Moção de Censura Popular – 2M – 1.500.000 vozes a cantar a Grândola. Quem não ouve isto não ouve nada.

“Esta Moção de Censura Popular expressa a vontade de um povo que quer tomar o presente e o futuro nas suas mãos. Em democracia, o povo é quem mais ordena.

Os diferentes governos da troika não nos representam. Este governo não nos representa.

Este governo é ilegítimo. Foi eleito com base em promessas que não cumpriu. Prometeu que não subiria os impostos, mas aumentou-os até níveis insuportáveis. Garantiu que não extorquiria as pensões nem cortaria os subsídios de quem trabalha, mas não há dia em que não roube mais dinheiro aos trabalhadores e reformados. Jurou que não despediria funcionários públicos nem aumentaria o desemprego, mas a cada hora que passa há mais gente sem trabalho.

Esta Moção de Censura é a expressão do isolamento do governo. Pode cozinhar leis e cortes com a banca e a sua maioria parlamentar. O Presidente da República até pode aprovar tudo, mesmo o que subverte a Constituição que jurou fazer cumprir. Mas este governo já não tem legitimidade. Tem contra si a população, que exige, como ponto de partida, a demissão do governo, o fim da austeridade e do domínio da troika sobre o povo, que é soberano.

Que o povo tome a palavra! Porque o governo não pode e não consegue demitir o povo, mas o povo pode e consegue demitir o governo. Não há governo que sobreviva à oposição da população.

Esta Moção de Censura Popular é o grito de um povo que exige participar. É a afirmação pública de uma crescente vontade do povo para tomar nas suas mãos a condução do país, derrubando um poder corrupto que se arrasta ao longo de vários governos.

No dia 2 de Março, por todo o país e em diversas cidades pelo mundo fora, sob o lema “Que se lixe a troika! O povo é quem mais ordena”, o povo manifestou uma clara vontade de ruptura com as políticas impostas pela troika e levadas a cabo por este governo.

Basta! Obviamente, estão demitidos. Que o povo ordene!”

EM ACTUALIZAÇÃO: Angra do Heroismo 50 | Barcelona 30 | Beja 1000 | Braga 7000 | Caldas da Rainha 3000 | Castelo Branco 1000 | Chaves 200 | Coimbra 20000 | Entroncamento 300 | Estocolmo 15 | Guarda 500 | Horta 160 | Lisboa 800000 | Londres 100 | Marinha Grande 3000 | Paris 100 | Portimão 5000 | Porto 400000 | Santarém 500 | Setúbal 7000 | Sines 120 | Tomar 200 | Torres Novas 250 | Viana do Castelo 1000 | Vila Real 1800

Via Que Se Lixe a Troika.

Ver também na SIC, na TVI (2), na RTP, no i, no DN, no JN, no Expresso, no Sol. Fotos das várias cidades no Rise Up e nos links dos eventos do QSLT.

164403_440677652677721_1444016469_n482670_531233290233455_33782839_n734978_578275835518591_1543089230_n

 

dnJN

Esta entrada foi publicada em 5dias. ligação permanente.

10 respostas a Moção de Censura Popular – 2M – 1.500.000 vozes a cantar a Grândola. Quem não ouve isto não ouve nada.

  1. xico diz:

    Também acho que este governo perdeu legitimidade mas, como só a verdade é revolucionária (Lenine), deve dizer-se que no Terreiro do Paço não cabem 200 000 pessoas e para isso era preciso que estivesse completamente cheio e com 6 pessoas em cada m2 (pode acontecer no metro em hora de ponta). Ora tal rácio esteve longe de acontecer e a praça tinha algumas brancas. Falar em 800 000 em Lisboa é manifestamente exagerado.

    • Quando o Terreiro encheu – está ai uma imagem que o demonstra, ainda havia pessoas nas três avenidas que ai desaguam e o Rossio ainda estava cheio. Reveja lá a matemática agora, mesmo com a sua regra dos nove.

      • xico diz:

        Se o Rossio ainda estava cheio, e as avenidas tinham gente, e o Terreiro do Paço cheio, estariam, contas por cima, 300 000 pessoas. Por muito que tivéssemos gostado não podiam estar ao mesmo tempo 800 000 pessoas. Não é uma questão de regra dos nove. Se a minha regra é errada, qual foi a sua para chegar à conclusão das 800 000. Já agora para aprender.
        O importante é que esteve muita gente. Mas para mostrarmos a nossa força teremos que começar por ser verdadeiros. Para mentiroso basta o Coelho.

  2. José Luís Moreira dos Santos diz:

    Olhem que em Aveiro, eramos muitos e bons!
    José Luís Moreira dos Santos

  3. anjinho diz:

    Contam com aqueles que estiveram,entraram e sairam,pq a dada altura sai da manif e ,fui pelo Chiado acima e desci e,era imensa as pessoas q vinham de lá.Divergência do ‘fluxo’ = a Zero,ou seja a praça do Comércio esteve sempre com pessoas a entrar e a sair.Ademais,kero q o correreio da manha e os spin doctors como o relvas se vão f****!Ah! vi aquela coisa diretora dum jornal(?) de econoastrologia ,cujo nome não me lembro,lá com um sorriso amarelo com laivos de cagufa….

  4. Graza diz:

    Quero lá saber qual foi a maior, e se a outra foi no Outono e esta no Inverno, o que me importa é saber que este Governo foi o pior que tivemos até hoje depois de Abril, e que vi muita gente a vir à rua dizer isso. Vi uma grande indignação e já estou como se diz aqu, que “bastava este”: https://5dias.wordpress.com/2013/03/04/nao-quero-saber-de-quantos-eram-basta-me-este-tenham-vergonha/

  5. Pingback: Porque os números e a verdade falam muito alto | cinco dias

  6. Pingback: Unidade, Unidade, Unidade, Rumo ao Precipício | Casa das Aranhas

Os comentários estão fechados.