpamos a realidade? Porque podemos e porque há sempre um imbecil que acredita.

    • Carlos Carapeto diz:

      As duvidas (ou negação) das armas de destruição massiva no Iraque também eram opiniões dos imbecis que estavam do lado do ditador .

      Porque os deturpadores são sempre aqueles que têm a ousadia em não engolirem a tal realidade confecionada por mixordeiros fazedores de opinião.

      Esses são o pioriu que o sol alguma vez iluminou. Estalinistas.

      Uma pergunta. Se um dos individuos já estava a ser seguido por a policia Americana havia algum tempo, porque razão não comunicaram às autoridades Russas quando ele se deslocou para uma zona de conflito dentro do território Russo?

      Enigmático não é?

  8. Don Luka diz:

    o fuzilamento dos dois suspeitos …

    Esta interpretação dos acontecimentos deve ter passado só na tua televisão. Na volta andas a ver o canal benfica.

  9. JMS diz:

    Fico muito feliz por ver que alguma esquerda actual começa finalmente a compreender a dinâmicas do terrorismo de estado que Sanguinetti explicou há mais de 30 anos, reportando-se ao laboratório de operações de bandeira falsa que foi a Itália dos anos 60-70.
    Que todos os atentados terroristas em solo americano, já para não falar dos homicídios políticos, foram conduzidos pelos serviços secretos/militares/policiais só é segredo para quem prefere à verdade à conveniência. Está tudo mais do que estudado, Há dúzias de livros de investigação jornalística,histórica e científica sobre o assunto.
    E que os atentados mais recentes nos EUA, isto é, desde 2001, são um elemento central do processo de fascização em curso do regime, é algo de tão óbvio que só percebe quem prefere não perceber.
    Mas, tal como eu a entendo, a coisa é assim: os donos da economia americana sabem que a bolha está prestes a rebentar, e que quando rebentar não voltará a haver oxigénio (i.e., energia barata) para a inflar de novo. Logo, depressão sem fim ou puro colapso económico. Por enquanto ainda lhes é possível, aos predadores de topo, salvar as aparências (à custa, como se sabe, da classe média). Mas quando a classe média se tiver sumido num sub-proletariado sem futuro, a revolta há-de ser muita, e não há nada que um estado mais tema do que uma população em fúria e armada. Portanto, nao há nada mais urgente para a classe dirigente americana do que montar o seu perímetro de defesa (legal, ideológico, militar, etc.) e desarmar a população, seja pelo medo ou pela força. É por isso que o habeas corpus já foi suspenso, assim como a obrigatoriedade de julgar suspeitos, ou que a vigilância bigbrotheresca se tornou banal. Atentados como este ou o de Sandy Hook têm como móbil legitimar o estado-policial, preparando a população para aceitar o controlo das armas e para a nova “normalidade” de militares nas ruas, numa espécie de lei marcial não declarada.

    • Carlos Carapeto diz:

      Isso não é novo. O teorema dos atentados, ataques, provocações e desafios é muito velhinho.
      O afundamento do Maine, Pearl Harbour, Golfo de Tonquim foram tudo estratagemas, uns urdidos e outros consentidos para prepar a opinião publica com a finalidade de participar em guerras.

      • JMS diz:

        Eu sei que as operações de bandeira falsa e as operações de serviços secretos não começaram com o 11/9. O que é novo, parece-me, é o carácter quase rotineiro que adquiriram nos últimos 10-15 anos.

        • JT diz:

          pois…especialmente nos media da extrema-direita religiosa americana… já só faltam virem ao barulho os «globalistas» e a illuminati

    • JT diz:

      As teorias da conspiração, é útil não esquecê-lo, formam um dos caldos de cultura do fascismo e, mais que uma deriva fascista do estado americano, preocupa-me o proto-fascismo que vejo surgir à frente do meu nariz. E não há fascismo que não peça emprestada um pouco de retórica socialista…ou que não coopte uns quantos pretensos socialistas….

      • JMS diz:

        Não sei se o incêndio do Reichstag lhe diz alguma coisa. Aparentemente não, a julgar pela ignorância que consegue exibir em tão poucas linhas. Mas não me vou dar ao trabalho de explicar nada de política a quem não conhece sequer as definições de “socialismo”, “fascismo” ou “capitalismo” (ou saberia que não foi por acaso que o partido por trás da conspiração do Reichstag se intitulou nacional-socialista).

  10. João diz:

    Este vídeo sugere que estes atentados são encenados com a ajuda de actores e com a participação da cadeia de TV CNN. A mesma mulher é entrevistada pela CNN em 2 locais diferentes, 15 de Abril nos “atentado” á bomba em Boston e 19 Abril (tiroteio em Watertown,Boston). Parece coincidência a mais. http://www.youtube.com/watch?v=UlUyPvam7vw

Os comentários estão fechados.